Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/11773
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorYAMAGUTI, Humberto Sabro-
dc.date.accessioned2019-09-12T13:12:04Z-
dc.date.available2019-09-12T13:12:04Z-
dc.date.issued2000-04-03-
dc.identifier.citationYAMAGUTI, Humberto Sabro. Mineralização aurífera de Montes Áureos (Maranhão): rochas hospedeiras, controles deposicionais e fluidos mineralizantes. Orientador: Raimundo Netuno Nobre Villas. 2000. 79 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica) – Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2000. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11773. Acesso em:.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11773-
dc.description.abstractThe Montes Áureos gold mineralization occurred within the Tentugal Shear Zone (ZCT) which is a + 100km long, 15km wide NW-SE trending structure that marks the south-southwest boundary of the São Luís craton and may represent a collisional suture between the Belém block and this craton. This zone is characterized by tectonites produced by compressive/transpressive and strike-slip movements, and corresponds to the most deformed rocks of the Gurupi mobile belt. The ore bodies are hosted by Proterozoic Gurupi Group metavolcanic and metasedimentary rocks which have been metamorphosed under conditions of low (chlorite + sericite), medium to high greenschist (chlorite + biotite + muscovite + epidote + actinolite + Mg- hornblende + Fe-hornblende) and low amphibolite facies (biotite + plagioclase + edenite + pargasite + ferrotchermakite). They have been also deformed under a brittle-ductile regime, leading to the formation of structures with different shapes, styles and degree of strain. A superimposed hydrothermal event generated assemblages composed of chlorite, carbonates and epidote that partially replaced metamorphic amphiboles, plagioclase and biotite. It also produced a system of vein and veinlets both concordant and discordant with respect to the rock foliation. Gold occurs in up to 2 cm thick, late-tectonic quartz + carbonates veins or veinlets associated with arsenopyrite, pyrite and minor chalcopyrite. The spatial distribution of the mineralized zones forms lenticular to tabular bodies with gold contents less than 2 ppm. Texture features and the time relationship between hydrothermal and metamorphic assemblages indicate that mineralization followed the metamorphic peak and that gold occurs in at least two different forms: 1) granular gold deposited simultaneously with sulfides; and 2) in microfractures in arsenopyrite. Gold had been most likely transported by the sulphur thio- complex [Au(HS)"] in an aqueous-carbonic, low salinity fluid (2 to 10 wt% equiv. NaCl) at temperature < 450ºC. Deposition occurred in a temperature range of 260 to 350C. For the prevalent value of 300ºC, obtained by the chlorite geothermometer, pressure estimates fall between 1,3 and 2,8 kb, corresponding to depths of 5-10 km. Desestabilization of that complex as temperature dropped and as the fluids interacted with the host rocks brought about gold precipitation. Fluids related to the systems CO; + CH,, H,0-C0O,-NaCl + CH, + MgCl e/ou FeCl, and H;0-NaCl + MgCl e/ou FeCl, circulated through Montes Áureos rocks. The aqueous-carbonic fluids are considered to be products of dehydration and decarbonization of carbon- fluids are considered to be products of dehydration and decarbonization of carbon-bearing sedimentary rocks at temperature probably above 500ºC. At first homogeneous, these fluids have undergone imiscibility and were then trapped in fluid inclusions with different H,)0/CO; ratios, some almost pure H,O or CO>. As the metamorphic thermal regime decreased and carbonates precipitated, the aqueous-carbonic fluids became progressively impoverished in CO, and less saline. Mixture with cooler and low salinity superficial waters may have occurred by the end of the evolution of the Montes Áureos hydrothermal system. The geotectonic setting, the structural control of the mineralization by shear zone, the hydrothermal alteration features, the time relations between the metamorphic peak and hydrothermal alteration, the gold ore mineral association and the physical-chemical characteristics of the mineralizing fluids allow the Montes Áureos gold deposit to be classified in the lode category, as many others that are formed at convergent plate margins.pt_BR
dc.description.sponsorshipCNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológicopt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.source1 CD-ROMpt_BR
dc.subjectMinério auríferopt_BR
dc.subjectRochaspt_BR
dc.titleMineralização aurífera de Montes Áureos (Maranhão): rochas hospedeiras, controles deposicionais e fluidos mineralizantes.pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.publisher.initialsUFPApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIASpt_BR
dc.contributor.advisor1VILLAS, Raimundo Netuno Nobre-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1406458719432983pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9119591135202396pt_BR
dc.description.resumoO depósito de Montes Áureos localiza-se na Zona de Cisalhamento Tentugal (ZCT), de natureza compressiva/transpressiva, onde se encontram os conjuntos rochosos mais deformados do Cinturão Gurupi. A ZCT, com aproximadamente 15km de largura por 100km de extensão, e direção geral NW-SE, marca o limite sul-sudoeste do cráton São Luís (CSL) e é interpretado como uma possível sutura resultante do fechamento de um mar antigo entre o bloco Belém e aquele cráton. O depósito aurífero de Montes Áureos é hospedado por rochas metavulcanossedimentares do Grupo Gurupi, de provável idade proterozóica, que foram metamorfisadas em condições das fácies xisto verde baixo (clorita + sericita), xisto verde médio a alto (clorita + biotita + muscovita + epidoto + actinolita + Mg-hornblenda + Fe-hornblenda) e anfibolito baixo (biotita + plagioclásio + edenita + pargasita + ferrotschermakita), bem como deformadas em regime rúptil-dúctil, de que resultaram diferentes formas e estilos de estruturas com variáveis graus de deformação. A mineralização ocorreu essencialmente em veios e/ou vênulas de quartzo + carbonatos tardi-tectônicos de espessura milimétrica a centimétrica (< 2 cm), tendo formado corpos lenticulares e tabulares subparalelos à foliação milonítica com teores que não ultrapassam 2 ppm. O ouro encontra-se associado com arsenopirita, pirita e, secundariamente, com calcopirita, além de quartzo e carbonatos. A associação mineral hidrotermal composta de clorita, carbonatos e epidoto substitui parcialmente a associação metamórfica, principalmente os anfibólios, plagioclásio e biotita. As feições texturais e as relações entre as associações metamórfica e hidrotermal indicam que a mineralização ocorreu após o pico térmico máximo do metamorfismo, em pelo menos dois modos distintos e sucessivos : 1) ouro granular depositado junto com arsenopirita, pirita, calcopirita, quartzo e carbonatos, e 2) em microfraturas da arsenopirita. O ouro teria sido transportado na forma de complexo de enxofre do tipo Au(HS) em fluidos aquo-carbônicos de baixa salinidades (2 a 10% eq. em peso de NaCI) e temperaturas < 450ºC. A mineralização ocorreu a temperaturas entre 260 e 350ºC, sendo mais prevalentes aquelas em torno de 300ºC, que foram fornecidas pelo geotermômetro da clorita hidrotermal. As pressões correspondentes foram estimadas de 1,3 a 2,8kb, equivalentes a profundidades de 5-10 km. A deposição do ouro foi favorecida pela queda da temperatura, a qual provocou a desestabilização do complexo quando da reação dos fluidos com as rochas encaixantes. No sistema hidrotermal de Montes Áureos circularam fluidos carbônicos (CO; £ CHL), aquo-carbônicos (H,0-NaCI-CO; + CH, + Mg e/ou Fe) e aquosos (H,0-NaCl + Mg e/ou Fe). Os fluidos aquo-carbônicos foram interpretados como produtos de reações metamórficas de desidratação e descarbonização que devem ter ocorrido principalmente nas variedades ricas em material carbonoso do pacote vulcanossedimentar, a temperaturas acima de 500ºC. Esses fluidos, inicialmente homogêneos, foram aprisionados em cristais de quartzo, ao se tornarem imiscíveis, do que resultaram inclusões fluidas com diferentes razões H;0/CO», desde H,O quase pura até CO; virtualmente puro. Com a diminuição da temperatura e, em decorrência, menor produção de CO; pelas reações de descarbonização, além da precipitação dos carbonatos, os fluidos aquo- carbônicos foram sendo gradativamente empobrecidos em CO; e se tornando progressivamente mais aquosos e com salinidades mais baixas. Não se descarta, porém, a infiltração e mistura com fluidos mais superficiais, especialmente nos estágios finais da evolução do sistema. O contexto geotectônico regional, o controle da mineralização por estruturas típicas de zonas de cisalhamento, o tipo da alteração hidrotermal, a relação temporal entre o fluxo térmico máximo do metamorfismo e a alteração hidrotermal superimposta, a associação do minério e as características físico-químicas dos fluidos mineralizantes no depósito de Montes Áureos são dados que permitem classificá-lo como do tipo Jode, semelhante âqueles que ocorrem em terrenos tipo greenstone em margens de placas convergentes (depósitos auriferos orogênicos).pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímicapt_BR
dc.subject.areadeconcentracaoGEOLOGIApt_BR
Appears in Collections:Dissertações em Geologia e Geoquímica (Mestrado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_MineralizacaoAuriferaMontes.pdf37,83 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons