Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11169
metadata.dc.type: Tese
Issue Date: 2015
metadata.dc.creator: TAFNER JÚNIOR, Armando Wilson
metadata.dc.contributor.advisor1: SILVA, Fábio Carlos da
Title: Expansão da fronteira agropecuária do oeste paulista para a Amazônia: a trajetória das famílias Ometto e da Riva e a colonização do norte mato-grossense
Citation: TAFNER JÚNIOR, Armando Wilson. Expansão da fronteira agropecuária do oeste paulista para a Amazônia: a trajetória das famílias Ometto e da Riva e a colonização do norte mato-grossense. Orientador: Fábio Carlos da Silva. 2015. 243 f. Tese (Doutorado em Ciências do Desenvolvimento Sócioambiental) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015. Disponível em:http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11169. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A expansão da fronteira agropecuária em direção ao Oeste do Brasil, teve início com o seu descobrimento em 1500. Após a procura pelo pau-brasil, foi implanta pelos portugueses na região Nordeste a produção de açúcar derivado da cana. Já na região sudeste, como a produção de cana-de-açúcar não deu certo, a ocupação se deu por meio das bandeiras. O fenômeno continuou em direção ao Oeste com a descoberta do ouro e com a acumulação de capital advindo da cafeicultura. Posteriormente, aproximadamente quatro séculos e meio após a descoberta do Brasil, o governo federal incentivou a ocupação da Amazônia, primeiro na Era Vargas, década de 1930, com a Marcha para o Oeste e em um segundo momento, já na década de 1960, com a política de incentivos fiscais, coordenada pelo governo militar e intermediada pela SUDAM, que privatizou as florestas, entregando-as aos capitalistas do Centro-Sul, principalmente os paulistas. Um desses capitalistas, pioneiros no recebimento de incentivos fiscais, foi a família Ometto que montou um império por meio de usinas sucroalcooleiras espalhadas pelo interior de São Paulo. A família Ometto era sócia de Ariosto da Riva no empreendimento denominado de Agropecuária Suiá-Missú S/A, localizada no então distrito de São Félix do Araguaia, pertencente ao município de Barra do Garças. Ariosto da Riva vendeu sua parte ao Grupo Ometto e adquiriu terras ao Norte do Estado de Mato Grosso, promovendo colonização privada no município que denominou de Alta Floresta. Em ambos os casos, o conflito de interesses entre, aqueles que já estavam instalados ou vieram se instalar na região amazônica posteriormente, com os dos capitalistas que passaram a ser os donos da terra, foi inevitável. Tensões sociais ocorreram, prolongando-se por décadas, e o discurso do desenvolvimentismo utilizado para povoar a região promoveu a insustentabilidade, fazendo acontecer impactos socioambientais e culturais difíceis de serem revertidos.
Abstract: The expansion of the agricultural frontier towards West of Brazil, began with the its discovery in 1500. After the search for pau-brasil, was implanted by the Portuguese in the Northeast regionthe production of sugar derived from sugar cane. In the southeast region, how the production of cane sugar did not right, the occupation came through of the flags. The phenomenon continued westward with the discovery of gold and the capital accumulation arising of coffee. Later, about four and a half centuries after the discovery of Brazil, the federal government encouraged the occupation of the Amazon, first in Vargas, 1930, with the March to the West and in a second stage, already in the 1960s, with the tax incentive policy, coordinated by the military government and brokered by SUDAM, that privatized forests, delivering them to the capitalist South Central, especially the from São Paulo. One of these capitalists, pioneers in receiving tax incentives, was the Ometto family who set up an empire through sugarcane mills around the interior of São Paulo. The Ometto family was partner of Ariosto da Riva in the enterprise called Agropecuária Suiá-Missú S / A, located in the then district of São Félix do Araguaia, in the municipality of Barra do Garças. Ariosto daRiva sold his share to Ometto Group and acquired land to the north of Mato Grosso, promoting private colonization in the city he called Alta Floresta. In both cases, the conflict of interests between those who already were installed or came to install in the Amazon region later, with the of the capitalists who have to be the owners of the land, was inevitable. Social tensions occurred and lasted for decades, and developmentalism speech used to occupy the region promoted the unsustainability, making it happen impacts social, environmental and cultural difficult of being reversed.
Keywords: Fronteira - Expansão territorial
Latifúndio
São Felix do Xingu
Alta Floresta (MT)
Desenvolvimento sustentável
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::SOCIOLOGIA::SOCIOLOGIA RURAL
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Núcleo de Altos Estudos Amazônicos
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Teses em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido (Doutorado) - PPGDSTU/NAEA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_ExpansaoFronteiraAgropecuaria.pdf10,58 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons