Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10682
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 27-Aug-2015
metadata.dc.creator: CRUZ, Raquel Souza
metadata.dc.contributor.advisor1: VILLAS, Raimundo Netuno Nobre
Title: Alteração hidrotermal e potencial metalogenético do vulcanoplutonismo paleoproterozoico da região de São Félix do Xingu (PA), Província Mineral de Carajás
metadata.dc.description.sponsorship: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Citation: CRUZ, Raquel Souza. Alteração hidrotermal e potencial metalogenético do vulcanoplutonismo paleoproterozoico da região de São Félix do Xingu (PA), Província Mineral de Carajás. Orientador: Raimundo Netuno Nobre Villas. 2015. 81 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10682. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A região de São Félix do Xingu, centro-sul do Estado do Pará, expõe um sistema vulcano–plutônico excepcionalmente bem preservado e agrupado nas formações Sobreiro e Santa Rosa, nas quais foram reconhecidas alterações hidrotermais e mineralizações associadas. A Formação Sobreiro é constituída por fácies de fluxo de lava de composições andesítica, andesito basáltica e dacítica, conforme as proporções ou ausência de fenocristais de clinopiroxênio e/ou anfibólio. Fácies de rochas vulcanoclásticas ocorre geneticamente associada e é representada por tufos de cinza, cristais de tufo máfico, lapilli-tufo e brecha polimítica maciça. A Formação Santa Rosa é controlada por fissuras, formada por riolitos que compreendem fácies de fluxo de lava e fácies vulcanoclástica associada de tufos de cristais felsico, ignimbritos (tufo de cinza), lápilli-tufo, e brechas polimíticas maciças. Parte desse sistema é interpretado como ash-flow caldera parcialmente erodida e desenvolvida em vários estágios. Dados de petrografia, difração de raios X (DRX), microscopia eletrônica de varredura (MEV) e espectroscopia de infravermelho mostram as paragêneses de alterações hidrotermais que ocorrem nessas rochas. Em geral, os minerais de alteração desenvolvem cristais subeuédricos a anédricos e substituem minerais magmáticos. Os tipos de alterações hidrotermais identificados mostram-se incipientes a pervasivos, sendo distinguidas as alterações propilítica, sericítica, argílica e potássica, as quais se sobrepõem, além de fases fissurais de silicificação com hematita e carbonato associados. A alteração propilítica, predominante na Formação Sobreiro, apresenta ambos os estilos pervasivo e fissural. A paragênese resultante consiste de epidoto + clorita + carbonato + clinozoisita + sericita + quartzo ± albita ± hematita ± pirita, que é sobreposta por alteração potássica pervasiva ou controlado por fratura, representada principalmente por feldspato potássico + biotita ± hematita. Localmente, ocorre fratura com associação prehnita-pumpellyita precipitada que poderia estar relacionado com metamorfismo de baixo grau. A alteração sericítica é marcada pela ocorrência principalmente de sericita + quartzo + carbonato ± epidoto ± clorita ± muscovita. Manifesta-se principalmente nos tufos de cristais máficos. Entretanto, a sobreposição desses tipos de alteração fica evidenciada pelas relíquias de clorita da alteração propilítica e texturas das rochas, parcialmente obliteradas, em que restaram apenas pseudomorfos de plagioclásio sericitizado. Já na Formação Santa Rosa é pervasiva e caracterizada pela ocorrência de sericita + quartzo + carbonato. Apresenta-se também em estilo fissural, que é marcado pela presença de sericita + quartzo. É o principal tipo de alteração identificado nessa unidade, atribuindo às rochas coloração esbranquiçada. Dados de MEV mostram que, associados à alteração sericítica, ocorrem fosfatos de chumbo e terras raras além de ouro, bem como rutilo e barita. A alteração potássica ocorre mais subordinadamente, em geral associada aos pórfiros graníticos e, localmente, aos riolitos. A paragênese característica é conferida por microclínio + biotita + clorita + carbonato + sericita ± albita ± magnetita. A alteração argílica intermediária foi reconhecida nos riolitos e possivelmente corresponde aos estágios finais da alteração hidrotermal. É caracterizada pela presença de montmorillonita + illita + caolinita + clorita ± sericita ± caolinita ± haloisita ± quartzo ± hematita, os quais foram identificados por DRX e espectroscopia de infravermelho. A argilização confere às rochas coloração esbranquiçada a rosa esbranquiçada. Os tipos de alteração foram controlados principalmente pela temperatura, composição do fluido e pela relação fluido/rocha. São compatíveis com anomalias térmicas relacionadas com o magma envolvendo uma diminuição da temperatura e neutralização devido à mistura com água meteórica, semelhante ao que foi descrito em mineralizações baixo e intermediário-sulfidação. A identificação de ouro e fases de acessórios compatíveis fornecem importantes subsídios para pesquisas prospectivas na região, sobretudo para potenciais depósitos epitermais low-sulfidation de metais preciosos (ouro e prata) em sistemas vulcano-plutônicos com ash-flow calderas associadas, assim como depósitos do tipo pórfiro de Cu, Au e Mo.
Abstract: The region of Sao Felix do Xingu, south-central Pará, exposes a volcano-plutonic system exceptionally well preserved and grouped in the Sobreiro and Santa Rosa formations, in which hydrothermal alteration and mineralization associated were recognized. The Sobreiro Formation consists of lava facies flow of andesitic, basaltic andesite, and dacitic composition, according to the proportions or absence of clinopyroxene and/or amphibole phenocrysts. Volcaniclastic facies is genetically associated and is represented by mafic crystals tuff, lapilli-tuff, and massive polymictic breccia. Santa Rosa Formation is fissure-contolled and composed of lava flow facies and associated volcaniclastic facies of felsic crystal tuffs, ignimbrites, lapilli-tuff, and massive polymictic breccia. Part of this system is interpreted as ash-flow caldera partially eroded and developed in several stages. Conventional petrography, X-ray diffraction (XRD), scanning electron microscopy (SEM), and infrared spectroscopy show hydrothermal alteration paragenesis occurring in these rocks. In general, the alteration minerals develop subeuhedral anhedral crystals and replace magmatic minerals. The types of hydrothermal alteration identified are incipient the pervasive and are distinguished propylitic, sericitic, intermediate argillic, and potassic, which overlap, and fracture-controlled silicification associated with hematite and carbonate. Propylitic alteration, prevalent in Sobreiro Formation, presents both pervasive and fracture-controlled styles. The paragenesis consists of epidote + chlorite + carbonate + quartz + sericite + clinozoisite ± albite ± hematite ± pyrite, which is overlapped by pervasive potassic alteration or fracture-controlled, mainly represented by potassic feldspar + biotite ± hematite. Locally, fracture is filling with prehnite-pumpellyite association that suggests geothermal low-grade metamorphism conditions. The sericitic alteration is marked by the occurrence of mainly sericite + quartz + carbonate ± epidote ± chlorite ± muscovite. It is manifested mainly in mafic crystal tuff. However, the overlap of these types of changes is evidenced by relics of propylitic chlorite alteration and textures of rocks, partially obliterated, in which there were only pseudomorphs of sericitized plagioclase. In the Santa Rosa Formation the sericitic alteration is pervasive and characterized by the occurrence of sericite + quartz + carbonate. Also presents fracture-controlled, which is represented by sericite + quartz. It is the main type of change identified in this unit by assigning the whitish rocks. SEM data show that, associated with the sericitic alteration occur lead phosphate, gold, rutile, and barite. The potassic alteration is more subordinate, generally associated with granitic porphyry and locally to rhyolites. Paragenesis is given by microcline + biotite + chlorite + carbonate + sericite ± albite ± magnetite. The intermediate argillic alteration was recognized in rhyolites and possibly corresponds to the final stages of hydrothermal alteration. It is characterized by the presence of montmorillonite + illite + chlorite + sericite ± kaolinite ± halloysite ± quartz ± hematite, which were identified by infrared spectroscopy and XRD. It gives whitish to whitish pink to the rocks. The hydrothermal alteration types were mainly controlled by temperature, fluid composition, and fluid/rock ratios. They are compatible with thermal anomalies related to magma, and possible temperature decrease due to mixing and neutralization with meteoric water, similar to that described in low- and intermediate-sulfidation mineralization. Gold identification and compatible accessories phases provide important information for prospective studies in the region, especially for potential intermediate- and low-sulfidation epithermal deposits of precious metals (gold and silver) in volcano-plutonic systems with related ash flow calderas, as well the Au(Cu) and Mo porphyry-type deposits.
Keywords: Crátons - Pará
Vulcanismo - Pará
Alteração hidrotermal - Pará
Petrologia - Pará
Cráton Amazônico
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Geociências
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_AlteracaoHidrotermalPotencial.pdf9,45 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons