Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/6797
Compartilhar:
Type: Tese
Issue Date: 2013
Authors: PIRES, Carla Andréa Avelar
First Advisor: XAVIER, Marília Brasil
Title: Reações hansênicas em pacientes coinfectados com HIV/Hanseníase: Clínica e ibmunopatologia
Citation: PIRES, Carla Andréia Avelar. Reações hansênicas em pacientes coinfectados com HIV/Hanseníase: Clínica e ibmunopatologia. 2013. 138 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Núcleo de Medicina Tropical, Belém, 2013. Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais.
Resumo: O Brasil é um dos poucos países que permanece endêmico para a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e hanseníase, e estas doenças têm grande impacto em custos sociais e em qualidade de vida. Embora seja reconhecida a relevância desta coinfecção, vários aspectos ainda não são totalmente compreendidos. Este estudo tem como objetivo descrever aspectos clínicos, histopatológicos e imunopatológicos dos estados reacionais de pacientes coinfectados HIV/hanseníase, comparando-os aos pacientes com hanseníase, sem HIV. Foram acompanhados, dois grupos: (1) com 40 pacientes coinfectados HIV/hanseníase; (2) com 107 pacientes com hanseníase. Prevaleceram indivíduos do sexo masculino em ambos os grupos. No Grupo 1, a maioria eram paucibacilar (70%), na forma borderline tuberculóide (45%) e com menor risco de ter reação hansênica em relação aos não coinfectados. Todos os coinfectados que apresentaram reação hansênica (n= 15) estavam em uso de Terapia Anti-retroviral (TARV), e a maioria no estado de aids (n=14), sendo a Síndrome da Reconstituição Imune (SRI) uma condição clínica marcadamente importante em muitos destes pacientes (n=7). No grupo dos não coinfectados, o padrão de infecção da maioria foi multibacilar (80.4%), forma borderline-borderline (40.2%), e com Risco Relativo maior de apresentar reações hansênicas (p = 0,0026). A reação reversa foi a mais frequente em ambos os grupos. No grupo de coinfectados observaram-se lesões dermatológicas com aspecto de acordo com o esperado para cada forma clínica, em geral, eritemato infiltradas, com evolução semelhante aos sem coinfecção. O edema na derme foi o achado histopatológico mais comum em ambos os grupos. No Grupo 1, foram encontradas células gigantes, em todos os histopatológicos e em maior quantidade (2+) e de tamanho grande. A morfologia do eritema nodoso hansênico não apresentou diferenças significantes entre os grupos, assim como a expressão de IL-1β e IL-6. Este estudo corrobora com as hipóteses de que o quadro clínico e imunopatológico das reações nestes pacientes é um quadro inflamatório ativo, e não de anergia, semelhante ao encontrado nos não coinfectados.
Abstract: Brazil is one of the few countries remaining endemic for infection for human immunodeficiency virus (HIV) and leprosy, and these diseases have a major impact on social costs and on quality of life. Although it is recognized the importance of this co-infection, various aspects are not fully understood yet. This study aims to describe the clinical, histopathological and immunopathological aspects of reactional states of patients coinfected HIV/leprosy, comparing them to leprosy patients without HIV. Were followed two groups: (1) 40 patients coinfected with HIV/leprosy, (2) consists of 107 leprosy patients. Prevailed male subjects in both groups. In Group 1, the majority were paucibacillary (70%), as borderline tuberculoid (45%) and with less risk of having lepra reaction in relation to non-coinfected. All of coinfected who had lepra reaction (n = 15) were taking antiretroviral therapy (ART), and most in the aids status (n = 14), being Immune Reconstitution Syndrome (IRS) a clinical condition markedly important in many of these patients (n=7). In the group of non-coinfected, the pattern of infection was the majority multibacillary (80.4%), type borderline-borderline (40.2%), and higher relative risk of presenting lepra reactions (p = 0.0026). The reversal reaction was the most common in both groups. In the coinfected group were observed skin lesions with aspect according to expected for each clinical form, in general, erythematous infiltrated with similar evolution to non-coinfected. The dermal edema was the most common histopathological findings in both groups. In group 1, giant cells were found in all histopathological and in greater quantity (2 +) and large size. The morphology of erythema nodosum leprosum no presented significant differences between groups, as well as the expression of IL-1􀈕 and IL-6. This study confirms the hypothesis that clinical and immunopathological aspects of reactions in these patients is an inflammatory active status, not of anergy, similar to that found in non-coinfected.
Keywords: Doenças infecciosas
HIV (Vírus)
Hanseníase
Coinfecção
Síndrome inflamatória da reconstituição imune
CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA::CLINICA MEDICA::DERMATOLOGIA
CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA::SAUDE PUBLICA
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
Institution Acronym: UFPA
Department: Núcleo de Medicina Tropical
Program: Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Teses em Doenças Tropicais (Doutorado) - PPGDT/NMT

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_ReacoesHansenicasPacientes.pdf2,14 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons