Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11529
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 23-Aug-2018
metadata.dc.creator: ARAÚJO, Francisco José Corrêa de
metadata.dc.description.affiliation: UFPA - Universidade Federal do Pará
metadata.dc.contributor.advisor1: SARMENTO-PANTOJA, Carlos Augusto Nascimento
Title: A memória das representações de morte e AIDS no conto e no cinema na década de 80
metadata.dc.description.sponsorship: FAPESPA - Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas
Citation: ARAÚJO, Francisco José Corrêa de. A memória das representações de morte e AIDS no conto e no cinema da década de 80. Orientador: Carlos Augusto Nascimento Sarmento-Pantoja. 2018. 122 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11529 . Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A presente dissertação intitulada “A Memória das Representações de Morte e Aids no Conto e no Cinema da Década de 80” analisa como se constituiu a memória das representações de morte e aids na contística de Caio Fernando Abreu e na produção cinematográfica do final da década de 80. Por isso, neste processo recorremos às contribuições literárias, históricas, sociológicas, filosóficas e artísticas a respeito das relações entre memória, morte e aids. A década de 80 foi marcada pela descoberta da aids e essa descoberta gerou medo mundial por conta dos altos níveis de letalidade da doença. Podemos dizer que a descoberta do vírus HIV “imobilizou” a ciência, pois foi responsável por provocar um conjunto de situações traumáticas, que envolveram o silenciamento, o preconceito e o enlutamento. Por isso, buscamos: identificar o processo de construção da memória na história das representações de morte e aids no Brasil; reconhecer como Caio Fernando Abreu, em Os dragões não conhecem o paraíso (1988), representa a morte relacionando-a com a aids utilizando uma linguagem literária de resistência; e refletir sobre o teor testemunhal do filme: Caminhos Cruzados (Dirigido por Rob Epstein. EUA/1989). A pesquisa aqui proposta segue uma metodologia de estudo bibliográfico, no qual concluímos que a memória da aids nos anos 80 revela uma representação de morte catastrófica e silenciadora, marcada pelo preconceito e ineficiência de políticas públicas, contudo testemunha também a resistência de movimentos sociais pelas conquistas de direitos. Assim, a existência da construção de uma memória coletiva que representou a realidade histórica da aids nos possibilita a esperança de dias melhores onde o ser humano se relacione mais harmonicamente com a morte, onde haja maior entendimento sobre a diferença entre viver com HIV e morrer de aids. E nesta construção textual, a literatura ainda tem muito a contribuir para romper os silêncios que cercam a temporalidade do existir.
Abstract: The present dissertation entitled "The Memory of Representations of Death and SIDA in the 80's in the Short story and Cinema" analyzes how the memory of the representations of death and aids in the contisio of Caio Fernando Abreu and in the cinematographic production of the end of the decade was constituted. 80. Therefore, in this process we resort to literary, historical, sociological, philosophical and artistics contributions regarding the relations between memory, death and SIDA. The 1980s were marked by the discovery of SIDA and this discovery generated worldwide fear because of the high levels of disease lethality. We can say that the discovery of the HIV virus "immobilized" science, because it was responsible for provoking a set of traumatic situations, which involved silencing, prejudice and entanglement. Therefore, we seek to identify the memory-building process in the history of death and SIDA representations in Brazil, to recognize how Caio Fernando Abreu, in The Dragons do not know paradise (1988), represents death by relating it to SIDA using a literary language of resistance, and reflect on the testimonial content of the film: Crossroads (Directed by Rob Epstein, USA / 1989). The research proposed here follows a methodology of bibliographic study in which we conclude that the memory of SIDA in the 80s reveals a representation of catastrophic death and silencer, marked by prejudice and inefficiency of public policies, but also witnesses the resistance of social movements for the conquest of rights. Thus, the existence of a collective memory that represented the historical reality of SIDA enables us to hope for better days where the human being is more harmoniously related to death, where there is greater understanding of the difference between living with HIV and dying of SIDA. And in this textual construction literature still has much to contribute to breaking the silences that surround the temporality of existing.
Keywords: Literatura - História e crítica
Memória na literatura
AIDS (Doença)
Morte
Cinema e literatura
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Letras e Comunicação
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Letras
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Dissertações em Letras (Mestrado) - PPGL/ILC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_MemoriaRepresentacoesMorte.pdf1,07 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons