Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/7230
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorDIAS, Joel Santos-
dc.date.accessioned2017-01-06T14:36:54Z-
dc.date.available2017-01-06T14:36:54Z-
dc.date.issued2016-08-15-
dc.identifier.citationDIAS, Joel Santos. “Confuso e intrincado labirinto”. fronteira, território e poder na ilha grande de joanes (séculos XVII e XVIII). 2016. 622 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2016. Programa de Pós-Graduação em História.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/7230-
dc.description.abstractMarajó island or ilha Grande de Joanes had important role in the process of colonization of the Amazon. Its geographical position was considered strategic to ensure the safety and the supply of land located on the northern border, in addition to contributing directly and indirectly in the expansion of the border with the Spanish limits. Similarly, prominent role in the provision of genres and cattle to supply neighbouring areas, in particular, the State capital. The labor quota available was significant and removed for a long time the needs of the residents of the Crown itself, due to intense missionary activity developed with the Indians of that archipelago. In the period, the ancient villages Pombaline became towns and the indigenous peoples who lived there have been inserted in a new working relationship directed to ensure the continuity of its role. The resistance of the Indians of Brazil and its constant movement on the border.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectColonizaçãopt_BR
dc.subjectCivilizaçãopt_BR
dc.subjectÍndios da América do Sulpt_BR
dc.subjectGeomorfologiapt_BR
dc.subjectIlha de Marajó - PApt_BR
dc.subjectPará - Estadopt_BR
dc.title“Confuso e intrincado labirinto”: fronteira, território e poder na Ilha Grande de Joanes (séculos XVII e XVIII)pt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Filosofia e Ciências Humanaspt_BR
dc.publisher.initialsUFPApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIApt_BR
dc.contributor.advisor1CHAMBOULEYRON, Rafael Ivan-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7906172621582952pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/8486302943216985pt_BR
dc.description.resumoA ilha do Marajó ou ilha Grande de Joanes teve papel importante no processo de colonização da Amazônia portuguesa. Sua posição geográfica foi considerada estratégica para garantir a segurança e o abastecimento das terras localizadas na fronteira norte, além de contribuir direta e indiretamente na expansão da fronteira com os limites espanhóis. Da mesma forma, teve papel destacado no fornecimento de gêneros e de gado para abastecer as áreas vizinhas, sobretudo, a capital do Estado. O contingente de mão de obra disponível era significativo e supriu por um bom tempo as necessidades dos moradores de da própria Coroa, devido a intensa atividade missionária desenvolvida com os índios daquele arquipélago. No período pombalino, os antigos aldeamentos se converteram em vilas e as populações indígenas que ali viviam passaram a ser inserida numa nova relação de trabalho direcionada a garantir a continuidade de seu papel. A resistência dos índios do Marajó e sua constante movimentação na fronteira com o território francês foram sistematicamente contidas pelas autoridades portuguesas em diferentes momentos de tensão com os franceses da Guiana.pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Históriapt_BR
Appears in Collections:Teses em História (Doutorado) - PPHIST/IFCH

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_ConfusoIntrigadoLabirinto.pdf8,96 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons