Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/11050
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorLINS, Alexandre Sócrates Araujo de Almeida-
dc.date.accessioned2019-04-24T17:38:59Z-
dc.date.available2019-04-24T17:38:59Z-
dc.date.issued2019-01-28-
dc.identifier.citationLINS, Alexandre Sócrates Araujo de Almeida. Habitus camponês-caboclo, prática social Camelô: duração e adaptação de processos intersubjetivos sobre o mundo do trabalho na Amazônia. Orientador: Fábio Fonseca de Castro. 2019. 408 f.Tese (Doutorado em Ciências: Desenvolvimento Socioambiental) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2019. Disponível em:. Acesso em:.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11050-
dc.description.abstractThis study aims to discuss the long duration of informality in the Amazonian economy from a cultural perspective. The high rates of this phenomenon in Pará (above the national average) point that it can not be studied in the light of a conception that summarizes the economy to the market. In this sense, a qualitative research was conducted, with orientation in the human and social sciences to demonstrate how some cultural dispositions persist through time, while also negotiating with the dynamics of contemporary capitalism. The hypothesis is that these urban workers share the same habitus of what Costa (1994, 2009a, 2009b, 2009c, 2012a, 2012b) called a peasant-caboclo, and that this may be the key to understanding your professional dispositions, especially the temporal ones. It was therefore tried to demonstrate that the work of the street vendor re-enacts in the urban environment what Bourdieu (2009) calls habitus, as a system of durable dispositions and incorporated pre-reflexively. For this work, the most important aspect of the peasant-caboclo habitus shared by today's street workers is a kind of spirit of autonomy that has defied the ruling classes for centuries. These rural workers have historically used their labor force for their own benefit, thus availing of surplus resources that could not be appropriated, at least significantly, by an elite or the state. It was the challenging conditions of the Amazonian rainforest that, for so long, created and maintained this habitus, which even in a position of subalternity, could be imposed in the world of work, even in a dominated position, through a knowledge that coincides with the domain of the environment. In order to understand the extent to which these sediments of the peasant-caboclo are or are not in the camelot, this research carried out 10 interviews in the commercial center of Belém, where the camelô work was approached as a total social phenomenon, according to Mauss's (2003) model. It was reported that street vendors embody contradictory practices. They are revolutionaries as to the forms of use of the public space, and in the desire of "control" of the time and the surplus that they create with the own work, but conservative in the customs. The logic of family reproduction prevails among them, without ceasing to possess an economic rationality that establishes a calculation between time spent and resources earnedpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.source1 CD-ROMpt_BR
dc.subjectCamelôspt_BR
dc.subjectSetor Informalpt_BR
dc.subjectTrabalhopt_BR
dc.subjectAmazôniapt_BR
dc.subjectHabituspt_BR
dc.subjectCampones-caboclopt_BR
dc.titleHabitus camponês-caboclo, prática social camelô: duração e adaptação de processos intersubjetivos sobre o mundo do trabalho na Amazôniapt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentNúcleo de Altos Estudos Amazônicospt_BR
dc.publisher.initialsUFPApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA REGIONAL E URBANA::ECONOMIA REGIONALpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::SOCIOLOGIA::SOCIOLOGIA DA CULTURApt_BR
dc.contributor.advisor1CASTRO, Fábio Fonseca de-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5700042332015787pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0553815452097914pt_BR
dc.description.resumoEste estudo tem como objetivo discutir a longa duração da informalidade na economia amazônica a partir de uma perspectiva cultural. As altas taxas deste fenômeno no Pará (acima da média nacional) apontam que ele não pode ser estudado a luz de uma concepção que resume a economia ao mercado. Nesse sentido, produziu-se uma pesquisa qualitativa, com orientação nas ciências humanas e sociais para demonstrar como algumas disposições culturais persistem ao longo do tempo, ao mesmo tempo em que também negociam com dinâmicas do capitalismo contemporâneo. Assim, esta tese escolheu estudar os camelôs do centro comercial de Belém. A hipótese é que esses trabalhadores urbanos compartilham um mesmo habitus daquilo que Costa (1994, 2009a, 2009b, 2009c, 2012a, 2012b) chamou de camponês-caboclo, e que isto pode ser a chave para entender suas disposições profissionais, especialmente as temporais. Tratou-se, assim, de demonstrar que o trabalho do camelô reencena, no ambiente urbano, aquilo que Bourdieu (2009) chama de habitus, enquanto sistema de disposições duráveis e incorporadas de forma pré-reflexiva. Para este trabalho, o aspecto mais importante do habitus camponês-caboclo compartilhado pelos trabalhadores de rua da atualidade, é uma espécie de espírito de autonomia, que desafia, há séculos, as classes dominantes. Esses trabalhadores de origem rural usaram, historicamente, sua força de trabalho para benefício próprio, usufruindo assim de recursos excedentes que não puderam ser apropriados, ao menos de forma significativa, por uma elite ou pelo Estado. Foram as condições desafiadoras da floresta amazônica que gestaram e mantiveram, por tanto tempo, esse habitus, que mesmo em posição de subalternidade, pôde se impor no mundo do trabalho, ainda que em posição dominada, através de um saber, que coincide com o domínio do meio ambiente. Para tentar entender em que medida esses sedimentos do camponês-caboclo estão ou não no camelô, essa pesquisa realizou 10 entrevistas no centro comercial de Belém. Ali abordou-se o trabalho camelô como um fenômeno social total, aos moldes de Mauss (2003). Contatou-se que os camelôs encarnam práticas contraditórias. São revolucionários quanto às formas de uso do espaço público, e no desejo de “controle” do tempo e do excedente que criam com o próprio trabalho, mas conservadores nos costumes. Prevalece entre eles a lógica de reprodução da família, sem que com isso deixem de possuir uma racionalidade econômica que estabelece cálculo entre tempo gasto e recursos auferidospt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmidopt_BR
dc.description.affiliationFundação Paraense de Radiodifusãopt_BR
Appears in Collections:Teses em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido (Doutorado) - PPGDSTU/NAEA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_HabitusCamponesCaboclo.pdf11,57 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons