Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/4134
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 23-Apr-2013
metadata.dc.creator: GUIMARÃES, Layana de Souza
metadata.dc.contributor.advisor1: SALGADO, Claudio Guedes
Title: Incapacidade física em pessoas afetadas pela hanseníase: estudo após alta medicamentosa
Citation: GUIMARÃES, Layana de Souza. Incapacidade física em pessoas afetadas pela hanseníase: estudo após alta medicamentosa. 2013. 76 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Biológicas, Belém, 2013. Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular.
metadata.dc.description.resumo: A incapacidade física é o principal problema da hanseníase. Apesar do sucesso da poliquimioterapia (PQT) no tratamento da doença, sabe-se que cerca de 25% a 50% dos pacientes podem ter algum dano do nervo e desenvolver incapacidades físicas, classificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como grau de incapacidade física (GIF) 0 para sensibilidade normal, sem deformidades visíveis, 1 para a sensibilidade diminuída, sem alterações visíveis, ou 2 para deficiências visíveis / deformidade. De 2004 a 2010 o Brasil registrou 21,7% dos casos como sendo GIF 1 e 7% como GIF 2, enquanto que no Estado do Pará, 15,3% dos pacientes foram diagnosticados com GIF 1, e 5,1% com GIF 2 no momento do diagnóstico de hanseníase. A fim de investigar as incapacidades físicas em pacientes curados, examinamos as funções sensitivo-motoras de 517 pessoas afetadas pela hanseníase, notificados 2004 a 2010 em oito municípios hiperendêmicos da Amazônia brasileira, correlacionando os achados com aspectos epidemiológicos e sócio-econômico, e comparando com os dados encontrados no Sistema Nacional de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Adicionalmente, 2164 contatos intradomiciliares dos pacientes visitados foram avaliados clinicamente em busca de sinais e sintomas da doença. As visitas domiciliares dos pacientes constaram de avaliação clínica, avaliação neurológica simplificada e determinação do GIF, realização de entrevista sobre suas características demográficas e sócio-econômicas. O GIF 1 foi encontrado em 16,2% e DG 2 em 12,4% dos pacientes avaliados. Foi encontrada uma correlação estatisticamente significativa entre as formas multibacilares (MB) e o GIF 1 ou 2 (p <0,001), incapacidade física e o sexo masculino (p <0,001); incapacidade ocorreu em casos acima de 40 anos de idade (p <0,001). Mais da metade (50,5%) dos casos não tinha cicatriz de BCG, correlacionada com idades mais elevadas (p <0,001), casos MB (p <0,001), e com incapacidade (p <0,005). Por fim, embora SINAN informe apenas 5,6% de casos com GIF 2, encontramos 12,4% durante nossas visitas. Entre os contatos, foram diagnosticados 181 casos novos, 127 (70,2%) foram diagnosticados como multibacilares e 17,1% apresentaram incapacidade física, sendo 5,5% GIF 2. A ocorrência de deficiência física foi predominante em pacientes MB, homens,> 40 anos de idade e sem cicatriz de BCG, todos os fatores de risco importantes para o desenvolvimento de deficiência. As diferenças de GIF encontradas no SINAN e no nosso estudo sugerem piora das funções sensório-motor após a alta da PQT, indicando a importância do acompanhamento destes pacientes por anos depois de terminar o tratamento MDT. A alta taxa de detecção de casos novos diagnosticados neste estudo reflete o baixo índice de avaliação de contatos no estado do Pará (58,8%), perpetuando o diagnóstico tardio. Os achados clínicos sugerem a existência de prevalência oculta e alto índice de infecção subclínica na amostra estudada, indicando necessidade de avaliação clínica periódica.
Abstract: Physical disability is the main problem of leprosy. Despite multidrugtherapy (MDT) success in treating leprosy, it is known that about 25%>50% of patients may have some nerve damage and develop physical disabilities, classified by WHO disability grading (DG) as 0 for normal sensation, no visible impairments, 1 for impaired sensation, no visible impairments, or 2 for visible impairments/deformity. From 2004 to 2010 Brazil registered 21,7% of the cases as DG 1, and 7% as DG 2, while in Pará State 15,3% of the patients were diagnosed with DG 1, and 5,1% with DG 2 on the diagnosis of leprosy. In order to investigate physical disabilities in MDT cured patients, we examined the sensory-motor functions of 517 people affected by leprosy reported from 2004 to 2010 in eight hyperendemic municipalities of the Brazilian Amazon Region, correlating our findings with epidemiological and socio-economic features, and comparing with data found at the National Information System for Notifiable Diseases (SINAN). Additionally, 2164 household contacts of leprosy patients were clinically evaluated for signs and symptoms of leprosy. Patients’ home visits were planned with clinical assessment, simplified neurological evaluation and determination of DG, together with an interview about their demographic and socio-economic characteristics. DG 1 was found on 16,2% and DG 2 on 12,4% of the patients evaluated. It was found a statistically significant correlation between multibacillary (MB) forms and DG 1 or 2 (p<0.001); physical disability and males (p<0.001); impairment and age over 40 years-old (p<0.001). More than half (50,5%) of the cases did not have a BCG scar, and this was correlated to higher ages (p<0.001), MB cases (p<0.001), and disability (p<0.005). Finally, although SINAN showed only 5,6% of DG 2, we found 12,4% during our visits. Among the household contacts were diagnosed 181 new case, 127 (70,2%) were MB forms and 17,1% had physical disability, 5,5% DG 2. The occurrence of physical disability was predominant in MB patients, males, >40 years-old and no BCG scar, all important risk factors for developing disability. The differences of DG found in SINAN in contrast to our study suggest worsening of the sensory-motor functions after discharge from MDT, indicating the importance of monitoring these patients for years after finishing MDT treatment. The high rate of detection in this study reflects the low level of evaluation of household contacts in Pará (58,8%), perpetuating the late diagnosis. Clinical findings suggest that there is a high rate of undiagnosed leprosy and subclinical infection in our sample, indicating a need for periodic clinical evaluation.
Keywords: Hanseníase
Epidemiologia dos serviços de saúde
Incapacidade física
Pará - Estado
Amazônia brasileira
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FISIOLOGIA::FISIOLOGIA GERAL::NEUROFISIOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Dissertações em Neurociências e Biologia Celular (Mestrado) - PPGNBC/ICB

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_IncapacidadeFisicaPessoas.pdf3,37 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons