Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11607
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 24-Mar-2005
metadata.dc.creator: ALMEIDA, José de Arimatéia Costa de
metadata.dc.contributor.advisor1: DALL'AGNOL, Roberto
Title: Geologia, petrografia e geoquímica do granito anorogênico Bannach, terreno granito-Greenstone de Rio Maria, PA
metadata.dc.description.sponsorship: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Citation: ALMEIDA, José de Arimatéia Costa de. Geologia, petrografia e geoquímica do granito anorogênico Bannach, terreno granito-Greenstone de Rio Maria, PA. Orientador: Roberto Dall’ Agnol. 2005. 171 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2005. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11607. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: O Granito Bannach é um batólito alongado na direção SE-NW intrusivo em unidades arqueanas pertencentes ao Terreno Granito-Greenstone de Rio Maria, porção leste do Cráton Amazônico. Ele é constituído por um conjunto de rochas monzograníticas com mineralogia semelhante, apresentando microclina, quartzo e plagioclásio como minerais essenciais; anfibólio, biotita e, mais raramente, clinopiroxênio como varietais; titanita, allanita, apatita e zircão como acessórios primários; clorita, sericita-muscovita, carbonatos ± fluorita como fases secundárias. As características texturais e mineralógicas permitem identificar oito variedades petrográficas: fácies portadoras de anfibólio, biotita e, por vezes, clinopiroxênio de granulação grossa [Granito cumulático (GC), biotita-anfibólio monzogranito grosso (BAMzG), anfibólio-biotita monzogranito grosso (ABMzG)]; fácies portadora de biotita com textura porfirítica [biotita monzogranito porfirítico (BMzP)] e fácies constituídas por leucogranitos [leucomonzogranito grosso (LMzG), médios precoces e tardios (LMzMp e LMzMt) e fino (LMzF)]. A distribuição faciológica do corpo mostra que o maciço é zonado, com as fácies menos evoluídas (GC e BAMzG) ocupando as porções periféricas e as mais evoluídas as partes centrais (LMzMt e LMzG). O Batólito Bannach é subalcalino, metaluminoso a peraluminoso e possui altas razões FeOt/FeOt+MgO (0,86 a 0,97) e K 2 O/Na 2 O (1 a 2). Os padrões dos elementos terras raras revelam um aumento na anomalia negativa de európio da fácies menos evoluída para as mais evoluídas. Nesse mesmo sentido ocorre um discreto enriquecimento em elementos terras raras leves paralelamente ao ligeiro empobrecimento em terras raras pesados. Ele mostra afinidades geoquímicas com os granitos intraplaca (Pearce et al. 1984), com os granitos tipo -A (Whalen et al. 1987), com o tipo ferroso de Frost et al. (2001) e com os granitos do subtipo A2 (Eby 1992). As diferentes fácies do corpo Bannach possuem alta suscetibilidade magnética (SM), sendo os maiores valores relacionados com as fácies menos evoluídas, portadoras de anfibólio + biotita ± clinopiroxênio (GC e BAMzG), e os menores com as fácies leucograníticas (LMzG, LMzMt, LMzMp e LMzF). As diversas fácies do Granito Bannach provavelmente evoluíram por cristalização fracionada, comandada pelo fracionamento de ferromagnesianos e feldspatos. Este fracionamento indica um trend de diferenciação no sentido BAMzG-ABMzG-BMzP-LMzMp-LMzG-LMzF, sendo que o LMzMt representaria uma intrusão separada formada de um líquido muito evoluído e independente daquele formador das demais fácies. A existência de descontinuidade composicional entre a fácies granito cumulático (GC) e os BAMzG, sugere que o líquido formador destes últimos não poderia ter derivado do GC por simples fracionamento dos feldspatos. O GC possui uma evolução magmática particular, envolvendo possivelmente a participação de processos cumuláticos. A idade e posicionamento estratigráfico, juntamente com as características geológicas, petrográficas, geoquímicas e de petrologia magnética, permitem que o Granito Bannach seja enquadrado na Suíte Jamon, uma vez que apresenta notáveis similaridades com os corpos Jamon, Musa e Redenção, que compõem a mesma.
Abstract: The Bannach Granite is intrusive in Archean rocks of the Rio Maria Granite -Greenstone Terrane, located in the eastern border the Amazonian craton. This Paleoproterozoic, elliptic, anorogenic granitic batholith is composed essentially of monzogranites with alkali feldspar, quartz and plagioclase as essencial minerals; hornblende, biotite and sometimes clinopyroxene as main mafic minerals; titanite, allanite, apatite, zircon, ilmenite and magnetite as primary accessory minerals; chlorite, sericite-muscovite, carbonate ± fluorite as secondary accessory minerals. Textural and mineralogical characteristics allow to recognize eight varieties of granite: coarse-grained facies bearing amphibole, biotite and sometimes clinopyroxene [cumulatic granite (CG), biotite-amphibole-monzogranite (BAMzG), and amphibole- biotite-monzogranite (ABMzG)]; porphyritic facies with biotite [porphyritic biotite-monzogranite (PBMz)] and leucomonzogranitic fácies [coarse -grained leucomonzogranite (CLMz), early and late medium - evengrained monzogranite (EMLMz and LMLMz) and fine- evengrained monzogranite (FLMz)]. The facies distribution within the batholith is zoned, with the less evolved facies (GC and BAMzG) situated along the border of the body and the more evolved ones in its central portion (LMLMz and CLMz). The Bannach batholith is subalkaline, metaluminous to peraluminous. K 2 O/Na 2 O ratios are between 1 and 2 and FeO t /(FeO t + MgO) between 0.86 and 0.97. The different facies have similar rare earth elements (REE) patterns, being enriched in light REE, slightly depleted in heavy REE and showing a negative europium anomaly that increases from the less evolved to the more evolved facies. The several facies of the Bannach granite plot in the within -plate granite field, as defined by Pearce et al. (1984) for Phanerozoic granites, and into the field of A -type granite, as defined by Whalen et al. (1987). They also show geochemical affinities with the ferroan granites of Frost et al. (2001) and with the A2-subtype (Eby 1992). All facies of the Bannach pluton display high magnetic susceptibility (MS), decreasing regularly from the facies carrying amphibole, biotite ± clinopyroxene (GC and BAMzG) to the leucogranites (EMLMz, CLMz, LMLMz and FLMz ). The different facies of the Bannach granite evolved through fractional crystallization of ferromagnesan minerals and feldspars. The differentiation trend was in the sense: BAMzG- ABMzG-PBMz-EMLMz-CLMz-FLMz. The LMLMz facies is interpreted as a separate intrusion
Keywords: Granito
Petrologia
Fácies (Geologia)
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Geociências
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_GeologiaPetrografiaGeoquimica.pdf26,1 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons