Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10685
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 22-Apr-2015
metadata.dc.creator: RAMALHO, Ishi Macris de Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor1: LAMARÃO, Claudio Nery
Title: Morfologia e composição de zircão de rochas ígneas do Terreno Granito-Greenstone de Rio Maria, Cráton Amazônico, através de microscopia eletrônica de varreduracatodoluminescência (MEV-CL)
metadata.dc.description.sponsorship: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Citation: RAMALHO, Ishi Macris de Oliveira. Morfologia e composição de zircão de rochas ígneas do Terreno Granito-Greenstone de Rio Maria, Cráton Amazônico, através de microscopia eletrônica de varreduracatodoluminescência (MEV-CL). Orientador: Claudio Nery Lamarão. 2015. 85 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10685. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A Suíte Planalto está localizada no Domínio Canaã dos Carajás da Província Carajás. A suíte tem idade neoarqueana (2,73 Ga), e os granitos que a constituem possuem caráter ferroso e afinidade com granitos tipo-A e são intrusivos em unidades mesoarqueanas e no Supergrupo Itacaiúnas. Associa-se espacialmente com rochas charnoquíticas do Diopsídio-Norito Pium e com a Suíte Pedra Branca. As rochas da Suíte Planalto são hololeucocráticas a leucocráticas com dominância de monzogranitos e sienogranitos e presença de raros álcali-feldspato-granitos. Ao microscópio, apresentam feições texturais magmáticas parcialmente preservadas, porém a textura granular hipidiomórfica média a grossa original tende a ser substituída por texturas protomiloníticas a miloníticas, com formação de porfiroblastos ovalados de granulação média a grossa de microclina envoltos por matriz fina a base de quartzo e feldspatos intensamente recristalizados. A Suíte Planalto apresenta valores de suscetibilidade magnética (SM) variáveis, os quais, associados com as características petrológicas, permitiram distinguir dois grupos: (1) Grupo formado em condições reduzidas, que engloba as amostras contendo ilmenita e desprovidas de magnetita, com baixos valores de SM; (2) Grupo moderadamente oxidado, que se distingue do anterior por apresentar os mais altos valores de SM, justificados pela presença de magnetita associada à ilmenita. A ilmenita ocorre como cristais anédricos a subédricos dos tipos texturais ilmenita individual ou ilmenita composta, sendo esta última menos comum e restrita às rochas do grupo 2. A magnetita, por sua vez, ocorre como cristais subédricos a anédricos ou, mais raramente, euédricos com evidência de martitização, localmente com bordas e núcleos corroídos. Ilmenita e magnetita exibem composições próximas de seus membros extremos ideais, embora a ilmenita mostre proporções variáveis de pyrophanita (MnTiO3). Os cristais de titanita ocorrem nos grupos 1 e 2 circundando os cristais de ilmenita, ou então, como finos grãos anédricos inclusos em anfibólio e biotita, que formam agregados máficos. Os conteúdos modais de titanita são muito variáveis em ambos os grupos e não há correlação entre titanita e opacos modais. Além disso, as composições químicas de titanita, em particular suas baixas razões Fe/Al, sugerem que este mineral foi reequilibrado por processos subsolidus. Os anfibólios da Suíte Planalto são cálcicos com composição variando entre potássio-hastingsita (dominante) e cloro-potássio- hastingsita (subordinada) e razões Fe/(Fe+Mg) > 0,8. A biotita também apresenta altas razões Fe/Mg (> 0,7) e é classificada como annita. Os porfiroclastos de plagioclásios são oligoclásio (An25-10) e os grãos da matriz recristalizada mostram composição variando entre oligoclásio ou albita (An259-2).Os dados obtidos, mostram que os granitos do grupo 1 da Suíte Planalto foram formados em condições reduzidas, abaixo do tampão FMQ. Os granitos do grupo 2 cristalizaram em condições mais oxidantes, coincidentes com às do tampão FMQ ou ligeiramente acima, ou alternativamente, também foram formados em fO2 abaixo de FMQ, submetidos a condições ligeiramente mais oxidantes no subsolidus. Pressões de 900 MPa a 700 MPa e de 500 e 300 MPa foram estimadas, respectivamente, para a origem dos magmas da Suíte Planalto e para a colocação e cristalização final dos seus plutons. Geotermômetros sugerem temperaturas iniciais de cristalização variando de 900°C e 830°C, sendo que a temperatura do solidus foi provavelmente próxima de 700 °C. O conteúdo de água do magma foi estimado em 4 % em peso, podendo atingir possivelmente até 4% em peso. A comparação mineralógica entre a Suíte Planalto e granitos neoarqueanos similares da Província Carajás mostram que a Suíte Planalto e o Complexo Granítico Estrela foram formados em condições muito similares. As composições de anfibólio e biotita dos granitos Planalto e Estrela são enriquecidas em alumínio e assemelham-se neste aspecto aqueles do pluton Matok do Limpopo Belt. Diferem, usando este mesmo critério dos granitos rapakivi tipo-A proterozoicos. Em termos das condições de fugacidade de oxigênio, a Suíte Planalto e o Complexo Granítico Estrela se aproximam dos granitos rapakivi mesoproterozoicos e dos granitos paleoproterozóicos reduzidos a moderadamente oxidados da Província Carajás e diferem dos granitos oxidados daquela província e também dos granitoides do pluton Matok. Conclui-se que a Suíte Planalto é similar aos granitos neoarqueanos ferrosos ou do tipo-A da Província Carajás e, exceto por seu caráter reduzido, diferem em suas características mineralógicas e nos parâmetros de cristalização de alguns exemplos clássicos de granitos tipo-A e exceto por seu caráter reduzido, são semelhantes aos granitoides neoarqueanos Fe-K e Mg-K. O fato de se ter um ambiente colisional em Carajás e também no Limpopo Belt durante o neoarqueano sugere que as similaridades observadas entre os granitos de ambas províncias pode refletir um condicionamento geológico e tectônico.
Abstract: Zircons of Archean TTG rocks, represented by Arco Verde Tonalite (2,97-2,93 Ga), Mogno Trondhjemite (2,97-2,96 Ga), Mariazinha Tonalite (2,92 Ga), Água Fria Trondhjemite (2,86 Ga), Rio Maria (2,87 Ga), Trairão and Grotão granodiorites and Guarantã leucogranite (2,87 Ga), beyond the São João paleoproterozoic granite (1,89 Ga), outcropping in the Rio Maria Granite-Greenstone Terrene, southeastern portion of the Amazonian Craton, were studied by cathodoluminescence images (CL) and semiquantitative analysis of EDS (Energy Dispersive Spectroscopy) in a scanning electron microscope (SEM). The internal textural features observed by CL images showed complex stories of crystallization for zircons of different groups of rocks such as: (1) euhedral crystals, strongly zoned without evident alteration and subhedral to anhedral crystals, weakly zoned and intensely altered; (2) crystals showing well defined oscillatory zoning and homogeneous crystals or with imperceptible zones, showing changes in physical and chemical conditions during crystallization; (3) crystals with Ca and U metamict enriched cores and crystals with luminescent cores resembling inherited cores; (4) zircon crystals containing several F-apatite inclusions that truncate or accompany their growth zones, indicating that apatite is a mineral phase as early as zircon in the history of crystallization of their host rocks; (5) crystals devoid of F-apatite inclusions, which could indicate compositionally different source in relation to rocks containing apatite inclusions; (6) zircons crystals with more luminescent edges than their inner portions, suggesting compositional change at the end of crystallization. Temporal and geochemically distinct granitoids were individualized and characterized in specific geochemical diagrams based on the Zr, Hf, Y, Nb and Ta content of their zircons. Zircons of the São João paleoproterozoic granite showed a distinct geochemical signature from those of TTG Archean rocks, indicating that these rocks can be individualized through composing of their zircons, even through semiquantitative analyzes of EDS. SEM-CL-EDS studies in zircons crystals are important tools in the characterization of different groups of igneous rocks and provide complementary information to petrological studies.
Keywords: Geologia estratigráfica - Proterozóico
Microscopia eletrônica de varredura
Catodoluminescência
Granito
Zircão
Petrologia magnética Parâmetros de cristalização
Província Carajás
metadata.dc.subject.areadeconcentracao: GEOQUÍMICA E PETROLOGIA
metadata.dc.subject.linhadepesquisa: PETROLOGIA E EVOLUÇÃO CRUSTAL
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::PETROLOGIA
CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::GEOQUIMICA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Geociências
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_MorfologiaComposicaoZircao.pdf7,43 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons