Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/7922
Tipo: Dissertação
Data do documento: 11-Mar-2015
Autor(es): MOREIRA, Alex Santos
Primeiro(a) Orientador(a): FURTADO, Marli Tereza
Título: A crítica literária aos romances “Chove nos Campos de cachoeira”, “Marajó” e “Três casas e um rio” na imprensa do Rio de Janeiro
Agência de fomento: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Citar como: MOREIRA, Alex Santos. A crítica literária aos romances “Chove nos Campos de cachoeira”, “Marajó” e “Três casas e um rio” na imprensa do Rio de Janeiro. 2015. 194 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Letras e Comunicação, Belém, 2015. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Resumo: Desprestigiada como modelo crítico, a crítica impressionista até a primeira metade do século XX dominou no Brasil o debate literário e sua atuação era hegemônica nos jornais, em revistas, semanários e suplementos literários. Sabe-se ainda que, durante muito tempo, ela foi a principal fonte de orientação dos leitores, revelando chaves de leitura, clareando enredos, interpretando personagens e além de tudo isso era também o ligamento vivo responsável pelo vínculo da obra com o leitor e da literatura com a vida cotidiana. Diante disso, este trabalho estuda as críticas literárias publicadas na imprensa da cidade do Rio de Janeiro acerca dos três primeiros romances do escritor paraense Dalcídio Jurandir (1909-1979). Mostraremos como as obras Chove nos Campos de Cachoeira (1941), Marajó (1947) e Três Casas e um Rio (1958), no seu contexto imediato de publicação, foram lidas pela crítica considerada impressionista. Com isso, pretendemos reconhecer como foram consolidados os sentidos acerca desses livros, elucidar os procedimentos críticos dos primeiros avaliadores de Dalcídio Jurandir e levantar hipóteses novas que auxiliem as novas leituras desses romances a irem além do que está posto pelo atual sistema crítico.
Abstract: Discredited as a critical model, impressionistic criticism until the first half of the twentieth century dominated the literary debate in Brazil and its performance was hegemonic in the literary supplements of newspapers, magazines and weeklies. It is known that for a long time, it was the main source of readers’ guidance, revealing reading keys, clearing plots, playing characters and most of all it was also the living bond responsible for the link between the work and the reader and between literature and everyday life. Thus, this paper studies the literary criticism in the press of the city of Rio de Janeiro on the first three novels of Pará Dalcídio Jurandir writer (1909-1979). Show how Chove nos Campos de Cachoeira (1941), Marajó (1947) and Três Casas e um Rio (1958), in its immediate context of publication, were read by critics considered Impressionist. We intend to recognize how consolidated the meanings of these books, elucidate the critical procedures of the first assessors Dalcídio Jurandir and raise new hypotheses that help the new readings of these novels to go beyond what is laid by the current critical system.
Palavras-chave: Jurandir, Dalcídio, 1909-1979. Chove nos Campos de Cachoeira - Crítica e interpretação
Jurandir, Dalcídio, 1909-1979. Marajó - Crítica e interpretação
Jurandir, Dalcídio, 1909-1979. Três casas e um rio - Crítica e interpretação
Crítica literária
Imprensa
Ficção brasileira
Literatura brasileira
Ficção paraense
Escritor paraense
Leitor
Leitura
Rio de Janeiro - Estado
CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Pará
Sigla da Instituição: UFPA
Instituto: Instituto de Letras e Comunicação
Programa: Programa de Pós-Graduação em Letras
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Aparece nas coleções:Dissertações em Letras (Mestrado) - PPGL/ILC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_CriticaLiterariaRomances.pdf2,23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons