Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/10536
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorGUEDES, Regis José da Cunha-
dc.date.accessioned2019-01-30T12:17:52Z-
dc.date.available2019-01-30-
dc.date.available2019-01-30T12:17:52Z-
dc.date.issued2017-03-04-
dc.identifier.citationGUEDES, Regis José da Cunha. Perfil geossociolinguístico do português em contato com línguas Tupí-guaraní em áreas indígenas dos estados do Pará e Maranhão. 2017. 295 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Letras e Comunicação, Belém, 2017. Programa de Pós-Graduação em Letras. Disponível em: < http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/10536>. Acesso em:.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10536-
dc.description.abstractThe present thesis consists of a mapping of the geossociolinguistic profile of the Portuguese language in contact with languages belonging to the Tupí-Guarani family, in indigenous areas in the states of Pará and Maranhão, aiming at contributing to the knowledge of the linguistic attitudes of speakers and the phonetic variation of Portuguese language in contact with five indigenous languages, which are: Suruí Aikewára, Asuriní from Tocantins, Tembé, Guajajára and Guaraní Mbyá. The theoretical-methodological assumptions of Dialectology and Linguistic Geography (GILLIERON, 1902; NASCENTES, 1953; ROSSI, 1963), Modern Dialectology and Geosociolinguistics (RAZKY, 1996; CARDOSO, 1999; AGUILERA, 2008), Pluridimensional and Relational Dialectology (RADTKE; THUN, 1996), and languages contact (WEINREICH, 1953, FISHMAN, 1978 and THOMASON, 2001) guided this study. The methodological approach adopted was inspired by the instruments developed by the National Committee of the Linguistic Atlas of Brazil (ALiB), especially one of its instruments of data collection: the Phonetic-Phonological Questionnaire (PPQ), which has 159 questions. This questionnaire was adapted, including a request for the correspondence in the indigenous language for each of the answers obtained in Portuguese. In addition to the instrument, a Complementary PPQ with 37 questions was applied, aiming at the registration of phonetic phenomena specific to Portuguese contact with indigenous languages, and a Sociolinguistic Questionnaire of 21 questions on linguistic attitudes and metalinguistic/epilingual comments. Ten respondents per survey point, of both gender, stratified into three age groups (1: 5 to 10 years old, 2: 18 to 37 years old and 3: 47 to 75 years old) had been planned. The adults were divided equally into two levels of schooling (1st: illiterate to elementary school and 2nd: from high school to college). The analysis of the results showed that the Portuguese language spoke in these indigenous areas also showed influence of the linguistic substrate originated from Tupí-Guarani mainly in the speech of a portion of older informants (3rd age group) whereas the realization of the phones studied seem to be part of a speech continuum in relation to non-indigenous communities in the region (compared to Linguistic Atlas of Brazil – ALiB and Linguistic Sound Atlas of Pará – ALiSPA data). The results of the sociolinguistic mapping point to the diffusion of the Portuguese language and to a low degree of linguistic competence in the indigenous language among the youngest informants (1st and 2nd age groups), although there are indications of a process of awareness of these informants about the importance of maintaining indigenous languages from their communities.pt_BR
dc.description.sponsorshipCAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superiorpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.source1 CD-ROMpt_BR
dc.subjectDialetologia pluridimensionalpt_BR
dc.subjectGeossolinguísticapt_BR
dc.subjectLíngua tupí-guaranípt_BR
dc.subjectLíngua portuguesa-Variaçãopt_BR
dc.titlePerfil geossociolinguístico do Português em contato com línguas Tupí-guaraní em áreas indígenas dos estados do Pará e Maranhãopt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Letras e Comunicaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUFPApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICA::SOCIOLINGUISTICA E DIALETOLOGIApt_BR
dc.contributor.advisor1RAZKY, Abdelhak-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8153913927369006pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0175832546249109pt_BR
dc.description.resumoA presente tese consiste num mapeamento do perfil geossociolinguístico do português em contato com línguas pertencentes à família Tupí-Guaraní, em áreas indígenas dos estados do Pará e Maranhão, com o propósito de trazer contribuições ao conhecimento dos comportamentos linguísticos dos falantes e da variação fonética do português em contato com cinco línguas indígenas, quais sejam: Suruí Aikewára, Asuriní do Tocantins, Tembé, Guajajára e Guaraní Mbyá. Os pressupostos teórico-metodológicos da Dialetologia e Geografia Linguística (GILLIERON, 1902; NASCENTES, 1953; ROSSI, 1963), da moderna Dialetologia e da Geossociolinguística (RAZKY, 1996; CARDOSO, 1999; AGUILERA, 2008), da Dialetologia Pluridimensional e Relacional (RADTKE; THUN, 1996), e do contato de línguas (WEINREICH, 1953; FISHMAN, 1978; THOMASON, 2001) nortearam a realização deste estudo. O aporte metodológico adotado foi inspirado nos instrumentos desenvolvidos pelo Comitê Nacional do Atlas Linguístico do Brasil – ALiB, especialmente em um de seus instrumentos de coleta de dados: o Questionário Fonético-Fonológico (QFF), que possui 159 perguntas. Esse questionário foi adaptado, incluída a solicitação da correspondência em língua indígena para cada umas das respostas obtidas em português. Além desse instrumento, foi aplicado um QFF Complementar, com 37 perguntas, que objetivou o registro de fenômenos fonéticos específicos do contato do português com essas línguas indígenas, e um Questionário Sociolinguístico de 21 questões sobre comportamentos linguísticos e comentários metalinguísticos/epilinguísticos. Foram previstos dez colaboradores por ponto de inquérito, de ambos os sexos, estratificados em três faixas etárias (1ª: 5 a 10 anos, 2ª: 18 a 37 anos e 3ª: 47 a 75 anos), os adultos foram subdivididos de forma equitativa em duas faixas de escolaridade (1ª: analfabetos ao ensino fundamental e 2ª: do ensino médio ao superior). A análise dos resultados demonstrou que o português falado nessas áreas indígenas ainda apresenta influência do substrato linguístico de origem Tupí-Guaraní, principalmente na fala de uma parcela dos colaboradores mais velhos (3ª faixa etária), enquanto que, de modo geral, a variação dos fenômenos fonéticos estudados parece compor parte de um contínuo de fala em relação às comunidades não indígenas da região (se comparados aos dados do Atlas Linguístico do Brasil – ALiB e do Atlas Linguístico Sonoro do Pará – ALiSPA). Os resultados do mapeamento sociolinguístico apontam para a difusão da língua portuguesa e para um baixo grau de competência linguística em língua indígena entre os colaboradores mais jovens (1ª e 2ª faixas etárias), apesar de haver indicações de um processo de conscientização desses colaboradores acerca da importância da manutenção das línguas indígenas próprias de suas comunidades.pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.subject.linhadepesquisaENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS E CULTURAS: MODELOS E AÇÕESpt_BR
dc.subject.areadeconcentracaoESTUDOS LINGUÍSTICOSpt_BR
dc.description.affiliationUFPA - Universidade Federal do Parápt_BR
dc.description.affiliationUFRA - Universidade Federal Rural da Amazôniapt_BR
dc.description.affiliationPrefeitura Municipal de Ananindeuapt_BR
Appears in Collections:Teses em Letras (Doutorado) - PPGL/ILC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_PerfilGeossociolinguisticoPortugues_V1.pdf10,4 MBAdobe PDFView/Open
Tese_PerfilGeossiolinguisticoPortugues_V2.pdf12,58 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons