Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/5416
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
Issue Date: 2013
metadata.dc.creator: SOUZA, Givago da Silva
LACERDA, Eliza Maria da Costa Brito
SILVEIRA, Vladímir de Aquino
ARAÚJO, Carolina dos Santos
SILVEIRA, Luiz Carlos de Lima
Title: A visão através dos contrastes
Citation: SOUZA, Givago da Silva et al. A visão através dos contrastes. Estudos Avançados, São Paulo, v. 27, n. 77, p. 45-60, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v27n77/v27n77a05.pdf>. Acesso em: 11 fev. 2014. <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142013000100005>.
metadata.dc.description.resumo: O primeiro estágio de processamento da informação do estímulo visual consiste na contagem de fótons pelas células fotorreceptoras. Nos estágios pós-receptorais a informação de intensidade absoluta do estímulo é transformada em comparações de informações provindas de áreas adjacentes da retina e momentos sucessivos. Essa métrica implementada pelo sistema visual para quantificar o estímulo é chamada de contraste - contraste espacial ou simultâneo e contraste temporal ou sucessivo. A presença de contraste é essencial para a geração de percepção visual consciente no domínio do espaço e do tempo e em três dimensões ortogonais de cores - branca e preta; azul e amarela; verde e vermelha. Uma curva em forma de sinodelimita os limiares de detecção de contraste em função da frequência especial ou temporal do estímulo. Ela é chamada função de sensibilidade ao contraste e é afetada por uma série de fatores ópticos e neurais. Neurônios de diferentes classes contribuem para regiões diferentes da função de sensibilidade ao contraste e suas atividades representam as ações de vias de processamento visual que se estendem da retina ao córtex visual. Investigações básicas e clínicas têm dado suporte à importância do estudo da sensibilidade ao contraste espacial de luminância (branco e preta) como uma ferramenta indicadora da função visual em sujeitos normais e afetados por disfunções neuro-oftalmológicas.
Abstract: The first step in the information processing of visual stimuli corresponds to foton counting by photorreceptor cells. In the post-receptoral steps, information on the stimulus absolute intensity is converted in comparisons between information coming from adjacent retinal areas or successive moments. This metrics implemented by the visual system to quantify the stimulus is called contrast - spatial or simultaneous contrast and temporal or successive contrast. Contrast is essential to the generation of conscious visual perception in the domain of space and time and in three orthogonal color dimensions - black and white, blue and yellow, and green and red. A Bell-shaped curve delimits the thresholds of contrast detection as a function of spatial or temporal frequency. It is called contrast sensitivity function and is affected by several optical and neural factors. Different classes of neurons contribute to different regions of the contrast sensitivity function and their activities represent the work of visual processing pathways that begin in the retina and end in the visual cortex. Basic and clinical investigations have given support to the importance of the study of luminance (black and white) spatial contrast sensitivity as a tool to evaluate the visual function in normal and subjects affected by neuro-ophthalmologic dysfunctions.
Keywords: Visão espacial
Sensibilidade ao contraste
Processamento paralelo visual
Visão temporal
ISSN: 0103-4014
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Artigos Científicos - ICB

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Artigo_VisaoAtravesContraste.pdf603,81 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons