Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/9133
Tipo: Dissertação
Fecha de publicación : 2016
Autor(es): CARNEIRO, Rose Sheyla Rodrigues
Primer Orientador: RODRIGUES, Anderson Raiol
Primer Coorientador: SOUSA, Rita Catarina Medeiros
Título : Fatores prognósticos de letalidade na meningoencefalite criptocócica em crianças e adolescentes no estado do Pará
Citación : CARNEIRO, Rose Sheyla Rodrigues. Fatores prognósticos de letalidade na meningoencefalite criptocócica em crianças e adolescentes no estado do Pará. 2016. 80 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Núcleo de Medicina Tropical , Belém, 2016. Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais.
Resumen: Introdução: A criptococose é uma infecção fúngica sistêmica que frequentemente acomete adultos, especialmente os indivíduos portadores de alterações na imunidade celular. A Região Norte do Brasil é considerada área endêmica para a doença e apresenta uma maior prevalência da criptococose em crianças e adolescentes, dados que divergem de outras regiões do mundo, onde a criptococose é descrita como doença rara em pediatria. Objetivo: Descrever o perfil clínico, epidemiológico, radiológico e laboratorial das crianças e adolescentes com meningoencefalite criptocócica e avaliar quais as circunstâncias que afetam a evolução desses pacientes e aumentam as taxas de mortalidade da doença. Materiais e Métodos: Foi realizada um estudo longitudinal de coorte retrospectiva, através de revisão de prontuários, em que foram avaliados os fatores prognósticos de 62 pacientes com menos de 16 anos de idade, com diagnóstico de meningoencefalite criptocócica, admitidas no Hospital Universitário João de Barros Barreto, referência para pacientes com doenças infecciosas em Belém-PA, no período de 1999-2013. Resultados: A idade variou de 4 a 15 anos. A média de idade foi de 10 anos e 66% eram do sexo masculino. A distribuição dos casos conforme as microrregiões do Estado do Pará apresentou a seguinte classificação: Cametá (n=18; 29%), Guamá (n=8; 12,9%), Belém (n=8; 12,9%), Tomé-Açu (n=7; 11,3%), Bragantina (n=6; 9,7%), Castanhal (n=4; 6,5%) e outros (n=11; 17,7%). A apresentação clínica predominante foi a forma subaguda, descrito em 50% dos casos. As manifestações clínicas mais frequentes foram: cefaléia (n=61; 98,4%), febre (n=57; 91,9%) e vômito (n=55; 88,7%). A tomografia computadorizada do crânio foi realizada em 54 pacientes, e foram identificadas anormalidades em 43 (79,6%) crianças. A hidrocefalia foi descrita em 27 casos. O Cryptococcus gattii foi o principal agente envolvido (n=35; 71,4%). No total, (n=57; 91,9%) dos pacientes foram tratados com anfotericina B em monoterapia durante a fase de indução. Conclusões: Taxa de letalidade de 19,3%. A presença de convulsão foi um fator prognóstico de letalidade. No Estado do Pará, onde a criptococose por Cryptococcus gattii é endêmica, a doença em crianças é relativamente frequente. No entanto, os estudos nesta população são ainda escassos e não há diretrizes próprias para manejo dos casos. Novos estudos são necessários para melhorar o atendimento de crianças com meningite criptocócica.
Resumen : Introduction: Cryptococcosis is a systemic fungal infection that often affects adults, especially those who have an alteration in their cellular immunity. Its frequency in children is low. Objective: to describe the clinical, epidemiological, radiological and laboratorial profile of children with meningitis cryptococcal, and to evaluate what are the circumstances that affect the evolution of these patients and increase the fatality rates of the disease. Materials and methods: we performed a retrospective review of medical records in which we evaluated the prognostic factors of 62 children less than 16 years old, diagnosed with cryptococcal meningoencephalitis, admitted in the at João de Barros Barreto Hospital, reference for patients with infectious diseases in Belém-PA, from 1999-2013. Results: Ages ranged from less than 4 to 15 years. The average age was 10 and 66% were male. The Para state microregions, presented by order of decreasing frequency, showed: Cametá (29%), Guamá (12,9%), Belém (12,9%), Tomé-Açu (11,3%), Bragantina (9,7%) and others (39%). The predominant clinical presentation was the subacute form, represented by 50% of the cases. The most frequent clinical manifestations were headache (98,4%), fever (91,9%) and vomiting (88,7%). A skull tomography was performed in 54 patients, and abnormalities were reported in 43 (79,6%). Hydrocephalus was described in 27 cases. Cryptococcus gattii was the main agent involved, identified in 35 children (71,4%). In total, 91,9% of the patients were treated with amphotecicin B (AmB) alone. Conclusions: Rate of lethality from 19,3%; Seizure was a prognostic factor of lethality. In the State of Pará, where cryptococcosis by Cryptococcus gattii is endemic, the disease in children is relatively frequent. However, studies in this population are still scarce and there are no own management guides. New studies are needed to improve the management of children by this fungal infection.
Palabras clave : Doença infecciosa
Meningite criptocócica
Meningoencefalite
Criptococose
Crianças
Adolescentes
Pará - Estado
CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA::EPIDEMIOLOGIA
CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
País: Brasil
Editorial : Universidade Federal do Pará
Sigla da Instituição: UFPA
Instituto: Núcleo de Medicina Tropical
Programa: Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Aparece en las colecciones: Dissertações em Doenças Tropicais (Mestrado) - PPGDT/NMT

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción Tamaño Formato  
Dissertacao_FatoresPrognosticosLetalidade.pdf2,82 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este ítem está sujeto a una licencia Creative Commons Licencia Creative Commons Creative Commons