Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10951
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
Issue Date: Dec-2015
metadata.dc.creator: SOUZA, Ednilson Sergio Ramalho de
SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da
metadata.dc.description.affiliation: SILVEIRA, M. R. A. Universidade Federal do Pará
Title: Etnofísica e linguagem
Other Titles: Ethnophysics and language
metadata.dc.description.sponsorship: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Citation: SOUZA, Ednilson Sergio Ramalho de; SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Etnofísica e linguagem. Amazônia: Revista de Educação em Ciência e Matemática, Belém, v. 12, n. 23, p. 103-117, jul./dez. 2015. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10951. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: O saber etnofísico relaciona-se a uma classe especial de trabalhadores: os mestres de ofício, ou seja, profissionais que possuem larga expertise em mobilizar saberes científicos em ocupações fundamentalmente práticas. Nosso interesse recai sobre os construtores de canoas. Uma pergunta a responder é: como o construtor de canoas usa a linguagem para expressar seus saberes em ciências e matemática? Assim, o objetivo é investigar a relação entre linguagem e saber etnofísico no contexto da construção de canoas. Especificamente intencionamos: investigar de que maneira os construtores de canoas expressam seus saberes sobre o conceito de flutuabilidade; relacionar esses saberes ao que se aprende nos livros didáticos e propor orientações pedagógicas que visem o uso da Etnofísica em sala de aula. Fizemos um estudo de caso etnográfico com utilização de entrevista estruturada a um mestre de um município no interior paraense. Os resultados iniciais evidenciam que ele usa em sua prática os mesmos princípios físicos sobre densidade e empuxo que usaria um engenheiro ou professor para pensar sobre flutuabilidade; contudo, os jogos de linguagem evocados no momento da entrevista parecem “mascarar” a cientificidade das técnicas desenvolvidas na prática de seu ofício.
Abstract: Ethnophysics Knowledge relates to a special class of workers: the craft masters, that is, professionals who have extensive expertise in mobilizing scientific knowledge in fundamentally practical occupations. Our interest is in canoes builders. One question to answer is: how they use language to express their knowledge in science and math? The objective is to investigate the relationship between language and ethnophysics know in the context of building canoes. Specifically we intend: to investigate how the canoes builders express their knowledge about the concept of buoyancy; relate this knowledge to what is learned in textbooks and propose educational guidelines intended to use the ethnophysics in the classroom. We did an ethnographic case study with structured interview a master of a municipality from Pará-Brasil. Initial results show that he uses in his practice the same physical principles of density and buoyancy that would use an engineer or teacher to think about buoyancy; however, the language games mentioned in the interview seem to "mask" the scientific techniques developed in the practice of their craft.
Keywords: Etnofísica
Jogos de linguagem
Flutuabilidade
Sala de aula
Series/Report no.: Amazônia - Revista de Educação em Ciências e Matemáticas
ISSN: 2317-5125
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source.uri: https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/2498/2766
metadata.dc.identifier.doi: http://dx.doi.org/10.18542/amazrecm.v12i23.2498
Appears in Collections:Artigos - Amaz RECM/UFPA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Artigo_EtnofisicaLinguagem.pdf397,55 kBUnknownView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons