Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/9288
metadata.dc.type: Dissertação
Issue Date: 16-May-2011
metadata.dc.creator: LOPES, Rosana Telma Santos
metadata.dc.contributor.advisor1: LEAL, Walace Gomes
Title: Neurogênese endógena induzida por acidente vascular encefálico experimental após inibição da ativação microglial/macrofágica com o anti-inflamatório indometacina
metadata.dc.description.sponsorship: FAPESPA - Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas
Citation: LOPES, Rosana Telma Santos. Neurogênese endógena induzida por acidente vascular encefálico experimental após inibição da ativação microglial/macrofágica com o anti-inflamatório indometacina. 2011. 91 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Biológicas, Belém, 2011. Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular.
metadata.dc.description.resumo: O acidente vascular encefálico (AVE) resulta de redução permanente ou transitória do fluxo sanguíneo para áreas encefálicas. Pode ser classificado como hemorrágico ou isquêmico. Sendo que o último é responsável por cerca de 87% dos casos. Esta desordem neuronal é a segunda maior causa de mortalidade e incapacidade no mundo e a principal causa de mortes no Brasil. Demonstrou-se que após a oclusão da artéria cerebral média (MCAO), os neuroblastos migram para o estriado isquêmico e substituem parcialmente os neurônios perdidos durante a isquemia. Além disso, a maioria dos neuroblastos migratórios morre na primeira semana após MCAO e eventos inflamatórios, principalmente a ativação microglial, pode desencadear na morte desses neuroblastos. Neste estudo, investigaram-se os efeitos do anti-inflamatório não esteróide, indometacina, nas ativação microglial, preservação neuronal e neurogênese adulta MCAO experimental de ratos adultos. Os animais sofreram MCAO por microinjeções de endotelina-1 e foram tratados (i.p) com indometacina ( N=8) ou solução salina estéril (N=8). Analisou-se através da imunoistoquímica, neurônios maduros (NeuN), ativação microglial/macrofágica (Iba1 e ED1) e migração de neuroblastos (DCX) 8 e 14 dias. O número de células NeuN, ED1 e DCX positivas por campo foram contadas no estriado isquêmico ou zona subventricular. O tratamento com indometacina reduziu a ativação microglial em geral e o número de células ED1+ em 8 e 14 dias após a lesão (médias de ±6,9 e ±3,0 células respectivamente), comparado ao controle (±7,9 ou ±6,5 células, p<0.001, ANOVA-Tukey). Aumentou o número de células DCX+ em ambas SVZ e estriado, em todos os tempos avaliados. Não houve diferença entre o número de células NeuN+ entre grupos. Os resultados mostram que o tratamento com indometacina inibe a ativação microglial concomitante com o aumento da proliferação e migração de neuroblastos após MCAO. Isto é resultado promissor, considerando que a indometacina é também usada em tratamentos de doenças humanas não neurais e que a neurogênese adulta pode levar à recuperação funcional após o AVE.
Abstract: Stroke results from the transitory or permanent reduction of cerebral blood flow. It can be classified as hemorrhagic or ischemic. Ischemic stroke is responsible for around 87% of all cases. This acute neural disorder is the second cause of mortality and disability around the world and the main cause of death in Brazil. It has been shown that neuroblasts migrate to the ischemic striatum following middle cerebral artery occlusion (MCAO) and partially replace neurons lost during ischemia. Nevertheless, most of the migrating neuroblasts die in the first weeks following MCAO and inflammatory events, mainly microglia activation, may underlie neuroblast death. In this study, we investigated the effects of the nonsteroidal anti-inflammatory indomethacin on microglial activation, neuronal preservation and adult neurogenesis following experimental MCAO in adult rats. Animals were submitted to endothelin-1 induced- MCAO and treated (i.p) with indomethacin (N=8) or sterile saline (N=8) for 7 days and perfused at 8 or 14 days. Immunohistochemistry was performed to assess neuronal loss (anti-NeuN), microglial activation (anti-Iba1 and ED1) and migrating neuroblasts (anti-DCX). The numbers of NeuN, ED1 and DCX positive cells per field were counted in the ischemic striatum or subventricular zone. Indomethacin treatment reduced microglial activation in general and the number of ED1+ cells at both 8 and 14 days (±6,9 and ±3,0 cells respectively) postinjury, compared to control (±7,9 or ±6,5 cells, p<0.001, ANOVA-Tukey). There was an increase in the number of DCX+ cells in both subventricular zone (SVZ) and striatum at the same survival times. There was no difference in the number of NeuN positive cells between groups in all investigated survival times. The results show that indomethacin treatment induces inhibition of microglial activation concomitant with increased neuroblast proliferation and migration following MCAO. This is a promising outcome, considering that indomethacin is already used in non-neural human diseases and that adult neurogenesis may underlie functional recovery following stroke.
Keywords: Acidente vascular cerebral
Estriado
Indometacina
Inibição microglial
Neurogênese
Isquemia
Rato como animal de laboratório
Anti-inflamatórios
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::MORFOLOGIA
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Dissertações em Neurociências e Biologia Celular (Mestrado) - PPGNBC/ICB

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_NeurogeneseEndogenaInduzida.pdf2,7 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons