Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/7662
Compartilhar:
Type: Tese
Issue Date: 7-May-1993
Authors: GALINDO, Antonio Carlos
First Advisor: DALL'AGNOL, Roberto
First Co-Advisor: MCREATH, Ian
Title: Petrologia dos granitóides brasilianos da região de Caraúbas-Umarizal, oeste do Rio Grande do Norte
Sponsor: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos
Citation: GALINDO, Antonio Carlos. Petrologia dos granitóides brasilianos da região de Caraúbas-Umarizal, oeste do Rio Grande do Norte. Orientador: Roberto Dall'Agnol. 1993. 319 f. Tese (Doutorado em Geologia e Geoquímica) - Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 1993. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/7662. Acesso em:.
Resumo: O mapeamento da área de Caraúbas-Umarizal, no oeste do Rio Grande do Norte, levou à identificação de seis grandes corpos granitóides relacionados ao Ciclo Brasiliano: granitóides Umarizal, Tourão, Caraúbas, Prado, Complexo Serra do Lima e Quixaba. Todos os granitóides, à exceção do Granitóide Umarizal, encontram-se deformados, exibindo uma foliação de "trend" dominantemente NE, com mergulhos principalmente para SE. Este "fabric" reflete a tectônica brasiliana principal. A deformação frágil-ductil é representada por fraturas, falhas e zonas de cisalhamento, que são as feições estruturais mais marcantes da área. Dentre esses cisalhamentos destaca-se a Zona de Cisalhamento Portalegre-ZCP, com mais de 200 km de extensão e até 2 km de largura. A colocação desses granitóides foi condicionada e em grande parte controlada pelas zonas de cisalhamento. A presença constante de estruturas do tipo "brechas magmáticas" no Granitóide Umarizal sugere que o mesmo intrudiu urna crosta já fria. Para o Granitóide Tourão e tipos similares admite-se uma colocação por diapirismo seguido de baloneamento. O Granitóide Umarizal é dominado por rochas de textura grossa e de composição quartzo-monzonitica a quartzo-sienitica, com biotita, anfibólio e clinopiroxênio em proporções variáveis, acompanhados por faialita e mais raramente ortopiroxênio. O Granitóide Quixaba é de textura grossa a muito grossa, com composição dominantemente quartzo-monzodioritica e quartzo-monzonítica. Os granitóides Tourão, Caraúbas, Prado e Complexo Serra do Lima apresentam uma grande identidade entre si. São representados dominantemente por monzogranitos porfiríticos com megacristais de feldspato potássico de até 6 cm e, subordinadamente, por leuco-microgranitos. Ao Granitóide Prado associa-se urna fácies de natureza dioritica, a qual ocorre principalmente como encraves nos granitos. Geoquimicamente esses seis granitóides se agrupam em quatro grandes familias: Granitóide Quixaba, Associação Dioritica do Prado, Granitóide Umarizal e o conjunto dos granitóides Tourão, Caraúbas, Prado (fácies granítica) e Complexo Serra do Lima. Os dois primeiros apresentam baixa sílica e urna assinatura geoquímica similar à de rochas shoshoníticas plutônicas, porém são de caráter relativamente mais alcalino do que o normal para esse tipo de associação. Os demais possuem sílica intermediária a alta. O granitóide Umarizal é de afinidade alcalina com muitas características de granitos do tipo-A. Os demais granitóides mostram assinatura geoquímica similar a rochas das associações subalcalinas ácidas. Datações geocronológicas pelo método Rb-Sr em rocha total indicam que, dentre os granitóides brasilianos os granitóides Caraúbas e Prado (630 ± 23 Ma) são os mais antigos da área, seguidos pelos granitóides Tourão e o Complexo Serra do Lima (600 + 7 - 575 ± 15 Ma) e, finalmente, pelo Granitóide Umarizal (545 + 7 Ma). As razões isotópicas iniciais 87Sr/86Sr são superiores a 0,708, indicando uma fonte dominantemente crustal para os magmas desses granitóides. O Granitóide Quixaba e a associação diorítica do Prado mostram características geoquímicas de fonte mantélica. Com base na presenca de clinopiroxênio e faialita no Granitóide Umarizal e de clivo e ortopiroxênio no Granitóide Quixaba, estima-se que o inicio da cristalização desses dois granitóides deu-se em temperaturas próximas de 900 °C, sendo as pressões provavelmente da ordem de 8 a 9 kbar. As condições de fugacidade de oxigênio durante a cristalização foram relativamente baixas, sendo controladas no caso do Granitóide Umarizal pelo tampão FMQ, e possivelmente também para o caso Granitóide Quixaba. Admite-se que o magma gerador do Granitóide Umarizal seria derivado da fusão de rochas de composição mangerítica, ao passo que os magmas formadores do granitóides Tourão, Caraúbas, Prado e Complexo Serra do Lima, proviriam de uma fonte monzonítica. Cristalização fracionada foi o processo dominante na evolução dos magmas desses diversos granitóides. O Granitóide Umarizal encontra um único tipo similar descrito na Província Borborema, que é o Granito Meruoca, no Ceará, que também apresenta uma fácies com faialita, porém há diferencas significativas em termos petrográficos e geoquímicos entre ambos. Associações shoshoníticas plutônicas são descritas com freqüência no âmbito dessa província, porém composicionalmente elas são distintas do Granitóide Quixaba. Os granitóides Tourão, Caraúbas, Prado e Complexo Serra do Lima, encontram similares amplamente distribuídos na Província Borborema, constituindo-se nos tipos mais freqüentes de granitóides brasilianos.
Abstract: Six major granitoid plutons were mapped in the Caraúbas-Umarizal area, in the West of Rio Grande do Norte State, Northeast Brazil. These are the Umarizal, Tourão, Caraúbas, Prado , Complexo Serra do Lima e Quixaba plutons. Excepting the Umarizal granitoid, all plutons were deformed during the Brasiliano Cycle, displaying a NE-trending foliation dipping mostly to SE. This fabric is related to the main Brasiliano tectonic episode. Brittle-ductile deformation is represented by fractures, faults and shear zones, which are common features of the area. The Portalegre shear zone (ZCP) is an prominent structure with more than 200 km long and up to 2 km wide. The emplacement of most of these granitoids was largely controlled by shear zones. The common occurrence of magmatic breccia structures in the Umarizal granitoid suggest its intrusion into relatively cool crust. Regarding the Tourão granitoid and similar plutons, it is envisaged an emplacement by diapirism followed by ballooning. The Umarizal granitoid is dominated by rocks with quartz monzonite and quartz syenite composition and coarse-grained textures, with biotite, amphibole, and clinopyroxene ± fayalite in variable proportions, and rare orthopyroxene. The Quixaba granitoid has a coarse to very coarse texture and quartz monzodiorite to quartz monzonite compositions. The Tourão, Caraúbas and Prado granitoids and the Serra do Lima complex closely resemble each other. They are dominantly represented by porphyritic monzogranites with subordinate occurrences of leuco-microgranites. The Prado granitoid has an associated diorite facies, which occurs mainly as enclaves in the granites. From the geochemical point of view these granites fali into four families: the Quixaba granitoid, the Prado diorite association, the Umarizal granitoid and the whole group of the Tourão, Caraúbas, Prado (grafite facies) and Serra do Lima complex granitoids. The first two present low silica and a geochemical signature of shoshonitic plutonic rocks, though they are more alkaline than is usual in this kind of association. The latter (Umarizal, Tourão, Caraúbas, Prado e Complexo Serra do Lima) display intermediate to high silica. The Umarizal granitoid has alkaline affnnities and several characteristics of A-type gravites. The remaining type display geochemical signature of subalkaline acid associations. Rb-Sr whole-rock dating show that the Caraúbas and Prado granitoid (630 23 Ma) are the oldest in the area, being followed by the Tourão granitoid and Serra do Lima complex (600 + 7 - 575 ± 15 Ma), and finally by the Umarizal granitoid (the youngest at 545 ± 7 Ma). Initial 87Sr/86Sr rations above 0,708 point to a dominantly crustal source for these magmas. The Quixaba granitoid and the Prado diorite association display geochemical features of a mantle source. Considering the presence of pyroxene and fayalite in the Umarizal granitoid and of clino-and orthopyroxene in the Quixaba granitoid, it is estimated that crystallization of these granitoids began at temperatures around 900 °C and pressures between 8 to 9 kbars. During crystallization, conditions of low oxygen fugacities prevailed in the near FMQ buffer. In the case of Umarizal granitoid the oxygen fugacites was controlled by the FMQ buffer and possibly also for the Quixaba one. Concerning the Umarizal granitoid, melting of rocks with mangeritic composition is assumed to generate its parent magma, while the magmas which formed the Tourão, Caraúbas, Prado (gravite facies) and Serra do Lima complex granitoids probably originated by melting of a monzonitic source. Fractional crystallization was the dominant process in the evolution of the magmas of these granitoids. The Meruoca gravite in Ceará State also displays a fayalite-bearing facies and is the only granitoid described up to now in the Borborema Province that lias analogies wíth the Umarizal grafite. Nevertheless they differ in some petrographical and geochemical aspects. Plutonic shoshonitic associations have been frequently described in this province, but they are compositionally distinct from the Quixaba granitoid. The Tourão, Caraúbas, Prado (gravite facies) and Serra do Lima complex granitoids are similar to a large number of plutons throughout the Borborema Province, representing the most common types of Brasiliano-age granitoids.
Keywords: Geologia regional
Petrologia
Granitóides
Região de Caraúbas-Umarizal
Rio Grande do Norte, Oeste
CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::PETROLOGIA
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
Institution Acronym: UFPA
Department: Instituto de Geociências
Program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
Appears in Collections:Teses em Geologia e Geoquímica (Doutorado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_PetrologiaGranitoidesBrasilianos.pdf65,56 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons