Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/3735
metadata.dc.type: Tese
Issue Date: 17-Jan-2013
metadata.dc.creator: SILVA JÚNIOR, Ademir Ferreira da
metadata.dc.contributor.advisor1: LEAL, Walace Gomes
metadata.dc.contributor.advisor-co1: MAIA, Cristiane do Socorro Ferraz
Title: Intoxicação crônica experimental com alumínio: padrões degenerativos, comportamentais e terapia experimental com magnésio após lesão hipocampal
metadata.dc.description.sponsorship: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Citation: SILVA JUNIOR, Ademir Ferreira da. Intoxicação crônica experimental com alumínio: padrões degenerativos, comportamentais e terapia experimental com magnésio após lesão hipocampal. 2013. 115 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Biológicas, Belém, 2013. Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular.
metadata.dc.description.resumo: Evidências experimentais sugerem que o alumínio é um agente neurotóxico com ações deletérias sobre os processos cognitivos. Neste estudo, investigou-se os efeitos comportamentais, histopatológicos e bioquímicos da intoxicação crônica com citrato de alumínio sobre o hipocampo de ratos adultos, e ao mesmo tempo aplicou-se uma terapia experimental de tratamento com magnésio para a reversão das alterações neuropatológicas encontradas. Utilizou-se 70 ratos Wistar machos de 200-250 g, divididos em grupos da seguinte maneira: controle, citrato de sódio (CNa), citrato de alumínio (CAl), citrato de alumínio + sulfato de magnésio (CAl+Mg), citrato de sódio + sulfato de magnésio (CNa+Mg). A dose usada de citrato de alumínio foi de 100 mg/kg e sulfato de magnésio 250 mg/kg durante 30 dias. Os animais foram submetidos aos testes comportamentais do campo aberto, Rota rod, Reconhecimento social e Labirinto em T elevado (LTE), análise bioquímica, histopatológica e imunoistoquímica para GFAP. Além disso, foram verificados os níveis de alumínio no plasma e no hipocampo dos animais em espectrômetro de absorção atômica em forno de grafite (GF AAS). Os resultados obtidos mostraram que o grupo CAl apresentou um aumento da atividade locomotora no teste do campo aberto em comparação ao grupo controle e já o grupo CAl+Mg apresentou uma diminuição (P<0.001). Nos testes de memória do LTE e de Reconhecimento social, os animais do grupo CAl apresentaram déficits no cognitivos em relação aos demais grupos enquanto os animais do grupo CAl+Mg apresentaram um bom desempenho nos teste (P<0.001). Os níveis de alumínio encontrados no hipocampo do grupo CAl foram consideravelmente elevados e nos demais grupos os níveis ficaram abaixo do limite de detecção. Na análise histopatológica e imunoistoquímica, os animais do grupo CAl apresentaram diminuição da densidade celular e reatividade astrocitária nas camadas CA1, CA3 e hilo do hipocampo. Estes resultados sugerem que a intoxicação experimental com citrato de alumínio induz déficits de aprendizado e memória e que a administração de sulfato de magnésio pode ter a capacidade de minimizar os danos causados pelo metal no hipocampo de animais intoxicados.
Abstract: Experimental evidence suggests that aluminum is a neurotoxic agent with harmful effects on cognitive processes. In this study, we investigated the behavioral, biochemical and histopathological effects of chronic intoxication with aluminum citrate on the hippocampus of adult rats, in the same time investigated experimental therapy treatment with magnesium for reversing the neuropathological changes. We used 70 male Wistar rats of 200-250 g that were divided in groups as follows: control, sodium citrate (CNa), aluminum citrate (CAl), aluminum citrate + magnesium sulphate (CAl+Mg), sodium citrate + sulfate magnesium (Mg+CNa). The dose used of aluminum citrate was 100 mg/kg and 250 mg/kg of magnesium sulfate. The neurotoxic compound was taken orally for 30 days. The animals were subjected to behavioral tests of open field, Rota Rod, social recognition and the elevated T maze (LTE). Furthermore, aluminum levels in plasma and hippocampus of animals was found by atomic absorption spectrometer graphite furnace (GF AAS), biochemical analysis, histopathology and immunohistochemistry for GFAP. It was found that the CAl group showed increase locomotor activity in the open field test compared to the control group, and CAl+Mg group showed a decrease (P <0.001). In memory tests of LTE and social Recognition, the CAl group showed cognitive deficits in relation to other groups, and CAl+Mg group performed well in the test (P <0.001). Aluminum levels found in the hippocampus of CAl group were considerably higher but in the other groups the levels were below to the detection limit of the equipment. Histopathology and imunistochemistry analysis in CAl group showed decreased in cell density and astrocytic reactivity in layers CA1, CA3 and hilus of the hippocampus. These results suggest that the experimental poisoning with aluminum citrate induce deficits of learning and memory and that the administration of magnesium sulphate may have the ability to minimize the damage caused by metal in the hippocampus of intoxicated animals.
Keywords: Memória
Hipocampo (Cérebro)
Aprendizagem
Citrato de alumínio
Magnésio
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FARMACOLOGIA::TOXICOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Teses em Neurociências e Biologia Celular (Doutorado) - PPGNBC/ICB

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_IntoxicacaoCronicaExperimental.pdf1,57 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons