Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/5360
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 2010
metadata.dc.creator: FERREIRA, Darlene Cardoso
metadata.dc.contributor.advisor1: TOURINHO, Emmanuel Zagury
Title: O conceito de incontrolabilidade na pesquisa experimental e na terapia comportamental da depressão
Other Titles: The concept of uncontrollability in experimental research and behavioral therapy of depression
metadata.dc.description.sponsorship: FAPESPA - Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas
Citation: FERREIRA, Darlene Cardoso. O conceito de incontrolabilidade na pesquisa experimental e na terapia comportamental da depressão. 2010. 146 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento, Belém, 2010. Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento.
metadata.dc.description.resumo: A Análise do Comportamento oferece diversas explicações para o fenômeno denominado depressão, uma das quais envolve a referência ao modelo do desamparo aprendido. O desamparo aprendido é definido como a dificuldade de aprendizagem resultante da exposição a estímulos aversivos incontroláveis. Como produtos desta exposição, surgiriam padrões comportamentais comuns àqueles observados em indivíduos depressivos, a exemplo de inatividade. Em razão do paralelo entre os efeitos da experiência com incontrolabilidade sobre o repertório comportamental em humanos e não-humanos, o desamparo aprendido tem sido apontado como um modelo animal de depressão. Frequentemente, menções à experiência com incontrolabilidade são encontradas na literatura em associação com o desamparo aprendido, cuja ocorrência é estritamente vinculada àquela condição. A incontrolabilidade também parece relevante para a instalação de respostas identificadas com a depressão. No presente trabalho, descrevem-se as definições de incontrolabilidade referidas por publicações da área comportamental experimental e clínica, discutindo-se a pertinência deste conceito em explicações funcionais da depressão na Análise do Comportamento, bem como suas possíveis contribuições para um modelo de intervenção clínica da depressão à luz desta abordagem. A relação entre incontrolabilidade e depressão é tratada a partir de cinco categorias de análise: 1) Variabilidade de fenômenos investigados, de resultados produzidos e de definições oferecidas; 2) Efeitos diferenciais da incontrolabilidade frente a estímulos aversivos e apetitivos; 3) Enfoques transversais das variáveis relevantes: instaladoras x mantenedoras, históricas x atuais, exclusivas x sobrepostas a outros fenômenos; 4) Incontrolabilidade em Humanos: suposições numerosas, evidências empíricas escassas e Contingências Verbais; 5) Tratamento da depressão: pontos de contato e de distanciamento frente à investigação empírica. Diferentes usos do conceito de incontrolabilidade são assinalados, indicando-se como a mesma topografia verbal é emitida por diversos autores sob controle de eventos distintos. Variáveis relevantes para a generalidade do desamparo aprendido – enquanto modelo experimental e equivalente animal da depressão – são discutidas, justificando-se a necessidade de maior investigação de aspectos como: correspondência entre o conceito de incontrolabilidade e a condição experimentalmente estabelecida no laboratório; efeitos de diferentes tipos de estimulação incontrolável; produção de desamparo aprendido em humanos e participação de processos verbais; diferentes efeitos da sinalização pré-aversiva de estímulos incontroláveis. Assinala-se que, em geral, o tratamento analítico-comportamental da depressão é constituído por procedimentos com foco sobre a aprendizagem de que responder controla o ambiente e pode disponibilizar reforçadores. É examinado o papel da incontrolabilidade na instalação da depressão, constatando-se, por fim, que se apresenta como condição suficiente, porém não necessária para a ocorrência e/ou manutenção do fenômeno.
Abstract: Behavior Analysis offers many explanations for the phenomenon called depression, one of which refers to the model of learned helplessness. Learned helplessness is defined as a learning disability which results from exposure to uncontrollable aversive stimuli. As one of the products of this exposure, there would be the acquisition of behavioral patterns common to those observed in depressed individuals, like inactivity. Because of the parallel among the effects of the experience of uncontrollability on the behavioral repertoire in humans and nonhumans, learned helplessness has been suggested as an animal model of depression. In the literature references to the uncontrollability experience are often found in association with learned helplessness, whose occurrence is strictly linked to that condition. Uncontrollability also seems relevant to the installation of responses identified with depression. In this paper, the definitions of uncontrollability reported by publications in the field of clinical and experimental behavior psychology were described discussing the relevance of this concept in functional explanations of depression in Behavior Analysis and its possible contribution to a model of clinical depression in the light of this approach. The relationship between uncontrollability and depression is treated from five analysis categories: 1) Variability of investigated phenomena, results and definitions offered; 2) Differential effects of uncontrollability in the face of aversive and appetitive stimuli; 3) Cross-sectional approaches of the relevant variables: installers x maintainers, historical x current, exclusive x superimposed on other phenomena; 4) Uncontrollability in humans: numerous assumptions, scarce empirical evidence and verbal contingencies; 5) Treatment of depression: points of contact and distance in face of empirical investigation. The different uses of the concept of uncontrollability are distinguished, indicating how the same verbal topography issued by various authors is controlled by different events. Relevant variables to the generality of learned helplessness as the experimental model and animal equivalent of depression are discussed, justifying the need for more research into aspects such as the correspondence between the concept of uncontrollability and the experimentally established condition in the laboratory, the effects of different types of uncontrollable stimulation, the production of learned helplessness in humans and involvement of verbal processes and the different effects of pre-aversive signaling of uncontrollable stimuli. It is noted that, in general, the behavioranalytic treatment of depression consists of procedures which focus on teaching that responding controls the environment and can provide reinforcements. Also, the role of uncontrollability in the installation of depression is analyzed, concluding, ultimately, that it is a sufficient, yet not necessary condition for the occurrence and/or maintenance of the phenomenon.
Keywords: Análise do comportamento
Incontrolabilidade
Depressão
Desamparo (Psicologia)
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA EXPERIMENTAL
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Dissertações em Teoria e Pesquisa do Comportamento (Mestrado) - PPGTPC/NTPC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_ConceitoIncontrolabilidadePesquisa.pdf1,08 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons