Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10639
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 24-Sep-2016
metadata.dc.creator: SERRA, Vitor Felipe Hage
metadata.dc.contributor.advisor1: TORO, Marco Antonio Galarza
Title: Geologia, controle estrutural e geocronologia das rochas hospedeiras e do minério: implicações para o modelo genético do depósito aurífero do Palito, Província Tapajós, Itaituba-PA
metadata.dc.description.sponsorship: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Citation: SERRA, Vitor Felipe Hage. Geologia, controle estrutural e geocronologia das rochas hospedeiras e do minério: implicações para o modelo genético do depósito aurífero do Palito, Província Tapajós, Itaituba-PA. Orientador: Marco Antonio Galarza Toro. 2016. 78 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Bélem, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10639. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: O depósito aurífero do Palito está localizado na porção leste da Província Aurífera do Tapajós, município de Itaituba, SW do Estado do Pará. O depósito do Palito compreende um sistema de filões subverticais de quartzo aurífero, hospedado nos granitos paleoproterozoicos Palito e Rio Novo e controlados estruturalmente por uma zona de cisalhamento transcorrente sinistral, rúptil-dúctil, de direção NW-SE, que faz de uma estrutura regional denominada Lineamento Tocantinzinho. Os granitos Palito e Rio Novo são dois stocks monzograníticos oxidados cálcio-alcalinos, de idade orosiriana, típicos de arcos magmáticos e correlacionáveis à Suítes Intrusiva Parauari. Os veios mais espessos do sistema filoneano são alojados pelas falhas principais do cisalhamento, ao longo da direção N40-50W, enquanto que os filões menores são alojados por falhas e fraturas de segunda ordem e inclinadas em relação à direção principal do cisalhamento, com ângulos baixo (em torno de 20), médio (por volta de 50) e alto (em torno de 80). Tal situação estrutural é compatível com o sistema de Riedel, com os filões mais expressivos paralelos à direção principal de cisalhamento (filões D), associados com filões de baixo ângulo (em falhas R e P), de médio ângulo (veios gash em fraturas de extensão T) e de alto ângulo (em falhas R’ e X). Conjuntos de filões do tipo stockwork também ocorrem localmente como um tipo subordinado de minério. Os veios mineralizados estão sempre envolvidos por um halo de alteração hidrotermal bem desenvolvido e normalmente brechado. Alteração fílica (quartzo + fengita + pirita) e cloritização são os tipos dominantes, acompanhados por alteração potássica (K-feldspato), carbonatação (calcita + sericita + quartzo) e sulfetação (pirita + calcopirita + esfalerita) de ocorrência mais restrita. Três gerações hidrotermais de quartzo filoniano são bem caracterizadas no depósito aurífero do Palito. Os veios mais precoces são os de baixo ângulo (R e P), constituídos principalmente por quartzo1, enquanto que os filões principais (D) são mais tardios e expressivos e constituídos por quartzo1 e 2. Veios gash de quartzo, em fraturas de extensão, podem ocorrer em qualquer momento da evolução do sistema hidrotermal e são constituídos tanto por quarzto1 (veios gash precoces), como por quartzo2 e 3 (veios gash tardios). Vênulas gash de quartzo3 representam os estágios finais do processo hidrotermal no depósito Palito. O minério aurífero, hospedado principalmente nos veios de quartzo1 e 2, ocorre sempre associado com sulfetos de ferro e cobre (pirita e calcopirita), além de esfalerita. Pirrotita, bismutinita, galena, bismuto nativo e ouro, ocorrem como fases metálicas subordinadas. Três gerações de pirita e de calcopirita e uma geração de esfalerita foram reconhecidas. A calcopirita1 substitui a pirita1 e é substituída por esfalerita, a qual é substituída por calcopirita2. Pirita de segunda geração, contemporânea à esfalerita, ocorre nos filões mineralizados como massas anédricas substituindo grãos reliquiares (ilhas) de calcopirita1 que exibem bordas côncavas ou corroídas. O ouro está sempre associado a, ou incluso em calcopirita1 e 2, pirita2, bismutinita e bismuto nativo. A geração sulfetada mais tardia é representada por vênulas de pirita3 e calcopirita3 que cortam as massas de sulfetos em zonas de transtensão condicionadas por diminutas falhas sinistrais sinuosas. Duas gerações de fengita e de clorita foram identificadas na ganga do minério, sendo a última em vênulas de fengita2 e clorita2 que contêm também carbonatos. Fluorita, rutilo, zircão e ilmenita ocorrem ainda como fases subordinadas da ganga. A idade Pb-Pb de 179417 Ma, obtida para o minério do Palito, foi interpretada como rejuvenescimento do sistema Pb-Pb causado pelo magmatismo granítico alcalino (Suíte Intrusiva Porquinho), relacionado à terceira fase de deformação, de natureza extensional. As características geológicas do depósito Palito, como estilo filoniano, estruturalmente controlado, dos corpos mineralizados e da alteração hidrotermal, formando halos em torno dos filões, predominando a sericitização e cloritização, com alteração potássica restrita, e associação metálica (Au-Cu-Bi-Zn), favorecem a classificação do depósito como filões relacionado a intrusões (intrusion-related vein gold deposits), um tipo não porfirítico, possivelmente relacionado aos granitos alcalinos da Suíte Intrusiva Maloquinha que ocorre em volta do depósito Palito. O magma granítico deve ter fornecido os fluidos mineralizantes e os metais, enquanto que o cisalhamento deve ter controlado a circulação dos fluidos e a deposição do minério do Palito.
Abstract: The Palito gold deposit, located at east portion of the Tapajós Gold Province, southwestern Pará State, comprises a nearly vertical mineralized quartz vein system, hosted by the Palito and Rio Novo Paleoprooterozoic granites and controlled by a sinistral strike-slip brittle-ductile shear zone, trending to NW-SE direction, which belongs to the regional Tocantinzinho lineament. The host granites are two oxidized calc-alkaline monzogranite stocks of Orosirian age and magmatic arc affiliation, correlated to the Parauari Intrisive Suite. The thicker lodes of the veining system are hosted by the major shear, along the N40-50W direction, whereas the thinner veins are housed by faults and fractures of second order and oblique to the main shear direction, both at low angle (around 20), moderate angle (nearby 50) and high angle (around 80). Such a structural situation is compatible with the Riedel system, with the major lodes parallel to the main shear direction (D), associated with low-angle veins (in R and P faults), moderate-angle gash veins (in extension T fractures) and high-angle veins (in R’ an X faults). Stockwork veinlets also occur as a minor ore type. The veins are always involved by a well-developed, normally brecciated, hydrothermal alteration halo. Phyllic alteration (quartz + phengite + pyrite) and chloritization are the two main hydrothermal alteration types, associated to minor potassic alteration (K- feldspar), carbonatization (calcite + sericite + quartz) and sufidation (pyrite + chalcopyrite + sphalerite). Three generations of hydrothermal veining quartz are well characterized in the Palito gold deposit. The youngest low-angle veins (R and P) are made up by quartz1, whereas the later thicker lodes (D) are composed by quartz1 and 2. Tension gash quartz veins may occur at any time of the hydrothermal system evolution and are made up by both quartz1 (youngest gash veins) and quartz2 and 3 (later gash veins). Gash veinlets of quartz3 correspond to final stages of the Palito hydrothermal process. The gold ore, hosted chiefly by quartz1 and 2 veins, is always associated to iron and copper sulfides (pyrite and chalcopyrite), besides sphalerite. Pyrrhotite, bismuthinite, galena, native bismuth and gold are minor metallic phases. Three generations of pyrite and chalcopyrite and one generation of sphalerite were recognized. Chalcopyrite1 replaces pyrite1 and it is replaced by sphalerite, which, in turn, is replaced by chalcopyrite2. Pirite2, coeval to sphalerite, occurs in mineralized veins as anhedral masses replacing tiny remnant grains (islands) of chalcopyrite1, showing concave or corroded edges. Gold is always associated or included in chalcopyrite1 and 2 and pyrite2, bismuthinite and native bismuth crystals. Veinlets of pyrite3 and chalcopyrite3, crosscutting sulfide masses in transtension zones of tiny sinistral faults, are the latest sulfide generations. Two generations of phengite and chlorite were identified in the gangue minerals, being veinlets of phengite2, chlorite2 and carbonate the last one. Fluorite, rutile, zircon and ilmenite still occur as minor gangue phases. The Pb-Pb age of 179417 Ma, obtained for the Palito ore, was interpreted as rejuvenation of the Pb-Pb system caused by Sthaterian alkaline granitic magmatism (Porquinho Intrusive Suite) related to the third extensional deformation phase. The geological features of the Palito gold deposit, as structural controlled veining style of ore bodies and hydrothermal alteration halos, predominating sericitization and cloritization and metallic association (Au-Cu-Bi-Zn) of the ore, all favor classification of the Palito deposit as intrusion-related vein gold deposits. It is a non-porphyritic intrusion-related deposit type, possible related to alkaline granites of the Maloquinha Intrusive Suite, which occur around the Palito deposit. The granitic magma should has provided the ore fluids and metals and the shearing should has controlled the fluid circulation and ore deposition of the Palito deposit.
Keywords: Ouro - Pará
Granito - Pará
Cisalhamento
metadata.dc.subject.areadeconcentracao: GEOQUÍMICA E PETROLOGIA
metadata.dc.subject.linhadepesquisa: GEOCRONOLOGIA E GEOQUÍMICA ISOTÓPICA
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::GEOCRONOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Geociências
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_GeologiaControleEstrutural.pdf8,41 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons