Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/8352
Tipo: doctoralThesis
Título: Distribuição espacial e temporal da comunidade de rotifera na usina hidrelétrica de Tucuruí-PA, Brasil
Autor(es): BEZERRA, Márcia Francineli da Cunha
Primeiro Orientador: OHASHI, Otávio Mitio
Primeiro coorientador: NAKAYAMA, Luiza
Resumo: O objetivo desta tese foi o estudo da variabilidade espacial e temporal da comunidade de rotíferos da Usina Hidrelétrica de Tucuruí-PA e o estado da arte da biodiversidade de rotíferos em reservatórios brasileiros. Para o estudo da variação espacial e temporal, foram filtrados 560 l de água, em uma rede de plâncton (60 μm), retirados do estrato 1 (superfície) e do 2 (oito metros), por meio de uma motobomba, em doze pontos distribuídos a montante (Zona Próxima a Barragem-ZPB e Zona de Transição-ZTR) e a jusante (Zona a Jusante), do reservatório, durante os períodos de maior (dez/11 e mar/12) e menor (set/11, jul/12 e set/12) precipitação de chuva. No primeiro período, foram realizadas coletas interanual e quadrimestrais, por meio de rede de plâncton (60 μm) na superfície da coluna d’água, em um total de 10 pontos amostrais, localizadas na zona limnética. No segundo, a coleta foi interanual e trimestrais, sendo realizada em diferentes estratos da coluna d’água (superfície-E1 e oito metros de profundidade-E2). As famílias Brachionidae, Lecanidae e Trichocercidae foram as mais representativas, em termos de frequência e abundância, nos dois períodos. As espécies Keratella americana e Rotariasp. foram consideradas espécies mais abundantes, principalmente na Zona Próxima a Barragem (ZPB) e na de Transição (ZTR), respectivamente, com um padrão de distribuição, provavelmente mais afetada pela pluviosidade. Variações sazonais foram observadas entre na abundância das espécies, destas a K. Americanae Rotaria sp. foram as que apresentaram maiores valores no período menos chuvoso e menores no mais chuvoso e outras ocorreram apenas em um dos períodos. No entanto, a correlação entre as abundâncias de espécies de rotíferos e variáveis limnológicas, durante o períodomais chuvoso, não foi significativa, mas foi no período mais chuvoso. Os altos valores dos eixos canônicos (Abundância de espécies de rotíferos vs variáveis limnológicas) foram influenciados pela transparência, condutividade e OD no E1, e pelo OD e pH no E2. Os maiores valores de diversidade foram apresentados na ZPB, no período mais chuvoso (mar/12) e na ZTR durante no menos chuvoso (set/12). A equitabilidade, entre as profundidades e entre as zonas, sugere menor variabilidade na abundância das espécies e maior riqueza. A composição, a abundância e a diversidade específica da comunidade de rotíferos da Usina Hidrelétrica de Tucuruí podem ser afetadas pelas variações morfométricas e limnológicas do local de coleta e pela pluviosidade. Para o Estado da Arte foram realizados levantamentos bibliográficos, artigos indexados, sobre a biodiversidade de rotíferos planctônicos, em reservatórios brasileiros. A maioria dos trabalhos aborda, principalmente, os temas: distribuição horizontal, composição e riqueza, seguidas de distribuição vertical, de densidade, de aspecto sazonal e temporal, de abundância relativa e de diversidade e equitabilidade. A maior parte dos reservatórios está localizada na região Sudeste, com a maior riqueza, contando o número total de espécies (incluindo as repetidas nos diferentes artigos) e na Nordeste, com menor número de reservatório e com a menor riqueza. A região Centro- Oeste apresentou a maior riqueza e a Nordeste a menor (apenas espécies e subespécies não repetidas). Percebe-se, portanto, que há um esforço cada vez maior dos autores das regiões Sudeste e Centro-Oeste na identificação ao menor nível taxonômico possível. As espécies Keratella americana e Conochilus unicornis foram as mais comuns em todas as regiões brasileiras, seguidas de K. lenzi, Polyarthra vulgaris, Brachionus falcatus e Filinia longiseta, consideradas cosmopolitas. Portanto, as espécies da comunidade de rotíferos se distribuem heterogeneamente e apresentam diferenças consideráveis em sua distribuição vertical e horizontal, nos ambiente do reservatório da UHE Tucuruí, podendo ser afetadas pelas variações morfométricas e limnológicas do local de coleta e pela pluviosidade. Portanto, os rotíferos possuem ampla distribuição em todas as regiões brasileiras, devendo-se à capacidade de habitarem variados cursos hídricos e de se dispersarem, por meio de ovos de resistência presos a diferentes organismos ou embarcações.
Agência de fomento: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Palavras-chave: Zooplâncton de água doce
Rotíferos
Densidade
Usinas hidrelétricas
Usina Hidrelétrica de Tucuruí - PA
Rio Tocantins - PA
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ZOOLOGIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Pará
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Universidade Federal Rural da Amazônia
Sigla da Instituição: UFPA
EMBRAPA
UFRA
Instituto: Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural
Programa: Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal
Citação: BEZERRA, Márcia Francineli da Cunha. Distribuição espacial e temporal da comunidade de rotifera na usina hidrelétrica de Tucuruí-PA, Brasil. 2015. 103 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, 2015. Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/8352
Data do documento: 2015
Aparece nas coleções:Teses em Ciência Animal (Doutorado) - PPGCAN/NCADR

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_DistribuicaoEspacialTemporal.pdf1,76 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons

Ferramentas do administrador