Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/5702
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 14-Aug-2009
metadata.dc.creator: NEDER, Patrícia Regina Bastos
metadata.dc.contributor.advisor1: FERREIRA, Eleonora Arnaud Pereira
metadata.dc.contributor.advisor-co1: CARNEIRO, José Ronaldo Matos
Title: Análise da adesão ao tratamento em mulheres com lúpus eritematoso sistêmico
Other Titles: Adhesion to treatment by women with systemic lupus erythematosus
Citation: NEDER, Patrícia Regina Bastos. Análise da adesão ao tratamento em mulheres com lúpus eritematoso sistêmico. 2009. 97 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento, Belém, 2009. Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento.
metadata.dc.description.resumo: O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica do tecido conjuntivo, de caráter auto-imune e natureza multissistêmica, podendo afetar diversos órgãos e sistemas. Há predomínio no sexo feminino e apresenta períodos de remissão e exacerbação. Embora de etiologia ainda desconhecida, vários fatores contribuem para o desenvolvimento da doença, dentre eles os fatores hormonais, ambientais, genéticos e imunológicos. Algumas manifestações clínicas têm desafiado os especialistas, como é o caso da associação do LES com estados depressivos. Este estudo teve como objetivo identificar variáveis relacionadas à adesão ao tratamento em mulheres com diagnóstico de LES. Foram feitas correlações entre características sociodemográficas, níveis de depressão, qualidade de vida, estratégias de enfrentamento e comportamentos de adesão ao tratamento. Foram usados os instrumentos: Roteiros de entrevista, Escalas Beck, International Quality of Life Assessment Project (SF-36), Escala Modos de Enfrentamento de Problemas (EMEP) e Inventário de Qualidade de Vida (WHOQOL-Breve). As participantes integravam um grupo de trinta pacientes assistidas no ambulatório de reumatologia de um hospital público. Foram distribuídas em dois grupos, de acordo com o uso ou não de medidas orientadas pelo médico: Adesão (n=17) e Não Adesão (n=13). O grupo Adesão, independentemente da idade e do tempo de diagnóstico, apresentou menores níveis de depressão se comparado com o grupo Não Adesão. Os resultados sugerem que, em ambos os grupos, nos primeiros cinco meses de convivência da paciente com o LES, o aspecto físico, a dor e o estado geral de saúde são percebidos como fatores difíceis de lidar. Entretanto, é possível afirmar que, nesse mesmo período, se o paciente não adere às prescrições médicas, o desconforto em relação aos fatores citados é intensificado. A correlação entre o domínio Vitalidade, o domínio Aspectos sociais (medidos pelo SF-36) e a adesão ao tratamento apresentou-se válida, pois as participantes do grupo Adesão também relataram que se sentiam amparadas, tanto pelo seu grupo social quanto pela equipe de saúde. Os resultados sugerem que o comportamento depressivo pode ocorrer pelo longo tempo de convivência dessas pacientes com a incontrolabilidade dos sintomas da doença, e também por conta das seqüelas do LES, que as atinge severamente, comprometendo órgãos vitais como rins, coração, pulmões, prejudicando a qualidade de vida das mesmas. Discutem-se as vantagens e limitações do uso de instrumentos para identificação de variáveis relevantes no estudo da adesão ao tratamento em doenças crônicas. Sugere-se a realização de estudos longitudinais, com delineamento do sujeito como seu próprio controle para investigar a relação entre estados depressivos, controle de sintomas e adesão ao tratamento.
Abstract: Systemic lupus erythematosus (SLE) is a chronic autoimmune, multisystemic connective tissue inflammatory disease, capable of affecting several organs and systems throughout the body. It affects mostly women and presents periods of remission and exacerbation. Even though its etiology still unknown, several factors contribute to the development of the disease, among them hormonal, environmental, genetic and immunological factors. Some clinical manifestations have challenged the specialists, among them the association of SLE with depressive states. This study aimed to identify related variables with adhesion to treatment in women with SLE diagnosis. Correlations were made between socio demographic characteristics, levels of depression, quality of life, coping and adhesion behavior to treatment strategies. The following instruments were used: Itineraries of interview, The Beck Scale, International Quality of Life Assessment Project (SF-36), The Ways of Coping Scale, World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL-BREF). The participants formed a group of thirty patients attended at the rheumatology ward of a public hospital. They were distributed in two groups: Adhesion (n=17) and Non Adhesion (n=13). The adhesion group, regardless of age and time of diagnosis, presented lower levels of depression when compared with the non adhesion group. The results suggest that, on both groups, during the first five months of patients’ coexistence with SLE, the physical aspect, pain and the general state of health are found to be difficult factors to deal with. However, it is possible to assert that, in the same period, if the patient does not adhere to the medical prescriptions, the discomfort regarding the mentioned factors is intensified. The correlation between Vitality subscale and the social Aspects (measured by the SF-36) and the adhesion to treatment presented valid results, for the Adhesion group participants also reported that they felt protected as much by their social group as by the health team. The results suggest that depressive behavior can take place for the long period these patients have been living with the uncontrollability of the disease symptoms, and also for the sequelae caused by SLE, which affects them severely, implicating vital organs such as kidneys, heart, lungs, damaging their quality of life. The pros and cons, as well the limitations on the use of instruments for identification of relevant variables in the study of adhesion to the treatment in chronic diseases are also discussed. Longitudinal studies are suggested, with delineation of the subject as its own control to investigate the relation between depressive states, control of symptoms and adhesion to treatment.
Keywords: Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES)
Adesão ao tratamento
Mulheres
Depressão
Qualidade de vida
Belém - PA
Pará - Estado
Amazônia brasileira
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::TRATAMENTO E PREVENCAO PSICOLOGICA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Dissertações em Teoria e Pesquisa do Comportamento (Mestrado) - PPGTPC/NTPC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_AnaliseAdesaoTratamento.pdf1,61 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons