Please use this identifier to cite or link to this item: http://10.7.2.42:8080/jspui/handle/2011/2449
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 2004
metadata.dc.creator: SANTANA, André Ribeiro de
metadata.dc.contributor.advisor1: CHAVES, Silvia Nogueira
Title: O ambiente no olhar de alunos em diferentes momentos de escolarização
Citation: SANTANA, André Ribeiro de. O ambiente no olhar de alunos em diferentes momentos de escolarização. 2004. 90 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Núcleo Pedagógico de Apoio ao Desenvolvimento Científico, Belém, 2004. Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas.
metadata.dc.description.resumo: Evidencia quais as concepções de ambientes de estudantes de diferentes momentos de escolarização. Objetiva caracterizar essas concepções entre 181 alunos distribuídos entre 5ª e 8ª séries (Ensino Fundamental), 3º ano/Convênio (Ensino Médio) e discentes de 4º semestre e concluintes de cursos de Pedagogia (Ensino Superior), além de investigar possíveis distinções de complexidade, conforme o grau de escolarização dos sujeitos. A análise das respostas ao questionário aplicado evidencia que concepções de ambiente configuram-se como representações sociais, pois estão na base tanto da elaboração de comportamentos quanto da comunicação entre as pessoas, revelando valores e experiências culturais socialmente estruturadas. Em decorrência do caráter representacional de ambiente identifica, entre os sujeitos, compreensões que não se diferenciam em complexidade. Assim, percebe-se dois entendimentos predominantes, influenciados pela mídia e práxis escolar: o ambiente onde vivo, estou e vou, local em que nossa interage entre si e com os demais componentes; o ambiente como manancial de vida, propiciador de elementos essencialmente naturais, que asseguram a vida. Duas categorizações emergem dessas concepções: o ambiente universal, com fronteiras que podem extrapolar a Biosfera, pleno de paz e harmonia, composto por todas as inter-relações entre fatores biológicos, físicos e químicos; o ambiente do homem, onde estão nossas cidades, casas, escolas, ruas e praças, substrato da existência humana, tendo cultura e tecnologia mediando as inter-relações ambientais. Constata que os sujeitos se sentem privilegiados por integrarem a espécie capaz de preservar, ou não, o ambiente. Este antropocentrismo se faz presente até em intenções de cuidado e manutenção, pois se quer conservar aquilo que assegura nossa existência. Trata-se de um dado relevante para orientar ações que privilegiem um tipo de Educação em Ciências voltada para a busca do equilíbrio de nossas relações ambientais.
Abstract: In this research narrative I searched to evidence which the envirinment conceptions of students of different moments of school formation. I objectified to characterize these conceptions between 181 pupils distributed beteween 5ª and 8ª series (Basic Education), 3º year/”Convênio” (Average Education) and learning of 4º semester and “concluintes” of courses of “Pedagogia” (Superior Education), besides investigating possible distinctions of complexity, as the degree of “escolarização” of the citizens. The analysis of the answers to the applied questionnaire evidenced that environment conceptions are configured as social representations, therefore is in the base in such a way of the elaboration of behaviors how much of the communications between the peoples, disclosing values and cultural experiences socially structuralized. In result of the representacional environnment character I identified between the citizens, understandings that had not been differentiated in complexity. Thus, I perceived two predominant agreements, influenced for the pertaining to school media and school práxis: the environnment where alive I am and I go, place where our species interacts between itself and with the excessively components ones; the environment as flowing of life, producer of elements, essentially natural, that assure the life. Two categories emerge of these conceptions: the universal environment, with borders that can surpass the Biosfera, full of peace and harmony, compositions for all the inter-relations between biological, physical and chemical factors; the environment of the man, where they are our cities, houses, schools, streets and squares, substratum of the existence human being, having culture and technology mediating the ambient inter-relations. I evidenced that my citizens if feel privileged for integrating the species capable to preserve, or not, the environment. This “antropocentrismo” if even makes gift in intentions of care and maintenance, therefore it wants to conserve what it assures our existence. One is about excellent data to guide actions that privilege a type of Education in Sciences come back toward the search of the balance of our ambient relations.
Keywords: Ensino
Representação social
Educação e Ciências
Relação ambiental
Aprendizagem
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Educação Matemática e Científica
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Dissertações em Educação em Ciências e Matemáticas (Mestrado) - PPGECM/IEMCI

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_AmbienteOlharAlunos.pdf2,79 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons