Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/8755
Compartilhar:
Type: Dissertação
Issue Date: 3-Oct-2016
Authors: SARMENTO, Rosana Moura
First Advisor: DOLABELA, Maria Fâni
First Co-Advisor: SILVA, Jaqueline Rodrigues da
Title: Efeitos citoprotetor e citotóxico de Annona glabra (Annonaceae)
Sponsor: CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Citation: SARMENTO, Rosana Moura. Efeitos citoprotetor e citotóxico de Annona glabra (Annonaceae). 2016. 103 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde, Belém, 2016. Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas.
Resumo: O presente estudo avaliou a o potencial citotóxico e citoprotetor de extrato etanólico obtido de cascas de Annona glabra, suas frações e substâncias isoladas. O pó obtido das cascas de A. glabra foi submetido a maceração com etanol por 7 dias, sendo a solução concentrada em rotaevaporador até resíduo. Com o extrato etanólico de A.glabra foi realizado a partição entre hexano:metanol aquoso (9:1). A Fração metanólica foi fracionada em coluna cromatográfica utilizando como fase estacionária Sephadex e fase móvel o metanol. A citotoxicidade do extrato etanólico e frações foi avaliada através do ensaio de viabilidade celular com o MTT (brometo de [3-(4,5-dimetiltiazol-2-il)-2,5-difeniltetrazólio]). A concentração citotóxica 50% (CI50) foi determinada por regressão linear. O extrato, frações e subfrações foram submetidas a análise em cromatografia em camada delgada (CCD), e reunidas de acordo com características semelhantes. Frações do extrato com CI50 ≤ 30 μg/mL e substância isolada com CI50 ≤ 4 μg/mL são considerados citotóxicos. As frações que apresentaram citotoxicidade moderada a baixa foram submetidas aos ensaios de indução de apoptose e fragmentação de DNA por citometria de fluxo. Também, estas amostras foram submetidas a avaliação de estresse oxidativo pelo método TEAC e DPPH. O extrato de A. glabra (rendimento de 8,39%) foi particionado obtendo-se a fração metanólica (rendimento de 88,14%) e fração hexânica (rendimento de 8,08%). O extrato etanólico, sua fração metanólica e rutina apresentaram baixa citotoxicidade (CI50=137,7; 139,4; > 200 μg/mL, respectivamente). Fração hexânica e subfrações 17 e 19 apresentaram citotoxicidade moderada não significativa (CI50= 45,07; 53,45; 80,65 μg/mL, respectivamente). Todas as amostras avaliadas não induziram células a apoptose, entretanto, extrato etanólico, fração hexânica e rutina promoveram alterações na morfologia das células. Entretanto, fração hexânica, subfrações 6 e 7 apresentaram capacidade de fragmentar DNA das células. O fracionamento do extrato etanólico favoreceu o potencial citotóxico, tendo a fração hexânica como a mais promissora, e a capacidade antioxidantes também foi favorecida tendo o grupo 5 como o mais promissor. Estes resultados sugerem que as amostras de A. glabra apresentam baixo potencial citotóxico, e o mecanismo envolvido não está relacionado a indução de apoptose, e o extrato etanólico contém substâncias com capacidade antioxidante.
Abstract: The present study evaluated the cytotoxic and cytoprotective potential of ethanolic extract obtained from the shells of Annona glabra, its fractions and isolated substances. The powder obtained from A.glabra husks was subjected to maceration with ethanol for 7 days, and the solution was concentrated in a rotavaporator to residue. The ethanolic extract from A.glabra was partitioned between aqueous hexane: methanol (9: 1). The methanolic fraction was fractionated in chromatographic column using as Sephadex stationary phase and mobile phase the methanol. The cytotoxicity of the ethanolic extract and fractions was evaluated by the MTT cell viability assay ([3- (4,5-dimethylthiazol-2-yl) -2,5-diphenyltetrazolium bromide]). The extract, fractions and subfractions were submitted to thin layer chromatography (CCD) analysis, and pooled according to similar characteristics. The 50% cytotoxic concentration (IC 50) was determined by linear regression. Fractions of the extract with IC50 ≤ 30 μg / mL and isolated substance with IC50 ≤ 4 μg / mL are considered cytotoxic. Fractions with moderate to low cytotoxicity were submitted to the induction of apoptosis and DNA fragmentation by flow cytometry. Also, these samples were submitted to evaluation of oxidative stress by the TEAC and DPPH method. The extract of A. glabra (8.39% yield) was partitioned to give the methanolic fraction (yield 88.14%) and hexane fraction (yield 8.08%). Ethanolic extract, methanolic fraction and rutin showed low cytotoxicity (IC50 = 137.7, 139.4,> 200 μg / mL, respectively). Hexanic fraction and subfractions 17 and 19 showed moderate non-significant cytotoxicity (IC50 = 45.07, 53.45, 80.65 μg / mL, respectively). All the evaluated samples did not induce apoptosis cells, however, ethanolic extract, hexane fraction and rutin promoted changes in the cell morphology. However, hexanic fraction, subfractions 6 and 7 showed the ability to fragment DNA from cells. The fractionation of the ethanolic extract favored the cytotoxic potential, with the hexane fraction being the most promising, and the antioxidant capacity was also favored, with group 5 being the most promising. These results suggest that A. glabra samples have low cytotoxic potential, and the mechanism involved is not related to the induction of apoptosis, and the ethanolic extract contains substances with antioxidant capacity.
Keywords: Fármacos e medicamentos
Citotoxicidade
Citoproteção antioxidante
Apoptose
Antitumoral
Annona glabra
Fragmentação de DNA
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FARMACOLOGIA
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
Institution Acronym: UFPA
Department: Instituto de Ciências da Saúde
Program: Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas
Appears in Collections:Dissertações em Ciências Farmacêuticas (Mestrado) - PPGCF/ICS

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_EfeitosCitoprotetorCitotoxico.pdf1,99 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons