Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/10391
Tipo: Tese
Data do documento: 2018
Autor(es): CASTRO, Raifran Abidimar de
Primeiro(a) Orientador(a): CASTRO, Edna Maria Ramos de
Título: Estratégias de dominação empresarial e resistências comunitárias na Amazônia maranhense
Citar como: CASTRO, Raifran Abidimar de. Estratégias de dominação empresarial e resistências comunitárias na Amazônia maranhense. 2018. 286 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Belém, 2018. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido. Disponível em: <http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10391>. Acesso em:.
Resumo: Esta pesquisa teve como objeto de estudo a relação entre as empresas Vale S/A e Suzano Papel Celulose S/A, com as respectivas comunidades rurais do assentamento Francisco Romão, em Açailândia (MA), e da Reserva Extrativista do Ciriáco, em Cidelândia (MA). Objetivou-se analisar/interpretar as repercussões destas relações nos cotidianos comunitários, e nas formas de atuação corporativa diante dos assentados e das quebradeiras de coco. Para acessar a todos os meandros destas relações adotou-se a teoria dos campos de Pierre Bourdieu como eixo teórico-metodológico; realizaram-se entrevistas com representantes das comunidades e das empresas; complementando com análises documentais e em campo. Identificou-se que as empresas buscam, com suas estratégias de dominação, e utilizando principalmente dos seus capitais financeiro e cultural, ampliar seus poderes sobre as comunidades. A Vale e a Suzano utilizam estes capitais para instaurar uma representação que fortaleça seus poderes corporativos. Em relação aos assentados e às quebradeiras de coco, destaca-se que é preciso fortalecê-los para as lutas políticas, jurídicas, e principalmente simbólicas, considerando-se que identificaram-se demonstrações de resistências às estratégias empresariais. Constatou-se que, mesmo havendo empenho da Vale e da Suzano em aplicar estratégias de dominação, as comunidades têm acesas nas suas práticas as essências das resistências cotidianas na defesa dos seus direitos.
Abstract: This research had as object of study the relationship between the companies Vale S/A and Suzano Papel Celulose S/A, with their rural communities of the settlement Francisco Romão, in Açailândia (MA), and the Extractive Reserve of the Ciriáco, Cidelândia (MA). This study aimed to analyze/interpret the repercussions of these relations in everyday life in the community, and in forms of corporate performance before the settlers and the tappers coconut. To access all the intricacies of these relations adopted the theory of Pierre Bourdieu as a theoretical-methodological axis; interviews were held with representatives of the communities and enterprises; complementing with documentary analysis and in the field. It was identified that companies seek, with its strategies of domination, using mainly their financial and cultural capitals, extend its powers on communities. Vale and Suzano exploit the economic weaknesses of the settlers and the tappers coconut, to establish a representation that strengthens its corporate powers. In relation to the settlers and the tappers coconut, it is noteworthy that it must strengthen them to the political struggles, legal, and mainly symbolic, considering that it was identified important demonstrations of resistance to business strategies. It was found that, while there is commitment of the valley and the Suzano in implementing strategies of domination, the communities have lit in their practices the essences of everyday resistance in defense of their rights.
Resumen: Esta investigación tuvo como objeto de estudio la relación entre las empresas Vale S/A y Suzano Papel Celulose S/A, con sus comunidades rurales del asentamiento Francisco Romão, en Açailândia (MA), y el de la reserva extractiva Ciriáco, en Cidelândia (MA). Este estudio tiene como objetivo analizar/interpretar las repercusiones de estas relaciones en la vida cotidiana de la Comunidad, y en las formas de actuación corporativa antes de los colonos y los manipuladores de coco. Para acceder a todos los recovecos de estas relaciones adoptó la teoría de Pierre Bourdieu como un eje teórico-metodológico; se celebraron entrevistas con representantes de las comunidades y las empresas; complementando con análisis documental y en el campo. Se identificó que las empresas buscan, con sus estrategias de dominación, utilizando principalmente sus capitales financieros y culturales, ampliar sus competencias en las comunidades. Vale y Suzano explotar las debilidades económicas de los colonos y los manipuladores de coco, para establecer una representación que refuerza sus poderes corporativos. En relación a los colonos y a los manipuladores de coco, es de destacar que se debe fortalecer a las luchas políticas, jurídicas y, sobre todo, simbólico, considerando que se identificaron importantes manifestaciones de resistencia a las estrategias de negocio. Se comprobó que, mientras que no hay compromiso del Vale y la Suzano en la aplicación de estrategias de dominación, las comunidades han iluminado en sus prácticas las esencias de resistencia cotidiana en defensa de sus derechos.
Palavras-chave: Crenças do Desenvolvimento
Capital Simbólico
Revolução Simbólica
Redes de antidisciplina
Área de Concentração: DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL
Linha de Pesquisa: SOCIEDADE, URBANIZAÇÃO E ESTUDOS POPULACIONAIS
CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Pará
Sigla da Instituição: UFPA
Instituto: Núcleo de Altos Estudos Amazônicos
Programa: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Fonte: 1 CD-ROM
Aparece nas coleções:Teses em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido (Doutorado) - PPGDSTU/NAEA

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_EstrategiasDominaçãoEmpresarial.pdf8,89 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons