Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/2391
Tipo: Tese
Data do documento: 28-Dez-2010
Autor(es): MENEZES, Maria Auxiliadora de
Primeiro(a) Orientador(a): NASCIMENTO, José Luiz Martins do
Título: Impacto da mistura de amaranto adicionada de arroz na proporção de 30/70% sobre a defesa antioxidante de ratos desnutridos
Citar como: MENEZES, Maria Auxiliadora de. Impacto da mistura de amaranto adicionada de arroz na proporção de 30/70% sobre a defesa antioxidante de ratos desnutridos. 2010. 136 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Biológicas, Belém, 2010. Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular.
Resumo: A desnutrição, altamente prevalente em países em desenvolvimento, é um mau antigo que aflige a humanidade. Apresenta-se como um estado de deficiência alimentar, com déficit global de proteínas e calorias, provocando menor aporte de nutrientes às células. Alguns estudos têm mostrado evidências de interação entre desnutrição e estresse oxidativo, ocasionado pelo acúmulo de espécies reativas de oxigênio que causam danos à estrutura das biomoléculas em decorrência da desregulação entre a produção de oxidante e a depleção das defesas antioxidantes. Nesse estudo foi avaliada a utilização da farinha instantânea de amaranto adicionada de arroz na proporção de 30/70% como suplemento alimentar da dieta de base do paraense usada como modelo de indução da desnutrição experimental em ratos sobre o estresse oxidativo dos animais desnutridos comparados aos controles e aos tratados com a dieta suplementada. A dieta modelo de desnutrição (DBR-PA) foi confeccionada respeitando-se as quantidades dos alimentos consumidos rotineiramente pela população do Pará, segundo inquérito alimentar realizado na década de 70 por pesquisadores da Universidade Federal do Pará, enquanto que, a dieta utilizada como tratamento foi elaborada adicionando-se a DBRPA 30% da farinha de amaranto. As análises da composição centesimal e o perfil de aminoácidos foram realizados de acordo com as normas do Instituto Adolfo Lutz (1995) e por espectrofotometria atômica. A dieta controle foi utilizada na forma que é comercializada. Para realização do estudo utilizou-se animais no pós parto imediato de mães alimentadas na gestação com dieta controle para ratos (22% de proteínas), com peso mínimo de 6 g ao nascer. No pós parto imediato as ratas mães foram divididas em 3 grupos a saber: grupo controle (22% de proteínas); grupo desnutridos (DBR-PA contendo 7,8% de proteínas) grupo 3 tratados (DBR-PA+AA) suplementada com a farinha instantânea de amaranto contendo 11,33%). No pós desmame os animais foram separados e em gaiolas individuais receberam a dieta materna específica de cada grupo até os 60 dias de vida, quando foram sacrificados e realizada a coleta de sangue para as dosagens bioquímicas (colesterol total e frações, valores hemogramas (hematimetria, leucograma e plaquetas), níveis de peroxidação lipídica e atividade da catalase. Após a coleta do sangue os animais foram submetidos à exerese do fígado para posterior análise histopatológica. Os resultados revelaram que a dieta indutora da desnutrição é um modelo de desnutrição grave comum na região norte, é hipoproteica, normocalórica, com aminoácido limitante (metionina), promoveu perda de peso nos animais desde o período de aleitamento com acentuado perda de peso nas ratas mãe e nos filhotes aos desmame (21 dias), aos 28 e 60 dias de vida (p <0,05) quando comparados aos animais tratados com amaranto e aos controles. A dieta suplementada com a farinha extrusada de amaranto promoveu ganho de peso no período do aleitamento tanto nas ratas mães (p<0,05) como nos filhotes a partir do 14º dias de uso da mesma ( p<0,05), aos 21 dias (desmame)(p<0,05) aos 28 ( p< 0,05)e 60º dias de vida (p<0,05). Os animais desnutridos consumiram mais dieta em todos os momentos avaliados quando comparados aos tratados e controles (p<0,05). Não foi observada diferença entre os grupos nos valores bioquímicos de hematimetria, leucograma, plaquetas, colesterol total e frações. Os níveis de peroxidação lipídica não apresentaram diferença estatística entre os grupos. A atividade da catalase foi maior no grupo tratado com a suplementação da farinha de amaranto quando comparado aos desnutridos.Os animais tanto os tratados com amaranto como os desnutridos apresentaram esteatose hepática e processo inflamatório dos hepatócitos.O estudo mostrou que a desnutrição imposta não ocasionou estresse oxidativo, porém a diminuição da atividade da catalase nos animais desnutridos pode ter sido ocasionado pela diminuição da síntese da catalase.
Abstract: Malnutrition was highly prevalent in developing countries, is an ancient evil that afflicts humanity, presents itself as a state of nutritional deficiency, with an overall deficit of calories and proteins, causing a lower supply of nutrients to cells. Some studies have shown evidence of interaction between malnutrition and oxidative stress caused by accumulation of reactive oxygen species that cause damage to the structure of biomolecules due to the deregulation of the production of oxidants and depletion of antioxidant defenses. In this study we evaluated the use of instant amaranth flour added rice at a ratio of 30/70% as a food supplement in the diet base used as a model of Para Induction of malnutrition in rats on oxidative stress in malnourished animals compared to controls and treated with supplemented diet. The model of malnutrition diet (RBDPA) was made respecting the quantities of food consumed routinely by the population of Pará, the second dietary survey carried out in the 70's by researchers at the Federal University of Pará, whereas the diet used as a treatment was prepared by adding the DBR-PA 30% of amaranth flour. The results of proximate composition and amino acid were performed in accordance with the standards of the Institute Adolfo Lutz (1995) and by atomic spectrophotometry. The control diet was used as it is available. For the study animals in the immediate postpartum mothers fed with control diet during pregnancy to rats (22% protein) with a minimum weight of 6 g at birth in the immediate postpartum mother rats were divided into three groups: Group control (22% protein); malnourished group (RBD-PA containing 7.8% protein) 3 treated group (RBD-PA + AA) supplemented with amaranth flour instant containing 11.33%). In the post weaning the animals were separated into individual cages and received specific maternal diet of each group until 60 days old when he was done and sacrificed to collect blood for biochemical testing (total cholesterol and fractions, values, blood counts (red blood cells, WBC and platelet counts), levels of lipid peroxidation and catalase activity. After blood collection the animals underwent liver resection for posterior histopathological analysis. The results revealed that the diet induces malnutrition is a model of severe malnutrition in the region eat north, is hipoproteic, normocaloric with limiting amino acid (methionine), has promoted weight loss in animals from the period of lactation with marked weight loss in rats and mother in the weaning pups (21 days), 28 and 60 days old (p <0.05) compared to animals treated with amaranth and controls. The diet supplemented with amaranth flour extruded promoted weight gain during the period of breastfeeding mothers in both rats (p <0.05) in the puppies as apartir the 14th day of using the same (p <0.05) at 21 days (weaning) (p <0.05) to 28 (p <0.05) and 60th days of life (p <0.05). Malnourished animals consumed more diet at all times evaluated and treated when compared to controls (p <0.05). There was no difference between groups in biochemical values of red blood cells, WBC, platelets, total cholesterol and fractions. levels lipid peroxidation did not differ between groups. Catalase activity was higher in the group treated with supplementation of amaranth flour when compared to both desnutridos.Os animals treated with amaranth as the undernourished have hepatic steatosis and inflammation in hepatocytes. The study revealed that malnutrition imposed did not cause oxidative stress, however, the decrease of catalase activity in malnourished animals may have been caused by decreased synthesis of catalase.
Palavras-chave: Biologia celular
Desnutrição
Catalase
Peroxidação de lipídeos
Estresse oxidativo
Suplemento dietético
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BIOQUIMICA
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Pará
Sigla da Instituição: UFPA
Instituto: Instituto de Ciências Biológicas
Programa: Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Aparece nas coleções:Teses em Neurociências e Biologia Celular (Doutorado) - PPGNBC/ICB

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_ImpactoMisturaAmaranto.pdf1,83 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons