Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/10704
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 30-Apr-2015
metadata.dc.creator: BARROS, Luisa Dias
metadata.dc.contributor.advisor1: GORAYEB, Paulo Sérgio de Sousa
Title: Caracterização geológica da suíte ofiolítica Serra do Tapa, SE do Pará – Cinturão Araguaia
metadata.dc.description.sponsorship: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Citation: BARROS, Luisa Dias. Caracterização geológica da suíte ofiolítica Serra do Tapa, SE do Pará – Cinturão Araguaia. Orientador: Paulo Sergio de Sousa Gorayeb. 2015. 97 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10704. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: No norte do Cinturão Araguaia (CA) ao longo de seu domínio de baixo grau metamórfico, a região conhecida como Serra do Tapa, entre municípios de Sapucaia e Xinguara, SE do Pará expõe um dos maiores corpos ofiolíticos do CA interpretado como fragmento da litosfera oceânica do Neoproterozoico da Bacia Araguaia. A Suíte Ofiolítica Serra do Tapa (SOST), denominada neste trabalho, constitui um conjunto de corpos alongados com extensão de 48 km orientando-se preferencialmente na direção N-S. Representa uma sequência ofiolítica desmembrada que compreende peridotitos serpentinizados, basaltos maciços e almofadados, rochas vulcanossedimentares, formações ferríferas e cherts. Todo esse conjunto encontra-se embutido, por meio de zonas de cavalgamentos, nas rochas metassedimentares de baixo grau metamórfico da Formação Couto Magalhães. Os peridotitos serpentinizados apresentam cor verde escura ou clara, granulação grossa e representam a porção basal da sequência estratigráfica da suíte. Originalmente foram peridotitos, provavelmente do tipo harzburgito e dunitos. Os harzburgitos possuem textura protogranular, com a presença marcante de texturas pseudomórficas do tipo bastite e mesh, em que resultam de transformações do ortopiroxênio; e olivina para lizardita, respectivamente. Os dunitos possuem textura mesh predominante, com a presença de finos grãos de cromita dispersos na matriz de serpentina (lizardita). A unidade vulcânica da suíte é representada por derrames submarinos de basalto maciços e com estruturas de almofadas. Os basaltos ocorrem como derrames homogêneos, maciços e nas porções superiores apresentam marcantes estrutura em almofada, e localmente, brechas de superfície de derrame (hialoclastitos). As almofadas apresentam zoneamento, em que o núcleo é constituído por basalto maciço de cor marrom esverdeada, afanítico, com textura intersertal composta por cristais ripiformes de plagioclásio, clinopiroxênio e vidro vulcânico. Na zona de borda estão presentes basaltos hipovítreos de cor verde amarelada, afaníticos e texturas características de resfriamento ultrarrápido como esferulitos, cristais aciculares e radiais de plagioclásio, além de texturas tipo "rabo de andorinha". Os hialoclastitos ocorrem na zona mais externa da almofada e representam brechas de superfícies de derrames basálticos. Finalmente, vidro basáltico de cor verde escura constitui a superfície dos derrames (zona interalmofada). A interface vulcanossedimentar da sequência representa a interação entre os derrames basálticos e rochas sedimentares argilosas. O metapelito tufáceo é constituído por uma matriz pelítica com fragmentos líticos de metabasalto estirados e rompidos. A porção sedimentar da Suíte é constituída por formações ferríferas e cherts e representam os registros de sedimentação química em ambiente oceânico marinho profundo, constituindo a porção superior desta suíte ofiolítica. O arcabouço tectônico da área é caracterizado como um sistema de cavalgamentos frontal e levemente oblíquo e é a feição estrutural mais expressiva na área com direção preferencial NNW-SSE e mergulhos para E e NE. Outra feição marcante é a presença de zonas de cisalhamento transcorrente sinistrais e destrais de extensões quilométricas com orientação preferencial NE-SW e E-W. Todas as estruturas são truncadas por falhas normais de direção NW-SE. Os efeitos deformacionais e metamórficos sobre as rochas da Suíte e rochas encaixantes são incipientes e suas estruturas e texturas primárias mostram-se preservadas. Nas rochas da Formação Couto Magalhães os indícios do metamorfismo são mais evidentes nas ardósias e filitos (formação de sericita e clorita), nos peridotitos serpentinizados ocorre geração de serpentinas não pseudomórficas sobrepondo-se às pseudomórficas, nos basaltos maciços, a associação metamórfica é definida por Ab+Tr-act+Cl+Ep±Stp; as paragêneses dessas rochas indicam transformação metamórfica na fácies xisto verde baixo. Para os estudos litoquímicos foram priorizadas as porções do núcleo das almofadas, que permaneceram, em muitos casos, protegidas das transformações metassomáticas. Dados divergentes obtidos em algumas amostras podem ser explicados por serem amostras coletadas mais próximas às bordas das almofadas, que sofreram intensas transformação devido ao metamorfismo oceânico. Geoquimicamente, os basaltos revelam natureza subalcalina, toleítica, compatíveis com o tipo MORB. Anomalias negativas de Sr podem indicar retenção de plagioclásio durante os eventos de fusão parcial a partir de fonte mantélica empobrecida. O diagrama ETR mostra comportamentos ligeiramente empobrecidos dos ETR leves e enriquecidos em ETR pesados e suave anomalia de Eu; sendo esse padrão confirmado pelas razões (La/Yb)N e (La/Sm)N <1 também apontam para magmas do tipo N-MORB. A evolução da Suíte está ligada ao desenvolvimento da Bacia Oceânica Araguaia com a geração de uma litosfera oceânica antiga com ascensão e talvez exposição do manto superior; vulcanismo formando o substrato oceânico profundo, e sedimentação (argilito tufáceo, formação ferrífera bandada e cherts). Posteriormente, processos de descolamento do substrato crosta/manto levaram à inversão tectônica da sequência levando a fase tectônica compressional, que levou a obducção dos corpos ofiolíticos, gerando um sistema de cavalgamentos e transcorrências tardias com movimentação em direção ao Cráton Amazônico, segmentando os corpos ofiolíticos e misturando-os às rochas da Formação Couto Magalhães acompanhado de metamorfismo regional na fácies xisto verde baixo.
Abstract: In northern Araguaia Belt (CA) along its low-grade metamorphic domain, the region known as Serra do Tapa, between the municipalities of Sapucaia and Xinguara, SE Para exposes one of the largest CA ophiolite bodies interpreted as fragment of oceanic lithosphere the Araguaia basin in Neoproterozoic. The Suite Ophiolitic Serra do Tapa (SOST), denominade in this work, is a set of elongated bodies with a length of 48 km with preferential orientation in the direction N-S. It represents a dismembered ophiolitic sequence comprising serpentinized peridotites, massive and pillow basalts, volcanossedimentary rocks, iron formation and cherts. All this set embedded through thrust zones in the metasedimentary rocks of low metamorphic grade of Formation Couto Magalhães. The serpentinized peridotites have dark or light green, coarse-grained and represent the basal portion of the stratigraphic sequence suite. Originally, the peridotites were probably the harzburgite and dunites type. The harzburgites have protogranular texture, with a marked presence of pseudomorphic textures bastite type and mesh, which result from orthopyroxene transformations; and olivine to lizardite, respectively. The dunites have mesh predominant texture, with the presence of fine chromite grains dispersed in the matrix composed of serpentine (lizardite). The volcanic unit of suite represented by massive basalt submarine flows and pillow structures. The basalts occur as homogeneous flows, massive and in the upper portions feature marked for pillow structure, and locally, breccia flow surface (hyaloclastites). The pillows have a zoning, where in the core consists of massive basalt greenish brown color, aphanitic with intersertal texture composed of crystals of plagioclase, volcanic glass and Clinopyroxene. At the edge zone are present glassy basalts of yellowish green color, aphanitics and quenching textures ultrafast as spherulites, and radial acicular crystals of plagioclase, textures type "swallowtail" and hollow sections. The hyaloclastites occur in the outer zone of the pillow and represent breccias surfaces basaltic. Finally, basalt glass is dark green color of the surface flows (interpillow zone). The volcanossedimentary interface sequence is the interaction between the basalt flows and pelitic sedimentary rocks. The tuffaceous mudstone consists of a pelitic matrix with lytic fragments of metabasalt stretched and broken. The sedimentary portion of the suite consists of iron formation and cherts and represent the chemical sedimentation records in deep-sea ocean environment, is the upper portion of this ophiolitic suite. Another important feature is the presence of sinistral strike-slip shear zones and dextral of kilometric extensions with preferential orientation NE-SW and EW. All structures truncated by normal faults of NW-SE direction. The rocks of Formation Couto Magalhães evidence of metamorphism is most obvious in slates and phyllites (sericite and chlorite formation) in serpentinized peridotites occurs generation of non-superposition serpentine pseudomorphs of pseudomorphs, the massive basalts, the metamorphic association is defined by ab + Tr act + Cl + Ep ± Stp; the paragenesis of these rocks indicate metamorphic transformation in greenschist facies low. For lithochemical studies were prioritized portions of the core of the pillow, which remained in many cases, the protected metasomatic transformations. Divergent data in some samples can be explained because they are samples closest to the edges of the pillows, which suffered intense transformation due to oceanic metamorphism. Geochemically, the basalts show subalkaline nature, tholeiitic compatible with the MORB type. Sr negative anomalies may indicate plagioclase retention during partial melting events from depleted mantle source. The ETR diagram shows slightly depleted behaviors of LREE and enriched in heavy REE and smooth Eu anomaly; and this pattern confirmed the reasons (La / Yb) N and (La / Sm) N <1 magmas also point to the N-MORB type. The evolution of the suite is on the development of oceanic Araguaia Basin with the generation of an old oceanic lithosphere to rise and perhaps upper mantle exposure, volcanism forming the deep ocean substrate and sedimentation (tuffaceous mudstone, banded iron formation and cherts). Later detachment processes of the substrate crust / mantle led to the tectonic inversion of the sequence, leading to compressional tectonic phase, which led to obduction of ophiolite bodies, generating a late thrust and transcurrent system with movement toward the Amazonia Craton, segmented the ophiolite bodies and mixing them with rocks Couto Magalhães Formation accompanied by regional metamorphism of greenschist facies low.
Keywords: Sudeste Petrologia
Serra do Tapa
Cinturão Araguaia
Petrologia - Pará, Sudeste
Suíte Ofiolítica
metadata.dc.subject.areadeconcentracao: GEOQUÍMICA E PETROLOGIA
metadata.dc.subject.linhadepesquisa: PETROLOGIA E EVOLUÇÃO CRUSTAL
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::MINERALOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Geociências
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_CaracterizacaoGeologicaSuite.pdf14,58 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons