Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/11247
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
Issue Date: Dec-2018
metadata.dc.creator: FREITAS, Marília Fernanda Pereira de
FACUNDES, Sidney da Silva 
metadata.dc.description.affiliation: FREITAS, M.F.P.; SIDNEY, S.F. Universidade Federal do Pará, Instituto de Letras e Comunicação (ILC)
Title: Considerações sobre a posse nominal em Apurinã (Aruák)
Other Titles: Nominal possession in Apurinã (Arawak): some considerations
Citation: FREITAS, Marília Fernanda Pereira de et al. Considerações sobre a posse nominal em apurinã (Aruák). Boletim do Museu Paraense Emìlio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 13, n. 3, p. 645-662, set./dez. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981.81222018000300009 Disponível em:http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11247. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: Os nomes em Apurinã, língua indígena pertencente à família Aruák, falada no sudeste do estado do Amazonas, já foram objeto de investigação de alguns autores, em que diferentes classificações foram propostas (Facundes, 1995, 2000; Brandão, 2006; Facundes; Freitas, 2013). Neste artigo, revisitaremos as diferentes classificações para os nomes em Apurinã, apresentando, posteriormente, a proposta atual de classificação de nomes em Apurinã, com base em Freitas (2017), que classifica os nomes em: (i) alienáveis, (ii) inalienáveis e (iii) nomes não possuíveis. A atual proposta também considera que a (in)alienabilidade na língua é definida em termos não só dos padrões de marcação morfológica dos nomes, mas também leva em conta os parâmetros ‘frequência de ocorrência’, em construções de posse, e ‘motivação econômica’, tal como definidos por Haspelmath (2008), dentro de uma abordagem tipológica. Assim, nomes inalienáveis ocorrem mais frequentemente como possuídos, sendo não marcados em construções de posse, por isso, são mais econômicos; já nomes alienáveis ocorrem mais frequentemente como não possuídos, sendo notoriamente marcados em construções de posse por um conjunto de sufixos, portanto, são menos econômicos
Abstract: Nouns in the Apurinã language (Arawak), which is spoken in southeastern Amazonas, Brazil, have been studied by multiple authors, and different classifications have been proposed (Facundes, 1995, 2000; Brandão, 2006; Facundes; Freitas, 2013). In this paper, we will revisit the different classifications for nouns in Apurinã, and present a new proposal by Freitas (2017), which classifies the nouns in the language as: (i) alienable, (ii) inalienable, and (iii) non-possessible nouns. Inalienability is defined not only in terms of morphological marking patterns, but also considering the ‘frequency of occurrence’ in possessive constructions and ‘economic motivation,’ as defined by Haspelmath (2008), following a typological approach. Inalienable nouns thus more frequently appear as possessed, being unmarked in possessive constructions, and therefore more economical, while alienable nouns more frequently occur as unpossessed, marked in possessive constructions by a set of suffixes, and therefore less economical
Keywords: (In)alienabilidade
Frequência de ocorrência
Motivação econômica
Apurinã
Aruák
Series/Report no.: Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas
ISSN: 2178-2547
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pará
metadata.dc.publisher.initials: UFPA
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source.uri: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222018000300645&lng=pt&nrm=iso
metadata.dc.identifier.doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981.81222018000300009 
Appears in Collections:Artigos Científicos - FALE/ILC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Artigo_ConsideracoesPosseNominal.pdf294,04 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons