Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/5715
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
Issue Date: Feb-1988
metadata.dc.creator: ISHAK, Marluísa de Oliveira Guimarães
MUMTAZ, Gilanfan
ISHAK, Ricardo
RIDGWAY, Geoff
Title: Prevalência de anticorpos para chlamydia trachomatis em grupos populacionais do Brasil, Inglaterra e Portugal
Other Titles: Prevalence of Chlamydial antibody in populations from Brazil, England and Portugal
Citation: ISHAK, Marluísa de Oliveira Guimarães et al. Prevalência de anticorpos para chlamydia trachomatis em grupos populacionais do Brasil, Inglaterra e Portugal. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 40-44, jan./fev. 1988. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rimtsp/v30n1/07.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2014. <http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46651988000100007>.
metadata.dc.description.resumo: A prevalência de anticorpos IgG, grupo-específico para Chlamydia, em populações do Brasil, Inglaterra e Portugal foi determinada através do teste de imunofluorescência indireta, tendo-se como antígeno a cepa SA2 (f). Foram considerados positivos os soros com títulos de IgG >1:32. Dentre as populações brasileiras, a prevalência de anticorpos para Chlamydia foi maior em Serra Norte (76,2%, p < 0,01) do que nas das populações de Belém (53,6%) e dos Índios Xicrins (51,3%). Entre os pacientes do Departamento de Medicina Genito-Urinária do University College Hospital (UCH) e do quadro do mesmo Hospital, a prevalência de anticorpos anti-Chlamydia foi de 62% e 53,1%, respectivamente. Anticorpos anti-Chlamydia foram detectados em 54% e 66% na Inglaterra e em 56% e 68% em Portugal, nas pacientes do sexo feminino que freqüentavam Clínicas de Pré-Natal e de Infertilidade, respectivamente, Os resultados encontrados mostram uma alta exposição das populações testadas, à Chlamydia, principalmente do grupo de baixo nível sócio-econômico de Serra Norte, Brasil. A evidência de infecção por Chlamydia é da mesma ordem, tanto no Brasil, quanto na Inglaterra e Portugal.
Abstract: The prevalence of group - specific antichlamydial IgG in populations from Brazil, England and Portugal was studied using the whole inclusion - indirect immunofluorescence test, and SA2 (f) as antigen. Those sera with the IgG titre > 1:32, were considered to be positive. Among the Brazilian populations, prevalence of chlamydial antibody was higher in Serra Norte (76,2%, p < 0,01) than in Belém (53,6%) and among Xicrins Indians (51,3%). In patients attending the Departament of Genito Urinary Medicine, University College Hospital and in members of the UCH staff, London, England, the prevalence of antichlamydial IgG was 62% and 53,1%, respectively. Antibody to Chlamydia was detected in 54% and 66% of the English women and in 56 and 68% of the Portuguese women attending Antenatal and Infertility Clinics, respectively. These results show a wide exposure to Chlamydia among all the populations tested, mainly among the low socio-economic group of Serra Norte, Brazil. Evidence of chlamydial infections is of the same order in Brazil, England and Portugal.
Keywords: Doenças sexualmente transmissíveis
Infecções por Chlamydia
Chlamydia trachomatis
Soroprevalência
Imunologia
Imunoglobina G (IgG)
Estudos soroepidemiológicos
Brasil - País
Inglaterra - País
Portugal - País
ISSN: 0036-4665
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Artigos Científicos - ICB

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Artigo_PrevalenciaAnticorposChlamydia.pdf759,91 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons