Please use this identifier to cite or link to this item: http://10.7.2.42:8080/jspui/handle/2011/11517
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorGOMES, Daniel Loureiro-
dc.date.accessioned2019-08-23T16:19:07Z-
dc.date.available2019-08-23T16:19:07Z-
dc.date.issued2018-11-23-
dc.identifier.citationGOMES, Daniel Loureiro. Quem somos nós?: Memes, subjetividade e malacos no facebook. Orientadora: Ivânia dos Santos Neves. 2018. 104 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará. Belém, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11517. Acesso em:.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11517-
dc.description.abstractThe present dissertation aims to analyze discursively the construction of subjectivities about Belém do Pará. For this, I select as materialities memes that were published in Facebook pages, between January 1, 2016 and January 31, 2018, which thematically state and his capital, demonstrating how this subject builds himself and his peers through verbal (FOUCAULT, 2012) and visual statements (COURTINE, 2011). The theoretical anchoring is carried out through Discourse Analysis and uses the philosophical postulates of Michel Foucault who, when questioning "Who are we today?", Opens space for the search of the understanding of how the subjects are constituted throughout a discontinuous history . Considering the historical trajectory of Belém from the colonial device (NEVES, 2015) and its silenced subjects, I analyze regular processes of (in) visualization of diverse cultural practices, which expose the complexity of a Belém heterotopic (FOUCAULT, 2001), in that the periphery is part of a constant and uninterrupted historical process of exclusion. However, this same process, based on an internal colonialist game (GONZALES CASANOVA, 2015), allows these marginalized individuals their resistance, invested in themselves new forms of power, based on a new discursive order (FOUCAULT, 2014), which is placed, in advance, as a counter-claim to hegemony.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.source1 CD-ROMpt_BR
dc.subjectAnálise do discurso - Belém (PA)pt_BR
dc.subjectFacebook (Rede social on line)pt_BR
dc.subjectLinguagem e internetpt_BR
dc.subjectSubjetividadept_BR
dc.titleQuem somos nós hoje?: memes, subjetividades e malacos no facebookpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Letras e Comunicaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUFPApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICA::LINGUISTICA APLICADApt_BR
dc.contributor.advisor1NEVES, Ivânia dos Santos-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2648132192179863pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/1631038650254369pt_BR
dc.description.resumoA presente dissertação tem o objetivo de analisar discursivamente a construção de subjetividades sobre Belém do Pará. Para isso, seleciono como materialidades memes que foram publicados em páginas do Facebook, entre 1º de janeiro de 2016 e 31 de janeiro de 2018, que tematizam o estado e sua capital, Demonstrando como esse sujeito constrói a si e a seus pares por meio de enunciados verbais (FOUCAULT, 2012) e visuais (COURTINE, 2011). A ancoragem teórica é realizada por meio da Análise do Discurso e utiliza os postulados filosóficos de Michel Foucault que, ao questionar “Quem somos nós hoje?”, abre espaço para a busca da compreensão de como os sujeitos se constituem ao longo de uma história descontínua. Pensando na trajetória histórica de Belém a partir do dispositivo colonial (NEVES, 2015) e de seus sujeitos silenciados, analiso processos regulares de (in)visibilização de práticas culturais diversas, que expõem a complexidade de uma Belém heterotópica (FOUCAULT, 2001), em que a periferia é parte de um processo histórico constante e ininterrupto de exclusão. No entanto, esse mesmo processo alicerçado em um jogo colonialismo interno (GONZALES CASANOVA, 2015) de poder, permite a esses sujeitos marginalizados sua resistência, investido sobre si novas formas de poder, calcadas em uma nova ordem discursiva (FOUCAULT, 2014), que se coloca, de antemão, como uma contraordem à hegemonia.pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.subject.linhadepesquisaANÁLISE, DESCRIÇÃO E DOCUMENTAÇÃO DAS LÍNGUAS NATURAISpt_BR
dc.subject.areadeconcentracaoESTUDOS LINGUÍSTICOSpt_BR
dc.description.affiliationSEDUC/PA - Secretaria de Estado de Educaçãopt_BR
Appears in Collections:Dissertações em Letras (Mestrado) - PPGL/ILC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_QuemSomosNos.pdf2,25 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons