Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/3766
Compartilhar:
Tipo: Dissertação
Data do documento: 2009
Autor(es): SANTIAGO, Roberta Souza D'Almeida Couto
Primeiro(a) Orientador(a): SALGADO, Claudio Guedes
Primeiro(a) coorientador(a): BARROSO, Regina Fátima Feio
Título: Perfil clínico-epidemiológico de saúde bucal em pacientes de hanseníase
Citação: SANTIAGO, Roberta Souza D'Almeida Couto. Perfil clínico-epidemiológico de saúde bucal em pacientes de hanseníase. 2009. 76 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Núcleo de Medicina tropical, Belém, 2009. Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais.
Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil clínico-epidemiológico de saúde bucal em pacientes portadores de hanseníase em PQT através da avaliação clínica da mucosa bucal, dos indicadores epidemiológicos IPV (Índice de Placa Visível), ISG (ìndice de Sangramento Gengival), ICPOD (Índice de Dentes Cariados, Perdidos e Obturados) e mensuração do fluxo salivar pelo ISS (Índice de Secreção Salivar), além da capacidade tampão pelo pH salivar. A amostra foi de 80 pacientes na faixa etária de 8 a 73 anos submetidos ao exame clínico bucal e coleta estimulada de saliva, divididos em Grupo de Estudo (GE), constituído de 40 pacientes portadores de hanseníase em PQT, atendidos no CRTDS Dr. Marcello Candia Marituba-Pa; e Grupo Controle (GC), de pacientes não portadores de hanseníase. Os resultados apontaram, 62,5% de alterações inespecíficas da mucosa bucal, dentre as mais frequentes pigmentação racial na gengiva, linha alba mordiscada na mucosa jugal, inflamação gengival, varicosidade no ventre lingual e trauma por uso de prótese no GE, não havendo diferença estatística significante (p=0,14) com o GC. A média do IPV no GE foi de 50,4% das superfícies dentárias com acúmulo de placa bacteriana, não havendo também diferença estatisticamente significante (p=0,40) com o GC. O IPV foi maior nos indivíduos sem acesso ao serviço odontológico e à medida que aumentou o grau de incapacidade dos pacientes menor foi o acesso ao serviço. A média do ISG foi de 29,7% das superfícies dentárias com sangramento gengival, não havendo diferença estatística significante (p=0,35) com o GC. O ICPOD médio foi de 11,6 variando de 4,0 a 24, o que aumentou com o avanço da idade. O maior acúmulo de placa, o sangramento gengival e o consumo de alimentos carigênicos fora do horário da refeição também contribuiram para o aumento do ICPOD. Outro fator relacionado ao aumento de ICPOD foi o não acesso ao serviço odontológico por 70% dos pacientes hansenianos, havendo diferença estatisticamente significante (p=0,0005) com o GC e a falta de orientação de higiene bucal em 60%, havendo diferença estatisticamente significante (p=0,01) com o GC. O ISS médio foi de 0,9ml/min e não apresentou associação com as doses do PQT e nem com o uso de prednisona. Dos pacientes do GE, 25% apresentaram hipossalivação, mas não houve aumento de ICPOD e nenhum dos grupos revelou alteração de pH salivar, variando de 5,85 a 7,34, com capacidade tampão dentro do padrão de normalidade. Concui-se que perfil clínico-epidemiológico dos pacientes portadores de hanseníase assemelha-se a do grupo controle, não tendo sido diagnosticado nenhuma alteração da mucosa bucal específica para hanseníase, o que não anula, entretanto a póssibilidade da cavidade bucal ser fonte de infecção para hanseníase necessitando de confirmação histopatológica e/ou PCR para detecção de M. leprae viável. Além disso, os dados mostraram que a maioria dos pacientes hansenianos avaliados não tem acesso ao serviço odontológico, nem orientação de higiene bucal, resultante da falta de políticas públicas de saúde bucal para hansenianos.
Abstract: The aim of this study was to evaluate the clinical-epidemiological profile of oral health in leprosy patients at multidrug terapy (MDT) through the oral mucosa clinic assessment, the VPI (visible plaque index), GBI (gum bleeding index), DMFTI (decayed, missing and filled teeth index) and salivary flow rate measure by SSI (salivary secretion index) as epidemiological indicators, well over buffeing capacity by salivary pH. The sample was 80 patients, aged from 8 to 73 years submited to the analysis of the oral conditions and stimulated saliva collection, divided in study group (SG) constituted of 40 leprosy patients in MDT carried in the CRTDS Dr. Marcello Candia Marituba-Pa, Brazil and control group (CG) of 40 no leprosy patients. The results pointed 62,5% unspecific oral lesions, among the most frequent was melanin pigmentation of the attached gingiva, mordiscatum line of the buccal mucosa, gingival inflammation, tongue varicose veins and trauma for use of prosthesis, without statistical significant difference (p=0,14) with the CG. The average of the VPI was 50,4 % of the dental surfaces with accumulation of bacterial plaque, without statistical significant difference (p=0,40) with the CG. The VPI was bigger in the individuals without access to the odontologic service and while it increased the degree of incapacity of the patients, juvenile was the access to the service. The average of the GBI was 29,7% of the dental surfaces with gingival bleeding, without statistical significant difference (p=0,35) with the CG. The middle DMFTI was of 11,6 varying from 4,0 to 24, which increases with the advancement of the age. The biggest accumulation of plaque, the gingival bleeding and the consumption of foods cariogenic out of the time-table of the meal also contributed to the increase of the DMFTI. Another factor made a list to the increase of I DMFTI was no access it to the odontologic service for 70 % of the leprosy patients, having statistical significant difference is (p=0,0005) with the CG and the lack of education of oral hygiene in 60 %, having statistical significant difference (p=0,01) with the CG. The middle SSI was of 0,9ml/min and did not present association with the MDT and not even with the use of prednisolone. The SG patients, 25 % presented hiposalivation, but there was no increase of DMFTI and none of the groups revealed alteration of salivary pH , varying from 5,85 to 7,34, with buffeing capacity inside the standard of normality. Conclusion that the clinical-epidemiological profile of leprosy patients is similar to the control group, do not have find specific oral lesions for leprosy, which does not cancel the possibility of the buccal cavity to be a fountain of infection for leprosy, needing histopathological confirmation and / or PCR for detection of viable M.leprae. Moreover, the data showed most of the leprosy patients do not have access to the odontologic service and not even education of oral hygiene, results absence of public politics of oral health for leprosy.
Palavras-chave: Hanseníase
Saúde bucal
Mucosa bucal
Saliva
Doenças transmissíveis
Marituba - PA
Pará - Estado
Amazônia Brasileira
CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::ODONTOLOGIA
CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA::CLINICA MEDICA::DOENCAS INFECCIOSAS E PARASITARIAS
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Pará
Sigla da Instituição: UFPA
Instituto: Núcleo de Medicina Tropical
Programa: Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais
Aparece nas coleções:Dissertações em Doenças Tropicais (Mestrado) - PPGDT/NMT

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_PerfilClinicoEpidemiologico.pdf1,52 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons