Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/2977
metadata.dc.type: Dissertação
Title: 1952: a poesia de O Estranho de Max Martins
metadata.dc.creator: ALENCAR, Melissa da Costa
metadata.dc.contributor.advisor1: CHAVES, Lília Silvestre
Abstract: Essa dissertação estuda a poesia do livro O Estranho, 1952, do poeta paraense Max Martins, e seu entrelace com a poesia moderna. Para isso, consideramos que a poética de Max dialoga com os textos de poetas brasileiros de renome nacional e universal. De acordo com Haroldo de Campos, a relação de uma poética com a tradição literária e o projeto que o texto artístico necessita é um encontro entre códigos, em uma rara capacidade de transferir mesmo as efemérides mais íntimas para o horizonte do fazer, em criação, na luta corpo-a-corpo com a palavra. Essa luta com o verbo é parte fundamental no jogo poético de Max Martins. Em O Estranho, ao questionar o lugar da poesia no seu próprio tempo, o poeta desmembra o texto e revela o homem e a escrita à margem. A poesia do estranho - o termo sugere o gauche drummondiano - constitui um "dialeto" talvez ininteligível para alguns. Como sugere o poema inicial dessa obra, a linguagem pode até mesmo ser incompreensível, daí o vocábulo "estranho" (do título do livro e do primeiro poema), ou seja, uma linguagem de choque, que se estranha com a realidade, no entanto, é o que quer o poeta, a transmutação da realidade cotidiana no poético. Neste trabalho, traçamos os aspectos relevantes da lírica moderna a partir de um estudo sobre os conceitos de Moderno, Modernidade e Modernismo, passando rapidamente pelo modernismo no Brasil, para chegar ao modernismo paraense e, especificamente, à geração de Max. Finalmente, propomos uma interpretação dos poemas do livro (analisando-os sobretudo à luz da leitura crítico-reflexiva de Benedito Nunes, primeiro crítico dos poemas de Max Martins). Foi feito também um histórico editorial dos poemas antes e depois da publicação de O Estranho. Com isso, pretendemos contribuir para os estudos literários no que tange falar mais demoradamente sobre os aspectos importantes da poesia de Max Martins, especialmente sobre sua iniciação no mundo poético.
ABSTRACT: This dissertation studies the poetry of the book O Estranho, 1952, the poet from Para Max Martin and his knot with modern poetry. For this, we consider the poetry of Max dialogues with the texts of Brazilian poets of national renown and universal. According to Haroldo de Campos, a poetic relationship with the literary tradition and the project that requires the artistic text is a meeting between codes, in a rare ability to transfer the ephemeris even closer to the horizon of doing in the creation, fighting hand to hand with the word. This struggle with the verb is a fundamental part in the game poetic Max Martins. O Estranho, by questioning the place of poetry in his own time, the poet breaksdown the text and reveals the man and writing in the margins. The poetry of the stranger – the gauche drummondiano term suggests – is a “dialect” perhaps uninteligible to some. As the poem suggests that initial work, the language can even be incomprehensible, hence the word “stranger” (the title of the book and the first poem), in other words, a language shock, which is strange with reality, however, is whatever the poet, the transmutation of everyday reality in poetry. In this paper, we draw the relevant aspects of modern lyricism from a study on the concepts of Modern, Modernity and Modernism, passing quickly through modernism in Brazil, for to get to Pará modernism, and specifically the generation of Max. Finally, we propose an interpretation of the poems from the book (especially analyzing them in light of critical and reflective reading Benedito Nunes, the first critic of poems by Max Martins). Was also made publishing history of the poems before and after the publication of O Estranho. With this, we intend to contribute to literary studies regarding talk more al lenght about the important aspects of the poetry of Max Martins, especially about his initiation into the poetic world.
Keywords: Martins, Max, 1926-2009. O Estranho - Crítica e interpretação
Modernismo
Poesia
Pará - Estado
Amazônia Brasileira
Escritores paraenses
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Letras e Comunicação
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Letras
Citation: ALENCAR, Melissa da Costa. 1952: a poesia de o Estranho de Max Martins. 2011. 247 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Letras e Comunicação, Belém, 2011. Programa de Pós-Graduação em Letras.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/2977
Issue Date: 2011
Appears in Collections:Dissertações em Letras (Mestrado) - PPGL/ILC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_1952PoesiaEstranho.pdf16.99 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons