Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/12461
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
Issue Date: Apr-2018
metadata.dc.creator: SANTOS, Fabrício Rodrigues dos
metadata.dc.description.affiliation: UFPA - Universidade Federal do Pará
Title: Cordas que tecem a história: identidade e cultura quilombola na Amazônia paraense
Citation: SANTOS, Fabrício Rodrigues dos. Cordas que tecem a história: identidade e cultura quilombola na Amazônia paraense. Nova Revista Amazônica, Bragança, v. 6, n. 1, p. 121-139, abr. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/nra.v6i1.6224. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/12461. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: De acordo com a história da região e os relatos de moradores, a localidade faz parte de uma “grande porção de terras em que, no passado, várias famílias de negros fugitivos ou não” habitaram e constituíram seus pequenos grupos familiares a partir do processo de convivência marital. Ressalta-se esta forma de laços familiares, porque as pessoas do lugar ainda apresentam a constituição familiar por meio do que chamam de “viver juntos”. Diga-se que, para a modernidade, seria o casamento. Como as terras eram consideradas “Terras devolutas” da Coroa portuguesa (leia-se terras sem dono), muitos negros passaram a habitar e fazer suas moradias. O lugar trata-se de uma ilha de terra firme em meio aos campos naturais de Tracuateua; antigamente fora conhecida por “Pequena Ilha Ponta da areia”. Neste período, para se acessar a localidade, havia um caminho que até hoje existe no lugar, agora denominado de “Pontinha” – também terra de negros. Consta que os moradores iniciais descendem das Famílias Gomes, Rosário e Monteiro; consideradas famílias de precursores de outras comunidades quilombolas de Tracuateua (exemplo, Torre e Cigano), das quais surgiram os primeiros desbravadores da Ilha/Pontinha, sendo que, ao longo dos anos; outras famílias de traços nordestinos e indígenas também passaram a fazer parte do território. Porém sempre conheceram a localidade como sendo de cunho tradicional, oriunda de povos negros da região de campos de Tracuateua. Neste ínterim, outras pessoas também oriundas das comunidades de remanescentes: Jurussaca e Cigano migraram para a Ilha, estabeleceram propriedades e formaram famílias. Contudo, este contexto sócio-histórico já está visibilizado como um território Afrodescendente. A intenção é compreender como as famílias de remanescentes estão constituindo seu território, considerando os aspectos ancestrais e as ponderações da modernidade. esta pesquisa se afirma por meio de métodos qualitativos (CHIZZOTTI, 2003).
Keywords: Famílias de negros
Comunidades quilombolas
Afrodescentes
Series/Report no.: Nova Revista Amazônica
ISSN: 2318-1346
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source.uri: https://periodicos.ufpa.br/index.php/nra/article/view/6224
metadata.dc.identifier.doi: http://dx.doi.org/10.18542/nra.v6i1.6224
Appears in Collections:Artigos - NRA/UFPA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Artigo_CordasTecemHistoria.pdf5,18 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons