Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/9218
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 2012
metadata.dc.creator: SOUSA, Graciene Pereira de
metadata.dc.contributor.advisor1: FUZII, Hellen Thais
Title: Aspectos clínicos, epidemiológicos da infecção genital pelo Papilomavírus humano em gestantes do município de Imperatriz, Maranhão
metadata.dc.description.sponsorship: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Citation: SOUSA, Graciene Pereira de. Aspectos clínicos, epidemiológicos da infecção genital pelo papilomavírus humano em gestantes do município de Imperatriz, Maranhão. 2012. 65 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Núcleo de Medicina Tropical, Imperatriz, 2012. Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais.
metadata.dc.description.resumo: Sabe-se que a infecção pelo Papilomavírus humano (HPV) apresenta ampla distribuição na população, sendo considerada a doença sexualmente transmissível (DST) mais frequente mundialmente. Sua transmissão ocorre por exposição sexual em cerca de 98% dos casos e seu pico de positividade é observado entre mulheres na idade reprodutiva, principalmente nos primeiros anos de atividade sexual. Em geral, a infecção é limitada pela ação do sistema imunológico, o qual elimina o vírus no prazo de até 2 anos. Alterações que interfiram na ação do sistema imunológico podem interferir no curso da infecção pelo HPV, como em indivíduos com AIDS. Durante a gravidez ocorrem alterações fisiológicas que modificam a resposta imunológica para a não rejeição do feto semi-alogênico. Isso poderia interferir na evolução da infecção pelo HPV, porém, isto ainda é controverso. Este estudo teve como objetivo analisar a prevalência da infecção pelo HPV em mulheres grávidas no município de Imperatriz, MA e investigar as possíveis associações existentes entre a infecção genital pelo HPV e fatores sociodemográficos, comportamentais, sexuais, contraceptivos, reprodutivos e clínico - ginecológicos selecionados.Foi realizado um estudo transversal, com 168 mulheres grávidas no município de Imperatriz- MA. As pacientes selecionadas responderam a um questionário sobre os dados sócio demográficos, comportamentais e reprodutivos. Foi realizada coleta de material cervicovaginal para citologia convencional e escovado cervical para detecção de DNA-HPV por técnica da reação em cadeia de polimerase (PCR). A associação da infecção por HPV e fatores de risco selecionados foi avaliada por meio do teste do Qui-quadrado (2) e/ou exato de Fisher, todos com um nível alfa de significância de 0,05. Foram estudadas 200 amostras de material do colo do útero foi coletado para realização do exame Citopatológico e para identificação do DNA-HPV através por PCR. A prevalência da infecção genital pelo HPV em gestante na cidade de Imperatriz foi de 17,6%, sendo que a maior prevalência ocorreu na faixa etária entre 18 a 25 anos, a qual foi de 21,5%. Em relação à situação marital, nota-se que as gestantes solteiras apresentaram maior risco de adquirir a infecção pelo HPV que as casadas (OR= 4,03; p= 0,0046). Quanto às características reprodutivas, verifica-se as gestantes que afirmaram serem primigestas apresentaram maior prevalência da infecção pelo HPV, com 29%, sendo estatisticamente significantes (p=0,001), tendo 4 vezes mais chances de adquirir a infecção pelo HPV em relação às mulheres que engravidaram 2 ou mais vezes. Interessantemente, as mulheres que estavam realizando o primeiro PCCU na ocasião, apresentaram maior prevalência da infecção pelo HPV (25%) em relação àquelas que já haviam realizado este exame anteriormente.Os resultados mostraram uma elevada prevalência de HPV em Gestantes jovens com idade menor que 25 anos, em primigestas e entre as que realizaram PCCU pela primeira vez, portanto observa-se a necessidade de medidas para promoção e prevenção de saúde com esse alvo de gestante específico dentro da rotina de serviço Hospitalar . Desta forma, acredita-se que esses dados possam ser muito úteis no planejamento de programas, incluindo o controle de Doenças sexualmente transmissíveis, principalmente o HPV.
Abstract: It is known that infection with human papillomavirus (HPV) is widely distributed in the population, and is considered a sexually transmitted disease (STD) more frequent worldwide. Its transmission occurs through sexual exposure in about 98% of cases and its positive peak is observed among women of reproductive age, especially in the first years of sexual activity. In general, the infection is limited by the action of the immune system, which eliminates the virus within 2 years. Changes that interfere with the action of the immune system can influence the course of HPV infection, such as people with AIDS. During pregnancy, physiological changes occur that alter the immune response to non-rejection of semi- allogeneic fetus. This could interfere with the evolution of HPV infection, but this is still controversial. This study aimed to analyze the prevalence of HPV infection in pregnant women in the city of Imperatriz, MA and investigate possible associations between genital HPV infection and sociodemographic, behavioral, sexual, contraceptive and reproductive clinic - gynecological selected. We conducted a cross-sectional study of 168 pregnant women in the city of Empress-MA. The selected patients answered a questionnaire on socio demographic, behavioral and reproductive. Material was collected cervicovaginal cytology and conventional cervical brushed to detect HPV DNA by the technique of polymerase chain reaction (PCR). The association of HPV infection and selected risk factors was evaluated using the chi-square (x²) and/or Fisher exact test, all with an alpha level of 0.05. We studied 200 samples of cervical material was collected for Pap smear testing and identification of HPV DNA by PCR. The prevalence of genital HPV infection in pregnant women in the city of Empress was 17.6%, with the highest prevalence was in the age group between 18 to 25 years, which was 21.5%. Regarding marital status, note that unmarried pregnant women had a higher risk of acquiring HPV infection than married women (OR = 4.03, p = 0.0046). As for reproductive traits, there is the women who reported being primigravidae had higher prevalence of HPV infection, with 29%, which was statistically significant (p = 0.001), and 4 times more likely to acquire HPV infection than women who became pregnant two or more times. Interestingly, women who were taking the first PCCU on occasion, had a higher prevalence of HPV infection (25%) compared to those who had performed this test anteriormente.Os results showed a high prevalence of HPV in young pregnant women aged less than 25 years in primigravidae and among those who underwent PCCU first, so there is a need for measures to promote prevention and health of pregnant women with this specific target within the service routine Hospital. Thus, it is believed that such data can be very useful in planning programs, including the control of STDs, especially HPV.
Keywords: Doenças sexualmente transmissíveis
Saúde pública
Papilomavírus humano (HPV)
Gestação - Fatores de risco
Prevalência
Imperatriz - MA
Maranhão - Estado
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA::SAUDE PUBLICA
CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA::CLINICA MEDICA::GINECOLOGIA E OBSTETRICIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Núcleo de Medicina Tropical
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Dissertações em Doenças Tropicais (Mestrado) - PPGDT/NMT

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_AspectosCliniciosEpidemiologicos.pdf530,42 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons