Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/8176
metadata.dc.type: Tese
Issue Date: 27-Feb-2003
metadata.dc.creator: FRANÇA, Carmena Ferreira de
metadata.dc.contributor.advisor1: EL-ROBRINI, Maâmar
metadata.dc.contributor.advisor-co1: SOUZA FILHO, Pedro Walfir Martins e
Title: Morfologia e mudanças costeiras da margem leste da Ilha de Marajó - (PA)
Citation: FRANÇA, Carmena Ferreira de. Morfologia e mudanças costeiras da margem leste da Ilha de Marajó - (PA). Orientador: Maâmar El-Robrini. 2003. 144 f. Tese (Doutorado em Geologia e Geoquímica) - Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2003. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/8176. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A margem leste da Ilha de Marajó (Estado do Pará) apresenta uma diversidade de feições morfológicas, resultantes das oscilações relativas do nível do mar, da neotectônica e da dinâmica costeira, durante o Cenozóico Superior. As variações do nível do mar, do Mioceno ao Holoceno, controlaram a deposição da Formação Barreiras e dos sedimentos Pós-Barreiras, que formam o planalto costeiro, e dos ambientes sedimentares que constituem a atual planície costeira. As estruturas neotectônicas regionais, representadas pelos sistemas de falhas transcorrentes NE-SW e de falhas normais NW-SE, influenciam, em nível local, a distribuição das unidades de relevo e o traçado retilíneo ou anguloso dos principais cursos fluviais e da linha de costa. A compartimentação do relevo costeiro mostra duas principais unidades: o planalto e a planície costeira. O planalto costeiro representa um relevo aplainado com suaves ondulações e cotas topográficas entre 5 e 15 m. O contato com a planície costeira é abrupto, formando falésias “mortas” e ativas. A planície costeira constitui um relevo plano e de baixo gradiente, com cotas abaixo de 5 m, o que favorece as inundações pela maré e a mobilidade sedimentar. As mudanças costeiras de longo período, relativas aos últimos 5.000 anos, resultaram na progradação da linha de costa, sob condições regressivas ou de mar estável, durante o Holoceno, com o desenvolvimento de planícies de maré e manguezais, e posterior retrogradação com migração de cordões de praias e dunas sobre depóstitos de maguezal. As sucessões estratigráficas Progradacional e Retrogradacional da planície costeira de Soure, são condizentes com a Sucessão Regressiva ou de Mar Estável (S2) e com a Sucessão Transgressiva Atual (S3), do modelo evolutivo proposto para as planícies costeiras de Bragança, Salinópolis, Marapanim e São João de Pirabas. A dinâmica costeira de médio período (1986/2001) é representada por mudanças morfológicas, resultantes da ação interativa de processos gerados por ondas, correntes, marés e ventos, que acarretaram a variação na posição da linha de costa. A costa de Soure e Salvaterra esteve submetida, nos últimos 15 anos, ao predomínio de processos erosionais, caracterizados pela retrogradação da linha de costa. O total de áreas erodidas variou de 0,89 km2 (1986/1995), para 0,38 km2 (1995/1999) e 0,75 km2 (1999/2001). Enquanto que as áreas em progradação somaram 0,21 km2 (1986/1995), 0,32 km2 (1995/1999) e 0,08 km2 (1999/2001). As mudanças costeiras de curto período envolvem a variabilidade morfológica e granulométrica dos perfis topográficos praiais de Soure e Salvaterra, entre os períodos chuvoso e o seco, monitorados em 2001. As mudanças sazonais representam uma resposta dos perfis praiais às variações de amplitude das marés, de energia das ondas, correntes de maré e ventos, à disponibilidade de sedimentos, à compartimentação e ao gradiente costeiro. Em Soure, a fase erosiva (fevereiro e abril, período chuvoso e de maiores sizígias da região), mostrou: retração da linha de maré alta (21 m), diminuição da pós-praia (13 m), deslocamento paralelo das zonas de estirâncio, perda sedimentar, aumento granulométrico (2,81 a 2,94 ϕ, areia fina), e melhoria da seleção (0,24 a 0,33, muito bem selecionado). A fase acrecional (julho a novembro, período seco e de ventos mais fortes), apresentou: extensão da linha de maré alta (82 m), alargamento da pós-praia (48 m), ganho sedimentar (+339,25 m3), diminuição granulométrica (2,86 a 3,10 ϕ, areia fina a muito fina) e piora da seleção (0,28 a 0,40, muito bem a bem selecionado). Em Salvaterra, a fase acrecional (fevereiro e abril) mostrou: extensão da linha de maré alta (29 m), alargamento da pós-praia (13 m) e aumento do volume praial. No perfil 1, houve aumento granulométrico (0,84 ϕ, areia grossa) e piora da seleção (0,51, moderadamente selecionado). No perfil 2, ocorreu afinamento do grão (1,49 ϕ, areia média) e melhora da seleção (0,44, bem selecionado). A fase erosiva (julho e novembro) mostrou: retração da linha de maré alta (25 m), diminuição da pós-praia (8 m), perda sedimentar (-22,67 m3), troca de material entre a parte superior e inferior dos perfis, afinamento do grão (1,39 ϕ, areia média) e piora da seleção (0,52, moderadamente selecionado). A vulnerabilidade da zona costeira aos riscos naturais decorre do predomínio dos processos erosivos, nos últimos 15 anos. O zoneamento geoambiental resultou da integração dos dados morfológicos com a análise dos geoindicadores de mudanças costeiras e dos níveis de interferência antrópica. Apresenta a seguinte classificação: áreas de preservação permanente (manguezais, praias e dunas), áreas adequadas à ocupação (planalto costeiro), áreas de risco à ocupação (margens de falésias) e áreas de degradação ambiental (manguezais desmatados, restingas e pós-praias ocupadas). As recomendações de preservação, uso e ocupação futura da costa devem subsidiar o planejamento e o gerenciamento costeiro. O uso do sensoriamento remoto e do Sistema de Informação Geográfica, nas várias etapas de desenvolvimento da tese, representaram importantes ferramentas de levantamento de dados, de análise espacial e de síntese, de compreensão da distribuição e das características do relevo costeiro, de monitoramento e quantificação das mudanças e do mapeamento temático, sendo de larga aplicabilidade nos estudos costeiros.
Abstract: The eastside of the Marajó Island (Pará State) shows a diversity of morphological features produced by sea level changes, neotectonic and coast dynamics, during Late Cenozoic. The sea level changes, from Miocene to Holocene, controled the deposition of Barreiras Formation and Pós-Barreiras Sediments that form the coastal upland. The framework neotectonic structures controll the NE-SW strip-slipe fault systems and NW-SE normal faults, influencing the distribution of relief units and the fluvial and shoreline morphology. The coastal morphology shows two main units: coastal upland and coastal plain. Coastal upland represents a flated relief with low ondulations and elevations between 5 and 15 meters. The contact with the coastal plain is abrupt, forming “dead” and active cliffs. The coastal plain has a flat relief with low gradients, with portions below 5 meters in hight, which favors sea inundations and the sedimentary dynamic. Long term coastal changes, during the last 5.000 years, resulted in shoreline accretion in response to regressive or stable sea level conditions, with the development of tide flats and mangroves, with migration of barrier-beaches and dunes over mangrove deposits. The accretional and regressive successions of the Soure coastal plain is agreeable to the regressional succession (S2) and transgressive succession (S3) as proposed to coastal plains of Bragança, Salinópolis, Marapanim and São João de Pirabas. The medium term coastal dynamic (1986/2001) is represented by morphological changes in response to interactive action of wave, current, tide and wind process, which has produced changes in the shoreline position. Soure and Salvaterra coast has been submited, in the last 15 years, to erosional processes characterized by shoreline retreat. The total of erosioned lands reached from 0.89 km2 (1986/1995), to 0.38 km2 (1995/1999) and 0.75 km2 (1999/2001). While the accretional areas represent a total of 0.21 km2 (1986/1995), 0.32 km2 (1995/1999) and 0.08 km2 (1999/2001). The short term coastal changes involve the morphological and textural variability from beach topographic profiles in the rain and dry periods seazon in 2001. The seasonal changes are reflected in answer from the beach profiles in respose to variations of tides, ranges of currents, wave energy, availability of sediments and coastal morphology. In Soure, the erosional phase (february to april rainy period with highest tidal range) when it is possible to observe the shoreline retreat (21 m), backshore reduction (13 m), parallel dislocation of foreshore, sedimentary loses, granulometric coarsing (2.81 to 2.94 ϕ, thin sand)) and better selection (0.24 to 0.33, very well selected). The accretionary phase (july to nevember, dry period with stronger winds) showed: hight tide line extension (82 m), backshore enlargement (48 m), sedimentary gain (+339.25 m3), granulometric finning (2.86 a 3.10 ϕ, thin to very thin sand) and worse selection (0.28 to 0.40, very well to well selected). In Salvaterra, the accretional phase (february to april) showed high tide line extension (29 m), backshore enlargement (13 m) and raise of beach volume. In profile 1, there was a granulometric coarsing (0.84 ϕ, thick sand) and worse selection (0.51, moderatelly selected). In profile 2, the grain became thinner (1.49 f medium sand) and better selection (0.44 well selected). The erosional phase (july to november) showed high tide line retreat (25 m), diminution backshore (8 m), sedimentary loses (-22.69 m3), exchange of material between the higher amd lower part of the profiles, the grain became thinner (1.39 ϕ medium sand) and worse selection (0.52 moderatelly selected). The vulnerability of the coast zone to natural risks occur in response to erosive processes in the last 15 years. The environmental zonement resulted in an integration of morphological dates with analysis of coastal changes geoindicators and human interference levels. Different sectors of the coastal zone were classified in : permanent preservation areas (mangroves, beaches and dunes), adequated to occupation areas (coastal upland), areas with risk to occupation (cliff sides) and environmental damage areas (deforested mangroves, beach-dune ridges occupied). The recomendations of preservation, use and future occupation from the coast should subsidize the planning and coastal management. The use of remote sensing and of Geographic Information System, in the several stages of this thesis development, represented important tools to data aquisitions, spatial analysis and synthesis, understanding of coastal relief distribution and caracteristics, observation and quantification of the changes, thematic mapping. Thus this information presents a large use in coastal studies.
Keywords: Geomorfologia
Sensoriamento remoto
Geologia estratigráfica
Manguezais
Dinâmica costeira
Ilha de Marajó - PA
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOMORFOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Geociências
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Teses em Geologia e Geoquímica (Doutorado) - PPGG/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_MorfologiaMudancasCosteiras.pdf12,32 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons