Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10709
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 8-Dec-2015
metadata.dc.creator: CUNHA, Lucas Noronha
metadata.dc.contributor.advisor1: NOGUEIRA, Afonso César Rodrigues
Title: Paleoambiente e icnofósseis da Formação Pimenteiras, devoniano da Bacia do Parnaíba, regiões de Valença do Piauí e Pimenteiras, Piauí
metadata.dc.description.sponsorship: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Citation: CUNHA, Lucas Noronha. Paleoambiente e icnofósseis da Formação Pimenteiras, devoniano da Bacia do Parnaíba, regiões de Valença do Piauí e Pimenteiras, Piauí. Orientador: Afonso César Rodrigues Nogueira. 2015. 78 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10709. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: Um dos mais expressivos registros dos mares devonianos do Oeste do Gondwana é representado pelos folhelhos e arenitos da Formação Pimenteiras, exposta na Bacia do Parnaíba, Região Nordeste do Brasil. Esta formação tem sido interpretada como depósitos de plataforma influenciada por tempestades representativos da fase transgressiva ocorrida entre o Mesodevoniano e o Neodevoniano. A análise de fácies e estratigráfica da Formação Pimenteiras, em excelentes exposições nas regiões de Valença do Piauí e Pimenteiras, Estado do Piauí, corroborou a interpretação prévia desta unidade, bem como proporcionou a identificação de sua diversidade e abundância icnofossilífera para a determinação de parâmetros paleoambientais, tais como taxa de sedimentação, oxigenação e batimetria. Duas associações de fácies foram individualizadas para a Formação Pimenteiras: 1) offshore/shoreface, caracterizada por arenitos com estratificação cruzada hummocky, intercalado com arenitos com laminação ondulada, acamamento maciço e folhelhos configurando um padrão tipo pinch-and-swell; e 2) offshore superior, caracterizada por camadas de espessuras métricas e lateralmente contínuas por dezenas de metros de folhelhos, com intercalação de arenitos com estratificação cruzada hummocky. A icnologia sistemática da Formação Pimenteiras permitiu a identificação de 15 icnogêneros tais como, Agrichnium, Bergaueria, Bifungites, Circulichnis, Cruziana, Diplichnites, Helminthopsis, Lockeia, Lophoctenium, Palaeophycus, Phycosiphon, Planolites, Protopaleodictyon, Rusophycus e Zoophycos. Os icnogêneros Agrichnium e Circulichnis são descritos pela primeira vez na Formação Pimenteiras. Níveis de bioturbação distintos ocorrem restritos aos arenitos, com índices de icnofábrica (ii) 3, variando entre 15% e 25%. Estes valores médios de ii sugerem níveis de oxigenação típicos de ambientes aeróbicos, ou a zona de interface água-sedimento com razoáveis níveis de oxigenação. Estes níveis de bioturbação são geralmente limitados por folhelhos com pouca (ii = 2) ou nenhuma bioturbação (ii = 1), o que sugere um ambiente anaeróbico próximo ao substrato. A Formação Pimenteiras inclui as seguintes icnofácies representativas da transição offshore/shoreface: Skolithos, representativa de ambiente de alta energia dominado por ondas; e Cruziana, relacionado a zona litorânea e ambiente marinho raso a profundo. A predominância de espécimes da icnofácie Cruziana e com subordinada ocorrência de espécimes da icnofácies Skolithos nos depósitos estudados sugerem uma relação entre uma ocupação do substrato permanente pontuada pela exploração episódica de indivíduos colonizadores, após eventos de tempestades. Os estudos de fácies em combinação com a análise icnológica da Formação Pimenteiras forneceram importantes parâmetros para o vii entendimento da dinâmica sedimentar e a ocupação do substrato por organismos bentônicos durante o estabelecimento dos mares epicontinentais devonianos no oeste Gondwana.
Abstract: Shales and sandstones of the Pimenteiras Formation represent the most expressive records of Devonian seas in the Western Gondwana, exposed in the eastern border of Parnaíba Basin, Northern Brazil. This formation has been interpreted as storm-influenced platform deposits related to the transgressive phase during Mesodevonian to Neodevonian periods. Based-outcrop facies and stratigraphic analysis of the Pimenteiras Formation in the Valença do Piauí and Pimenteiras regions, State of Piauí, corroborated the previous interpretation of this unit, as well as allowed the identification of its ichnofossiliferous diversitity and abundance for the determination of paleoenvironmental parameters, such as sedimentation rate, oxygenation and bathymetry. Two facies associations were individualized for Pimenteiras Formation: 1) offshore/shoreface, characterized by hummocky cross-stratified sandstone interbedded with ripple bedded sandstone, massive sandstone and shale, configurating a pinch-and-swell pattern; and 2) upper offshore deposits, consisting by meterscale thick beds, laterally continuous by dozens of meter of shale, interbedded with hummocky cross-stratified sandstone. Systematic ichnology of Pimenteiras Formation indicated 15 ichnogenera, such as Agrichnium, Bergaueria, Bifungites, Circulichnis, Cruziana, Diplichnites, Helminthopsis, Lockeia, Lophoctenium, Palaeophycus, Phycosiphon, Planolites, Protopaleodictyon, Rusophycus and Zoophycos. The Agrichnium and Circulichnis ichnogenera are described for the first time in the Pimenteiras Formation. Different bioturbation levels occur restricted to sandstone beds were identified, with ichnofabric index (ii) 3, ranging between 15% and 25%. These average values of ii suggest typical oxygenation levels related to aerobic environments, or the sediment-water interface zone with reasonable oxygenation levels. These bioturbation levels are usually limited by shales with low (ii = 2) or none (ii = 1) bioturbation, suggesting an anaerobic environment near to the substrate. The Pimenteiras Formation includes the following ichnofacies representatives of offshore/shoreface transition: Skolithos, related to wave-dominated high energy environment; and Cruziana ichnofacies correspondent to the littoral zone and shallow to deep marine environment. The predominace of specimens of Cruziana with subordinate specimens of Skolithos ichnofacies in the studied deposits suggests a relationship with a permanent occupation of the substrate punctuated by episodic exploration of colonizers individues, after the storm events. The facies analysis in combination with ichnologic studies carried out in the Pimenteiras Formation provided important parameters for the understanding of sedimentary ix dynamic and substrate occupation by bentonic organism during the establishment of Devonian epicontinental seas in the Western Gondwana.
Keywords: Geologia estratigráfica - Devoniano
Formação Pimenteiras
Icnofósseis
Fácies deposicionais
metadata.dc.subject.areadeconcentracao: GEOLOGIA
metadata.dc.subject.linhadepesquisa: ANÁLISE DE BACIAS SEDIMENTARES
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::SEDIMENTOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Geociências
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_PaleoambienteIcnofosseisFormacao.pdf4,21 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons