Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/7223
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
Issue Date: Mar-2016
metadata.dc.creator: MILHOMEM FILHO, Edem Oliveira
OLIVEIRA, Claudia Simone Baltazar de
SILVEIRA, Luiz Carlos de Lima
CRUZ, Thiago Matos
SOUZA, Givago da Silva
COSTA JUNIOR, José Maria Farah
PINHEIRO, Maria da Conceição Nascimento
Title: A ingestão de pescado e as concentrações de mercúrio em famílias de pescadores de Imperatriz (MA)
Other Titles: The intake of fish and the mercury concentration of fishing families at the city of Imperatriz (MA), Brazil
Citation: MILHOMEM FILHO, Edem Oliveira et al. A ingestão de pescado e as concentrações de mercúrio em famílias de pescadores de Imperatriz (MA). Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 14-25, jan./mar. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v19n1/1980-5497-rbepid-19-01-00014.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2017. <http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600010002>.
metadata.dc.description.resumo: Introdução: Níveis importantes de exposição ao mercúrio associados à ingestão de pescado têm sido demonstrados em populações ribeirinhas residentes em áreas de exploração mineral, como na bacia do Tapajós e do Madeira. Na região do Tocantins, apesar de poucos estudos, não há evidência de exposição humana através da alimentação. Objetivo: Avaliar os níveis de exposição ao mercúrio em famílias de pescadores residentes em área ribeirinha do médio Tocantins, além de quantificar os níveis no pescado consumido por essas famílias. Método: Realizou‑se um estudo transversal envolvendo famílias de pescadores da comunidade Beira Rio, localizada às margens do Rio Tocantins no município de Imperatriz, Maranhão. Foram coletados dados de perfil sociodemográfico e alimentar, além de amostras de pescado e de cabelo, que foram analisadas através da espectrofotometria de absorção atômica. Resultados: O perfil sociodemográfico foi comum ao da população ribeirinha situada em outras bacias. O perfil alimentar não fugiu à regra do padrão, sendo o pescado a principal fonte de proteína da dieta. As espécies de hábitos piscívoro e zooplâncton apresentaram as maiores concentrações de mercúrio, sendo os valores médios do peixe‑cachorro 0,2775 µg/g e do mapará 0,1360 µg/g. Dentre as 25 famílias avaliadas, a menor concentração média total/família foi 0,186 ± 0,043 µg/g e a maior foi 5,477 ± 2,896 µg/g. Conclusão: Famílias de Imperatriz possuem baixos níveis de exposição em virtude do consumo alimentar de peixes com baixos níveis de contaminação, incluindo as espécies piscívoras, que se encontravam abaixo do limite máximo de segurança para consumo humano estabelecido pelas normas brasileiras, servindo de referência para outros estudos.
Abstract: Introduction: Significant levels of mercury exposure associated with fish intake have been demonstrated in riverine populations living in areas of mineral exploration as the basin of Tapajós and Madeira. In the Tocantins region, although few studies, there is no evidence of human exposure through food. Objective: To assess the levels of exposure to mercury in resident fishermen families in the riverside area of the middle Tocantins and to quantify the levels in fish consumed by these families. Methods: We conducted a cross‑sectional study involving families of Beira Rio community fishermen, located on the Tocantins riverbanks in the city of Imperatriz, Maranhão. Brazil. Data were collected from socio‑demographic and food profile, as well as samples of fish and hair, which were analyzed by atomic absorption spectrophotometry. Results: The socio‑demographic profile of families studied was common to the local population located in other basins. The food profile did not run the default rule, with the fish being the primary dietary protein source. The species of piscivorous and zooplancton habits had the highest mercury concentrations, and the mean values were 0.2775 µg/g in fish‑dog and 0.1360 µg/g in mapará. Among the 25 families evaluated, the lowest average concentration of family was 0.186 ± 0.043 µg/g and the higher was 5.477 ± 2.896 µg/g. Conclusion: Fishing families have low mercury exposure levels in the same order of magnitude, probably because of the food consumption of fish, including piscivorous species, which were found to be below the safe upper limit for human consumption established by Brazilian standards. This serves as a reference for other studies.
Keywords: Mercúrio
Intoxicação por mercúrio
Pescadores
Poluição ambiental
Series/Report no.: Revista Brasileira de Epidemiologia
ISSN: 1980-5497
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Artigos Científicos - NMT

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Artigo_IngestaoPescadoConcentracoes.pdf251,54 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons