Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/6430
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
Issue Date: Mar-2014
metadata.dc.creator: CRUZ, Raquel Souza da
FERNANDES, Carlos Marcello Dias
JULIANI, Caetano
LAGLER, Bruno
MISAS, Carlos Mário Echeverri
NASCIMENTO, Tatiane de Souza
JESUS, Aguinaldo José Corrêa de
Title: Química mineral do vulcano-plutonismo paleoproterozoico da região de São Félix do Xingu (PA), Cráton Amazônico
Other Titles: Mineral chemistry of paleoproterozoic volcano-plutonism from the São Félix do Xingu (PA) region, Amazonian Craton
Citation: CRUZ, Raquel Souza da et al. Química mineral do vulcano-plutonismo paleoproterozoico da região de São Félix do Xingu (PA), Cráton Amazônico. Geologia USP. Série Científica, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 97-116, mar. 2014. Disponível em: <http://ppegeo.igc.usp.br/pdf/guspsc/v14n1/a07v14n1.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2015. <http://dx.doi.org/10.5327/Z1519-874X201400010007>.
metadata.dc.description.resumo: As formações Sobreiro e Santa Rosa são resultado de intensas atividades vulcânicas paleoproterozoicas na região de São Félix do Xingu (PA), SE do Cráton Amazônico. A Formação Sobreiro é composta por rochas de fácies de fluxo de lava andesítica, com dacito e riodacito subordinados, além de rochas que compõem a fácies vulcanoclástica, caracterizadas por tufo, lapilli-tufo e brecha polimítica maciça. Essas rochas exibem fenocristais de clinopiroxênio, anfibólio e plagioclásio em uma matriz microlítica ou traquítica. O clinopiroxênio é classificado predominantemente como augita, com diopsídio subordinado, e apresenta caracterísiticas geoquímicas de minerais gerados em rochas de arco magmático. O anfibólio, representado pela magnesiohastingsita, foi formado sob condições oxidantes e apresenta texturas de desequilíbrio, como bordas de oxidação vinculadas à degaseificação por alívio de pressão. As rochas da Formação Santa Rosa foram extravasadas em grandes fissuras crustais de direção NE-SW, têm características de evolução polifásica e compõem uma fácies de fluxo de lava riolítica e riodacítica e uma fácies vulcanoclástica de ignimbritos, lapilli-tufos, tufos de cristais félsicos e brechas polimíticas maciças. Diques métricos e stocks de pórfiros graníticos e granitoides equigranulares completam essa suíte. Fenocristais de feldspato potássico, plagioclásio e quartzo dispersos em matriz de quartzo e feldspato potássico intercrescidos ocorrem nessas rochas. Por meio de análises químicas pontuais dos fenocristais em microssonda eletrônica, foram estimadas as condições de pressão e temperatura de sua formação, sendo que o clinopiroxênio das rochas intermediárias da Formação Sobreiro indica profundidade de formação variável entre 58 e 17,5 km (17,5 - 4,5 kbar), a temperaturas entre 1.294 e 1.082 ºC, enquanto o anfibólio cristalizou-se entre 28 e 15 km (7,8 - 4,1 kbar), o que sugere uma evolução polibárica. Assim, propõe-se um modelo de geração de magma basáltico hidratado com base na fusão parcial de cunha mantélica e no acúmulo na crosta inferior em uma zona quente, a partir da qual os magmas andesíticos e dacíticos são formados pela assimilação de crosta continental e cristalização fracionada.
Abstract: The Sobreiro and Santa Rosa formations are result of large paleoproterozoic volcanic activities in the São Félix do Xingu (PA) region, SE of Amazonian Craton. The Sobreiro Formation is composed of andesitic lava flow facies, with subordinate dacite and rhyodacite, and autoclastic volcaniclastic facies characterized by tuff, lapilli-tuff, and massive polymictic breccia. These rocks exhibit clinopyroxene, amphibole, and plagioclase phenocrysts in a microlytic or trachytic groundmass. The clinopyroxene is augite with subordinate diopside, and reveals chemical variations typical of minerals generated by arc-related magmatism. The amphibole is magnesiohastingsite, has oscillatory oxidizing conditions, and reveals breakdown rim textures linked to degassing during magma ascent. The Santa Rosa Formation has polyphase evolution controlled by large NE-SW crustal fissures, materialized by rhyolitic and dacitic lava flow facies. Volcaniclastic facies of ignimbrites, lapilli-tuffs, felsic crystal tuffs, and massive polymict breccias represents an explosive cycle in this unit. Metric dikes and stocks of granitic porphyries and equigranular granitoids complete this suite. K-feldspar, plagioclase, and quartz phenocrysts surrounded by quartz and K-feldspar integrowth occur in these rocks. Electron microprobe pressure and temperature estimates in clinopyroxene phenocrysts reveal formation depth between 58 and 17.5 km (17.5 - 4.5 kbar) at temperatures between 1,249 and 1,082 ºC; and between 28 and 15 km (7.8 - 4.1 kbar) for amphibole grains of the Sobreiro Formation, suggesting polybaric evolution. A model with generation of hydrated basaltic magma from partial melting of mantle wedge and accumulation in a hot zone of the lower crust, from which the andesitic and dacitic magmas are formed by the assimilation of continental crust and following fractional crystallization is proposed.
Keywords: Geocronologia
Química mineral
Petrogênese
Anfibólio
Feldspato
Clinopiroxênio
Formação Sobreiro
Formação Santa Rosa
São Félix do Xingu - PA
Pará - Estado
Amazônia brasileira
ISSN: 1519-874X
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Artigos Científicos - IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Artigo_QuimicaMineralVulcano.pdf17,47 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons