Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/11561
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorSILVA, Cléa Araújo da-
dc.date.accessioned2019-08-28T13:15:08Z-
dc.date.available2019-08-28T13:15:08Z-
dc.date.issued1998-12-20-
dc.identifier.citationSILVA, Cléa Araújo da. Análise morfoestratigráfica do estuário do Rio Marapanim - NE do Pará. Orientador: Maâmar El-Robrini. 1998. 133 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) – Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 1998. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11561. Acesso em: .pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11561-
dc.description.abstractThe estuary of Marapanim River is developed on tertiary-quaternary sediments of Barreiras and Pós-Barreiras Formation. It is inserted on "Littoral of Rias" of Pará northeast, which from High Pleistocene was submitted to marine transgression that drowned coastal paleolines and, in the maximum of Holocene Transgression, reached the coastal plateau. This portion of coast is strongly influenced by dynamic macrotides (5,3m) and salt wedge with mear salinity of 8%0 (high tide — Marudazinho) and 3%0 (low tide — Marapanim). So that, on outer funnel (Marudá) the salinity is 35°/00, representing no influente of mouth river discharge. Geomorphology of the area is subdivided in three morphologic domains: (1) Coastal Plain, constituted by strand plain, paleodune, coastal dune, salt marsh, tidal flat (sand flat and mangrove swamp), recurved spit, lake and palco tidal creek; (2) Estuarine Plain, constituted by estuarine channel (subdivided in estuarine funnel segment, sinuous meandering segment, cuspidate meandering segment and upstream channel), tidal creek and floodplain (salt marsh and fresh water marsh) and; (3) Alluvial Plain constituted by meandering channel (chute cutoff), channel deposits (channel lag deposits), overbank deposits (natural levee, crevasse-splay deposits and floodplain) and channel-fill deposits. Fourteen morphostratigraphic units was identified: floodplain, levee, chute cutoff, fresh water marsh, mudflat, channel bar, point bar, strand plain, paleodune, coastal dune, recurved spit, sand flat and salt marsh. Six stratigraphic facies are also present: point bar sand and mud, marine sands, estuarine sand and mud, estuarine muds, fluvial sands and motled sand. Stratigraphical analysis permitted recognize stratigraphic sequences: Basal Marine Transgressive (Si) with fluvial, salt marsh and shoreface environments; Marine Regressive (S2) with fluvial, fresh water marsh, tidal flat, salt marsh and strand plain environments and; Recent Marine Transgressive (S3) with estuarine (channel bar and point bar) and littoral environments (recurved spit, strand plain and coastal dune). Geological evolution of the estuary of Marapanim River is associated with sea levei oscillations that occurred during progradation and regressive cycles on Later Holocene, which in the maximum of the Holocenic Transgression eroded the highland (coastal plateau). In stillstand sea levei conditions occurred marine regressive and mud flat progradation over marine sand deposits. In present time, sand sheets are deposited over mud ilat providing partia! filling in the mouth of estuary by sand bars.en
dc.description.sponsorshipCNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológicopt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.source1 CD-ROMpt_BR
dc.subjectGeologia estratigráficapt_BR
dc.subjectRio Marapanim - PApt_BR
dc.titleAnálise morfoestratigráfica do estuário do Rio Marapanim - NE do Parápt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.publisher.initialsUFPApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIASpt_BR
dc.contributor.advisor1EL-ROBRINI, Maâmar-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5707365981163429pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2989819751829844pt_BR
dc.description.resumoO Estuário do Rio Marapanim está estabelecido sobre os sedimentos terciário-quaternários da Formação Barreiras e Pós-Barreiras, inserido no litoral de "rias" do nordeste do Estado do Pará, o qual foi submetido à transgressão marinha, a partir do Pleistoceno Superior, que afogou paleolinhas de costa e no máximo da Trangressão Holocênica atingiu o Planalto Costeiro. Este setor da costa sofre influência da maré dinâmica que atinge amplitude máxima de 5,3m (macromarés) e da maré salina que apresenta salinidade média entre a enchente e vazante, para os períodos de baixa e alta descarga fluvial com valores de 896o e 0%0 (Marudazinho), 24%o e 3%o (Marapanim), respectivamente. Entretanto, na parte externa do funil estuarino (Marudá), a salinidade apresenta valor constante de 35%0, não ocorrendo influência significativa da descarga fluvial na foz do estuário. A geomorfologia da área está compartimentada • em 3 domínios geomorfológicos: (1) Planície Costeira com as unidades de Planície de Cristas de Praia, Paleoduna, Duna costeira Atual (Fixa e Móvel), Pântano Salino (Interno e Externo), Planície de Maré (Arenosa e Lamosa), Praia Flecha-Barreira, Lago e Palco-Córrego de Maré; (2) Planície Estuarina com as unidades de Canal Estuarino (compartimentado em Funil Estuarino, Segmento Meandrante Sinuoso, Segmento Meandrante em Cúspide e Canal de Curso Superior), Canal de Maré e Planície de Inundação (Pântano Salino e Pântano de Água Doce) e; (3) Planície Aluvial com as unidades de Canal Meandrante (Meandro Abandonado), Depósito de Canal (Depósito de Fundo de Canal), Depósito de Margem de Canal (Dique Marginal, Depósito de Recobrimento e Planície de Inundação) e Depósito de Preenchimento de Canal. Com base na estratigrafia subsuperficial aliada às características sedimentológicas e geometria superficial foram identificadas 14 unidades morfoestratigráficas: Planície de Inundação, Dique Marginal, Meandro Abandonado, Pântano de Água Doce, Planície de Maré Lamosa, Barra de Maré Arenosa e Lamosa (Vegetada), Barra em Pontal Lamosa, Planície de Cristas de Praia, Paleoduna, Dunas Atuais, Praia Flecha-Barreira, Planície Arenosa e Pântano Salino. E, através de análise subsuperficial (testemunhagem à vibração), associada à análise sedimentológica identificou-se 6 fácies estratigráficos: areia e lama de barra em pontal, areia marinha, areia e lama estuarina, lama estuarina, areia fluvial e areia mosqueada. A partir de dados levantados, á respeito da morfologia e estratigrafia dos depósitos encontrados na área, foi possível identificar 3 seqüências estratigráficas: Seqüência Marinha Transgressiva Basal (S1) com ambiente Fuvial, Parálico e de Face Praial; Seqüência Marinha Regressiva (S2) com canal meandrante influenciado por maré (ambiente fluvial), Pântano de Água Doce, Planície de Maré, Pântano Salino e Planície de Crista de Praia e; Seqüência Marinha Transgressiva Atual (S3) com Ambiente Estuarino (Barra de Maré e Barra em Pontal) e Litorâneo (Praia Flecha-Barreira, Planície de Cristas de Praia e Duna Atual). A evolução do Estuário do Rio Marapanim foi controlada pelas oscilações do nível do mar, durante o Holoceno, que se manifestaram em ciclos progradacionais e retrogradacionais, o qual no máximo da Transgressão Holocênica provocou erosão do Planalto costeiro. Em condições de nível de mar estável houve regressão do mar o que propiciou a progradação lamosa sobre depósitos arenosos marinhos. Atualmente, observa-se a transgressão de depósitos arenosos sobre a planície lamosa, propiciando o preenchimento. parcial da foz do estuário por barras arenosas.pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímicapt_BR
dc.subject.areadeconcentracaoGEOLOGIApt_BR
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_AnaliseMorfoestratigraficaEstuario.pdf97,5 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons