Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/5701
Compartilhar:
Type: Dissertação
Issue Date: Jun-2007
Authors: ÁLLAN, Sylvio
First Advisor: SOUZA, Carlos Barbosa Alves de
Title: Intencionalidade, linguagem e análise do comportamento
Other Titles: Intentionality, language, and behavior analysis
Sponsor: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Citation: ÁLLAN, Sylvio. Intencionalidade, linguagem e análise do comportamento. 2007. 127 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2007. Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento.
Resumo: As abordagens analítico-comportamentais da linguagem ainda não conseguiram fornecer um tratamento conceitual e empírico adequado dos comportamentos verbais complexos. Uma proposta funcionalista recente que vem abordando repertórios complexos na aquisição e no desenvolvimento da linguagem é a teoria da aquisição da linguagem baseada no uso, de Tomasello e cols. Esta teoria vem se desenvolvendo no interior de uma análise mais ampla de Tomasello e cols. sobre a evolução da cognição humana. Nesta proposta, a compreensão e o compartilhamento da intencionalidade são elementos-chave para o desenvolvimento cognitivo e linguístico humano. E é justamente o uso do conceito de intencionalidade o que tem produzido as principais críticas a esta proposta, principalmente, enquanto possibilidade de representar um retorno às propostas mentalistas sobre cognição e linguagem. Com base nisso, o presente trabalho procurou: (1) analisar a proposta de Tomasello e cols. sobre a evolução da cognição humana e a relação entre essa proposta e a aquisição e o desenvolvimento da linguagem – analisando, especificamente, o papel do conceito de intencionalidade nessa proposta e a relação entre intencionalidade e linguagem; (2) analisar o tratamento do conceito de intencionalidade nos trabalhos de John R. Searle e de Daniel C. Dennett, comparando-o com o proposto por Tomasello e cols., segundo os critérios de (a) definição de intencionalidade e (b) relação entre intencionalidade e linguagem; e (3) analisar o tratamento que o conceito de intencionalidade tem recebido na Análise do Comportamento, comparandoo com o proposto por Tomasello e cols, segundo os mesmos critérios (a) e (b). Esperava-se que estas análises permitissem um maior esclarecimento sobre o uso do conceito de intencionalidade na proposta de Tomasello e cols. e uma aproximação dessa proposta com um referencial analítico-comportamental, i.e., sem recorrer a entidades mentais como elementos explicativos da cognição e da linguagem. Tomasello e cols. propõem que a cognição humana é um tipo de cognição primata, derivada de adaptações biológicas característica dos primatas em geral para compreender os outros intencionalmente, em termos de ações, percepções, estados emocionais e objetivos, além de uma motivação exclusivamente humana para compartilhar intencionalidade com os outros. A partir dessas características, os humanos se tornaram capazes de se engajar em atividades de colaboração relacionadas à cognição cultural (envolvendo a criação e o uso de símbolos lingüísticos e matemáticos, artefatos culturais, tecnologias, práticas culturais e instituições sociais), que alteraram profundamente os modos de interação social da espécie humana, permitindo a ela acumular e modificar conhecimentos ao longo da história e transmitir esses conhecimentos para as gerações posteriores. Considerando a análise dos usos do conceito de intencionalidade nas propostas de Tomasello e cols, Searle, Dennett e da Análise do Comportamento, foi possível estabelecer uma relação entre as propostas de Tomasello e cols. e de Dennett, ambas caracterizando a intencionalidade como um conjunto de habilidades cognitivo-comportamentais dos organismos, resultante da história evolutiva das espécies. Contudo, foi possível relacionar o uso do o conceito de intencionalidade nas propostas de Searle e da Análise do Comportamento com o conceito de intencional na proposta de Tomasello e cols., ambos significando uma propriedade referencial (i.e., estar relacionado com) de certos fenômenos em relação a aspectos do mundo. No que concerne à relação entre intencionalidade e linguagem, as propostas de Tomasello e cols., Searle e de Dennett destacam a importância da interação da intencionalidade com a linguagem para a evolução da cognição humana propriamente dita. Contudo, Tomasello e cols. se aproximam mais do modelo de Searle, ao sugerirem que a linguagem simbólica é uma habilidade comportamental humana derivada da intencionalidade. Dennett, por outro lado, se contrapõe a essa hipótese, afirmando que intencionalidade e linguagem simbólica são dois fenômenos comportamentais distintos que co-evoluíram e passaram a interagir em certo momento da história evolutiva da espécie humana. Em geral, o presente trabalho sugere que os principais conceitos utilizados na proposta de Tomasello e cols. sobre a evolução da cognição humana e, especificamente, na teoria da aquisição da linguagem baseada no uso, são compatíveis com alguns conceitos aplicados em outras áreas do conhecimento, como a filosofia da mente e as ciências do comportamento. Em adição, o presente trabalho também possibilitou uma aproximação da proposta de Tomasello e cols. com um referencial analíticocomportamental. Sugere-se que (i) a adoção de um vocabulário analítico-comportamental pode contribuir para abordar os fenômenos contemplados na proposta de Tomasello e cols., evitando a recorrência a pressupostos mentalistas; e, (ii) a proposta de Tomasello e cols. pode oferecer relevantes contribuições para a Análise do Comportamento, no que se refere à investigação de processos simbólicos, principalmente, a aquisição e o desenvolvimento da linguagem simbólica, na medida em que esta proposta tem investigado processos simbólicos mais complexos do que aqueles tradicionalmente investigados na Análise do Comportamento.
Abstract: Behavioral theories of language did not offer until this moment an adequate conceptual and empirical treatment for complex verbal behaviors. A contemporary functionalist proposal concerning complex repertoires in language acquisition and development is the usage-based theory of language acquisition, by Tomasello and colleagues. This theory has been developed in the context of Tomasello and colleagues’ wider analysis about the evolution of human cognition. In this proposal, comprehending and sharing intentionality are key aspects to human cognitive and linguistic development. The concept of intentionality, however, has led to several critics to this proposal, mainly because of a possible comeback of mentalist proposals about cognition and language. Thus, the present paper aimed: (1) to analyze Tomasello and colleagues’ proposal about the evolution of human cognition and the relation between this proposal and the acquisition/development of language – analyzing specifically the role of the concept of intentionality in this proposal and the relation between intentionality and language; (2) to analyze the treatment of this concept in John R. Searle and Daniel C. Dennett’s papers, comparing it to Tomasello and colleagues’ one, based on the criteria of: (i) definition of intentionality and (ii) relation between intentionality and language; (3) to analyze the treatment of the concept of intentionality in Behavior Analysis, comparing it to Tomasello and colleagues’ one, based on the same (i) and (ii) criteria. It was expected that these analyses would allow a better clarification about the usage of the concept of intentionality in Tomasello and colleagues’ proposal and would allow an interlocution between Tomasello and colleagues’ proposal and Behavior Analysis, i.e., one approach to cognition and language without references to mental entities as explicative aspects. Tomasello and colleagues propose that human cognition is a sort of primate cognition, derived from primate biological adaptations to comprehend the others intentionally, in terms of actions, perceptions, emotional states and objectives, and a exclusively human motivation to share intentionality with others. From these characteristics, human beings became able to engage in collaboration activities related to cultural cognition (involving the creation and usage of linguistic and mathematic symbols, cultural artifacts, technologies, cultural practices, and social institutions), that changed considerably human species’ social interactions, allowing it to accumulate and modify the knowledge throughout history and to transmit this knowledge to further generations. Considering analyses of the usage of the concept of intentionality in Tomasello and coleagues, Searle, Dennett and Behavior Analysis’ proposals, it was established a relation between Tomasello and colleagues’ and Dennett’s proposals, both of them defining intentionality as a set of cognitive-behavior skills of organisms, derived from species’ evolutionary history. Furthermore, it was established a relation between the concept of intentionality in Searle’s and Behavior Analysis’ proposals and the concept of intentional in Tomasello and colleagues’ one, both of them meaning a referential property (i.e., to be related to) of certain phenomena according to objects and state of affairs. Concerning to the relation between intentionality and language, Tomasello and colleagues’, Searle’s and Dennett’s proposals emphasize the importance of the interaction between intentionality and language to the evolution of the so-called human cognition. However, Tomasello and colleagues are more related to Searle’s model because both of them suggest symbolic language is an intentionalityderived human behavioral skill. Dennett rejects this hypothesis, considering intentionality and symbolic language as two different behavior phenomena that co-evolved and started to interact from a certain moment in human species’ evolutionary history. In general, the present paper suggests that the main concepts used in Tomasello and colleagues’ proposal about the evolution of human cognition and, specifically, in the usage-based theory of language acquisition, are compatible to some concepts used in others knowledge’s areas, like the philosophy of mind and behavioral sciences. In addition, the present paper also allowed an interlocution between Tomasello and colleagues’ proposal and Behavior Analysis. It is suggested that (a) adopting behavioral vocabulary may contribute to investigate the phenomena in Tomasello and colleagues’ proposal, rejecting references to mentalists hypotheses; and (b) Tomasello and colleagues’ proposal may offer relevant contributions to Behavior Analysis, concerning to the investigation of symbolic processes, specially symbolic language acquisition and development, since this proposal has investigated more complex symbolic processes than those traditionally investigated by Behavior Analysis.
Keywords: Análise do comportamento
Psicolingüística
Cognição
Intencionalidade
Psicologia cognitiva
CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA COGNITIVA
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
Institution Acronym: UFPA
Department: Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento
Program: Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento
Appears in Collections:Dissertações em Teoria e Pesquisa do Comportamento (Mestrado) - PPGTPC/NTPC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_IntencionalidadeLinguagemAnalise.pdf630.17 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons