Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/8053
Tipo: Dissertação
Data do documento: 5-Set-2016
Autor(es): MOTA, Amanda Sodré
Primeiro(a) Orientador(a): BASTOS, Gilmara de Nazareth Tavares
Primeiro(a) coorientador(a): MAIA, Cristiane do Socorro Ferraz
Título: Poderia um óleo atuar como analgésico opioide? oléo de Plukenetia polyadenia: elucidação do mecanismo de ação
Agência de fomento: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Citar como: MOTA, Amanda Sodré. Poderia um óleo atuar como analgésico opioide? oléo de Plukenetia polyadenia: elucidação do mecanismo de ação. 2015. 74 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Biológicas, Belém, 2015. Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular.
Resumo: O óleo de semente de Pukenetia polyadenia (Pp-óleo) é usado pelos povos amazônicos para artrite e reumatismo, espalhando-o nos braços e pernas. Baseando-se no conhecimento etnofarmacológico, procuramos investigar o mecanismo de ação do Pp-óleo Materiais e métodos: O Pp-óleo foi obtido por prensagem e avaliado em sua atividade antinociceptiva em modelos de nocicepção (contorção abdominal induzida por ácido acético, placa quente e teste de formalina) em camundongos. A elucidação do mecanismo de ação foi feita a partir do modelo de contorção por ácido acético e adição de antagonistas do sistema opioide juntamente com drogas não seletivas para COX , nesse caso o AAS, e drogas seletivas para COX-2 sendo assim, utilizado o Celecoxibe. Também foram utilizados ensaios neurocomportamentais responsáveis pela avaliação de possíveis danos ao sistema locomotor, os quais foram escolhidos o modelo de campo aberto, rotarod e pole teste. Resultados: Pp-óleo demonstrou um efeito antinociceptivo dependente de dose significativamente relevante (p <0,05) na estimulação química provocada pelo ácido acético no teste de contorção abdominal. No entanto, o resultado do teste da placa quente e da primeira fase da formalina não foram significativos (p> 0,05), sugerindo que Pp-óleo tem uma atividade analgésica, a qual é de origem periférica putativo. Para validar essa afirmação foram realizados testes neurocomportamentais de avaliação do sistema central. Os quais os resultados mostram-se não significativos nos três testes aplicados confirmando que Pp-óleo não age na via central. Além disso, nos testes de elucidação do mecanismo de ação, a antinocicepção foi revertida pela naloxona. Conclusão: Pp-óleo mostrou ter propriedades analgésicas. Além disso, os resultados sugerem que receptors opioides estejam envolvidos na sua ação antinociceptiva e que estejam agindo por uma via periférica.
Abstract: The seed oil of Plukenetia polyadenia (Pp-oil) is used by the Amazon people against arthritis and rheumatism, spreading it in the arms and legs. The fatty acid composition, antinociceptive effect and toxicity of Pp-oil were investigated. Materials and methods: The Pp-oil was obtained by pressing and its antinociceptive activity was analyzed in models of nociception (acetic acid-induced abdominal writhing, hot plate and formalin tests) in mice and also mechanism of action was determined using acetic acid- indiced abdominal writing, open field, pole test and rotarod. Results: Pp-oil demonstrated a significant dose dependent antinociceptive effect (p< 0.05) in the chemical stimulation and at the second phase of formalin. However, the result from the hot plate test, open field, pole test and rotarod were not significant (p> 0.05), suggesting that Pp-oil has an analgesic activity, which is putative of peripheral origin. In the writhing test, the oil dosed at 25, 50 and 100 mg/kg reduced the abdominal writhes in a significant manner. In the hot plate test, the oil dosed at 200 mg/kg did not induced alterations in the latency time when compared to the control. At the dose of 100 mg/kg it did not show any difference in motor system proving that Pp-oil does not have any influence at central nervous system. In the formalin test, the oil dosed at 50 and 100 mg/kg reduced in a significant manner the second phase of the algic stimulus. Pp-oil at 100mg/kg did not show any alterations in motor system when analyzed with open field, pole test and rotarod (p>0,05), which corroborates with previous results that affirm Pp-oil has no participation in central nervous system. In addition, its antinociception was reversed by naloxone in evaluation of the mechanism of action. Conclusion: Pp-oil proved to have analgesic properties. Moreover, the results concerning mechanism suggest that opiod receptors are involved in the antinociceptive action of the Pp-oil using a peripheral pathway.
Palavras-chave: Analgésicos opioides
Plukenetia polyadenia
Euphorbiaceae
Ácidos graxos
Ácido linoleico
Toxicidade
Atividade antinociceptiva
Neurocomportamento
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FARMACOLOGIA
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Pará
Sigla da Instituição: UFPA
Instituto: Instituto de Ciências Biológicas
Programa: Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Aparece nas coleções:Dissertações em Neurociências e Biologia Celular (Mestrado) - PPGNBC/ICB

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_PoderiaOleoAtuar.pdf8,65 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons